Correio de Carajás

Polícia investiga crime no Bairro da Infraero, em Marabá

Foto: Ilustração FreePik

10 TIROS!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O alvo da ira dos criminosos era usuário de drogas e praticava pequenos furtos pela cidade para sustentar o vício. Um dia essa conta chegaria. Chegou!

Acerto de contas ou vingança. Essas são duas das hipóteses sobre os motivos que levaram dois homens a assassinar o ex-presidiário Wellington Lopes Pereira. O Departamento de Homicídios da Polícia Civil ficou de ouvir testemunhas esta semana Wellington foi executado com nada menos de 10 tiros no final da tarde do último dia 11, no Bairro Infraero, ocupação urbana na periferia da Cidade Nova, em Marabá.

A julgar pelo que foi apurado pelos investigadores da delegacia especializada, a dupla que assassinou Wellington Lopes estava disposta a fazer o serviço a qualquer custo, pois, por volta das 15h daquele mesmo dia, ele sofreu uma tentativa de homicídio, em sua residência, Rua Belo Monte. Por esse motivo, ele estava escondido em um terreno baldio na mesma rua. Mas não adiantou: lá ele foi encontrado pelos pistoleiros e executado.

Ainda segundo o Departamento de Homicídios, por volta das 17h foi encontrado o cadáver de Wellington com pelo menos 10 tiros, que atingiram a cabeça, barriga, pernas e braços. A dificuldade de investigação se deve ao fato de que, segundo os policiais, “no local impera a lei do silêncio”.

Leia mais:

Preso em agosto

Fazia pouco tempo que Wellington estava em liberdade, pois no dia 5, às 21 horas, ele foi preso em flagrante, no Núcleo Marabá Pioneira, acusado de furtar uma bicicleta. Na ocasião, o dono da bicicleta mostrou aos policiais um vídeo do momento do furto e informou que Wellington (até aquele momento não identificado) estava na Orla Sebastião Miranda.

Os policiais o localizaram e ele confessou também haver furtado várias outras bicicletas. Wellington também disse ser usuário de entorpecentes e que vende os veículos para comprar mais drogas. Na ocasião, ele também delatou que um indivíduo de apelido “Curicão”, morador do Bairro Jardim União (perto do Bairro Infraero), seria o comprador dos objetos que ele furtava.

Não é possível afirmar, mas é possível supor que esse “estilo de vida” acabaria levando Wellington a contrair inimigos que um dia seriam capazes de mata-lo.

(Chagas Filho e Henrique Garcia)

Comentários

Mais

Quadrilha é presa com 28 celulares roubados em show de Parauapebas

Quadrilha é presa com 28 celulares roubados em show de Parauapebas

Vinte e oito aparelhos celulares roubados durante o show de João Gomes, na Feira de Agronegócios de Parauapebas (FAP), na…
Trio de dedos-duros é preso com maconha e cocaína

Trio de dedos-duros é preso com maconha e cocaína

A Polícia Militar de Canaã dos Carajás recolheu três envolvidos com o tráfico de drogas e os despejou na Delegacia…
Em 24 horas, duas pessoas são brutalmente assassinadas em Serra Pelada

Em 24 horas, duas pessoas são brutalmente assassinadas em Serra Pelada

Dois crimes chocaram moradores do antigo garimpo de Serra Pelada, município de Curionópolis, no último final de semana. No sábado…
Traficante morre após trocar tiros com policiais

Traficante morre após trocar tiros com policiais

Um homem ainda não identificado morreu na noite deste domingo (24) durante intervenção policial registrada na Rua Bororó, no Parque…
Cocaína é encontrada com piloto conduzindo perigosamente

Cocaína é encontrada com piloto conduzindo perigosamente

No final da tarde de sábado, às 17h30, a Polícia Militar de Parauapebas deteve Gustavo Silva Barreto, de 20 anos,…
Perseguição policial acaba com prisão de membros do PCC

Perseguição policial acaba com prisão de membros do PCC

Três homens foram presos por tráfico de drogas no Bairro Maranhão, alegadamente membros da facção criminosa Primeiro Comando da Capital…