Correio de Carajás

Pesquisadores anunciam testes de vacina de Oxford em crianças e adolescentes

Vacina de Oxford não havia sido testada em crianças e adolescentes até o momento — Foto: Heudes Regis/Governo de Pernambuco/Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Universidade de Oxford anunciou neste sábado (13) que irá começar os estudos de fase 2 da vacina ChAdOx1 nCoV-19 em crianças e adolescentes. Será o primeiro estudo do imunizante nesta população.

  • Nesta etapa de testes, os pesquisadores irão avaliar a segurança e as respostas imunológicas em pessoas de 6 a 17 anos;
  • O ensaio será randomizado, com a escolha aleatória de quais voluntários irão receber a vacina da Covid-19 e quais receberão uma vacina contra a meningite, que tem efeitos colaterais similares, como dor no braço;
  • Deverão se inscrever 300 participantes, sendo que 240 deverão receber a vacina de Oxford/ AstraZeneca.

Os estudos das vacinas contra a Covid-19 em crianças e jovens adultos foram deixados inicialmente em segundo plano pelas farmacêuticas e universidades porque o grupo é o que tem o menor risco de morte devido à infecção pelo coronavírus.

Andrew Pollard, diretor do Grupo de Vacinas de Oxford, diz que “embora a maioria das crianças não seja relativamente afetada pelo coronavírus e é improvável que fique doente devido à infecção, é importante estabelecer qual é a segurança e a resposta imunológica” nesta faixa etária.

Leia mais:

Pediatra e cientista no Grupo de Vacinas de Oxford, Rinn Song afirma que apesar da resistência das crianças e jovens ao coronavírus, eles também foram afetados no último ano de pandemia.

“A pandemia da Covid-19 teve um impacto negativo profundo na educação, no desenvolvimento social e no bem-estar emocional de crianças e adolescentes (…). Portanto, é importante coletar dados sobre a segurança e de resposta imune também nessas faixas etárias, para que elas possam se beneficiar no futuro”.

De acordo com os pesquisadores, os testes deverão iniciar ainda em fevereiro. A pesquisa será financiada pelo Instituto Nacional de Pesquisa em Saúde do Reino Unido e pela AstraZeneca, farmacêutica que desenvolveu a vacina junta à Universidade de Oxford. Após o encerramento da fase 2, os pesquisadores realizarão o ensaio de fase 3, que avaliará a eficácia do imunizante nesta faixa etária. (Fonte:G1)

Comentários

Mais

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária

Presidente do Incra exalta reforma agrária Em seu discurso no evento em Marabá, o presidente do Incra, Geraldo Melo Filho,…
Começa hoje a vacinação da  população sem prioridade

Começa hoje a vacinação da população sem prioridade

Um mutirão de dois dias vai marcar o momento tão esperado pelos marabaenses: o início da vacinação contra a covid-19…
Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

Dose extra de vacina é insuficiente para imunizar a população

A Secretaria Municipal de Saúde de Canaã dos Carajás recebeu do Governo do Estado 3.140 doses de vacina contra o…
Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…