Correio de Carajás

Pensão alimentícia: Advogada de Parauapebas explica direitos e deveres

Luciana Barros destaca que a obrigação é igualitária e ambos genitores têm a responsabilidade no sustento dos filhos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Pensão alimentícia é o valor pago ao filho para o suprimento das necessidades básicas de sobrevivência e manutenção e não se limita à alimentação, por isso, deve incluir custos para moradia, vestuário, educação e saúde da criança, como explica a advogada Luciana Barros, especialista em direto da família que atua em Parauapebas.

A advogada respondeu as principais dúvidas sobre o assunto dos expectadores do Programa Fala Cidade, da TV Correio, nesta quarta-feira (2), destacando que a “obrigação é igualitária”, pois ambos genitores têm a responsabilidade no sustento dos filhos, ou seja, quando o pai é o detentor da guarda, a mãe também tem que pagar pensão para o filho. 

Uma das perguntas feitas à especialista é como localizar o endereço do pai para o pagamento da pensão. “Quando não se encontra o pai, o advogado tem instrumentos para conseguir localizar a pessoa”, garante. Um deles é a citação por edital, recurso usado depois de esgotados os meios legais de tentativa de localização, onde a pessoa será citada para que seja executada a pensão de alimentos. 

Leia mais:

Já em casos nos quais o pai é autônomo e alega não ter como pagar um valor de pensão, por não possuir carteira assinada, mas ostenta boa vida na internet, a orientação é “printar” as postagens e acionar o advogado que irá apresentar as provas ao juiz, usando o direito chamado de “teoria da aparência”, procedimento para reconhecer a verdadeira situação financeira do pai.

A advogada esclareceu, ainda, que a pensão não pode deixar de ser paga, mesmo quando o pai tem mais filhos ou está desempregado. O custeio do dependente deve ser garantido. Uma das alternativas é pedir a adequação do valor pago.   

Um dos telespectadores afirmou pagar pensão à filha, mas ainda assim não ter acesso à criança impossibilitado pela mãe. Luciana citou que quando a mãe pleiteia a pensão, o pai tem o direito a ter o convívio com a criança e pode exercer esse direito ao dar entrada em uma ação chamada “regulamentação de convivência”. Em caso de descumprimento a justiça pode ser acionada, pois o pai precisa exercer a paternidade.

Já nos casos em que a mãe se recusa a receber a pensão, Luciana foi categórica ao dizer que ela não pode recusar os valores, uma vez que o direito não é dela, mas da criança. O que pode ser feito caso a mãe não precise do dinheiro é o valor ser depositado em uma conta para o filho. (Theíza Cristhine)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…