Correio de Carajás

Pedido de vista suspende julgamento do marco temporal no Supremo

Foto: Fabio Pozzebom

JULGAMENTO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Corte julga disputa pela posse de terra indígena em Santa Catarina

Um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu hoje (15) o julgamento do processo no qual a Corte analisa a tese do marco temporal para demarcações de terras indígenas. Não há prazo para retomada do julgamento.

O placar do julgamento está empatado em 1 a 1. Na sessão desta tarde, o ministro Nunes Marques votou a favor da tese. Na sessão anterior, o relator do caso, ministro Edson Fachin,  manifestou-se contra o marco temporal.

Há três semanas, o STF julga o processo sobre a disputa pela posse da Terra Indígena (TI) Ibirama, em Santa Catarina. A área é habitada pelos povos Xokleng, Kaingang e Guarani e a posse de parte da TI é questionada pela procuradoria do estado.

Leia mais:

No caso, os ministros discutem o chamado marco temporal. Pela tese, defendida por proprietários de terras, os indígenas somente teriam direito às terras que estavam em sua posse no dia 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Constituição Federal, ou que estavam em disputa judicial nesta época.

No entendimento de Nunes Marques, embora não tenham sido cumpridas, as normas transitórias da Constituição estipularam prazo de cinco anos, a partir da promulgação, para conclusão das demarcações de terras indígenas. Dessa forma, posses posteriores à entrada em vigor da Constituição não podem ser consideradas tradicionais.

“Tal norma transitória é forte indício de que o constituinte teve em mente a fixação de um marco temporal preciso para delimitação dos espaços físicos que ficaram sob o exclusivo usufruto indígena. Se houvesse a possibilidade de que, a qualquer momento, novas posses indígenas pudessem ser estabelecidas para além daqueles vigentes na data da promulgação da Constituição, não faria sentido fixar prazo para a demarcação dessas terras, pois restaria sempre em aberto a possibilidade de configuração de novas posses tradicionais”, argumentou.

O processo tem a chamada repercussão geral. Isso significa que a decisão que for tomada servirá de baliza para casos semelhantes que forem decididos em todo o Judiciário. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Luiza Trajano entra na lista de 100 pessoas mais influentes da Time

Luiza Trajano entra na lista de 100 pessoas mais influentes da Time

A presidente do conselho de administração da rede varejista Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, entrou para a lista das 100…
Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

A Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá, localizada na comunidade Boa Esperança, distante 15 quilômetros, próximo à região…
MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

Uma resolução do Ministério da Educação publicada no Diário Oficial da União de hoje (17) autoriza os gestores das escolas públicas de educação básica…
Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com dados colhidos entre 17 de janeiro e 19 de julho reforçou que…
Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

O Boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado hoje (17), indica que a taxa de ocupação de…
Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Um caminhão pegou fogo no pátio de um posto de combustível localizado na Rodovia Transamazônica, no núcleo urbano da Nova…