Correio de Carajás

Parauapebas: Passagem do transporte aumenta e população reclama

Preço da passagem aumenta a partir do dia 1º em Parauapebas/ Foto: Ronaldo Modesto
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A partir da próxima sexta-feira, 1º de fevereiro, o preço da passagem do transporte público de Parauapebas passa de R$ 3,00 para R$ 3,30. O anúncio foi feito através de comunicado emitido pela Central, que tem a concessão do transporte público do município.

A notícia, no entanto, não agradou aos usuários, que acham a cobrança abusiva. Para eles, esse não é o momento para reajustar o valor da passagem porque muita gente está desempregada na cidade, que ainda não se equilibrou da crise econômica que afetou o País e, consequentemente, também Parauapebas, que tem matriz econômica na mineração.

No comunicado, a Central argumenta que há dois anos o preço da passagem não era reajustado. A entidade queria um reajuste de R$ 3,36, mas o governo municipal bateu o martelo em R$3,30.

Leia mais:

“Embora tenhamos apresentado R$ 3,36, valor este que está abaixo do proposto em 2018, informamos que resolvemos aceitar a proposta do Poder Público e iremos continuar prestando um serviço eficaz aos usuários, em respeito à população de Parauapebas, a quem devemos toda satisfação”, informa o comunicado público, assinado pelo presidente da Central, Francisco Monteiro Brito.

Segundo Brito, o último reajuste aconteceu em dezembro de 2016, quando o valor da passagem teve uma majoração de 20%, passando de R$ 2,50 para R$ 3,00.

Nos dados apresentados, a Central defende o reajuste dizendo que se fosse atualizado o reajuste dos valores dos insumos, que são peças, manutenções, desgaste, reajuste salarial dos servidores, o valor da tarifa de energia elétrica e preços dos combustíveis, o valor seria bem acima do apresentado.

“Mas, em respeito aos cidadãos, que são os verdadeiros titulares do serviço de transporte público coletivo, resolvemos concordar com o valor proposto e seguir mantendo o serviço com o mesmo empenho de dedicação”, destaca a Central.

O transporte público de passageiros em Parauapebas é feito atualmente por micro-ônibus. Segundo os dados, até 2011 o serviço era prestado por sete cooperativas, mas houve unificação delas. Em dezembro de 2014, começou a operar com a Central, formada por três cooperativas.

De acordo com Brito, a entidade tem buscado aprimorar seu sistema tecnológico para garantir mais segurança aos usuários, assim como melhorar o serviço prestado. Segundo a Central, hoje todos os veículos são monitorados por câmeras de segurança internas e externas; GPS, rádios e aplicativo que permite aos usuários visualizarem os veículos de suas respectivas linhas em tempo real.

Para facilitar o acesso da população, foram implantados quatro pontos de cadastros onde os usuários podem adquirir os cartões/passes e recarregá-lo com os valores para serem usados em qualquer veículo da Central, sendo um na Central das Cooperativas, na Rua Sol Poente, Bairro da Paz; Partage Shopping; Karajás Shopping, inaugurado recentemente, e mais um ponto de cadastro itinerante.

“Além destes, contamos com outros 15 pontos de vendas espalhados pela cidade, tudo manter a qualidade e a regularidade do serviço, buscando sempre a excelência e o atendimento digno aos usuários do transporte público”, afirma o presidente.

Usuário acha preço absurdo

Mas os argumentos da Central se contrapõe à opinião dos usuários, que acham que o reajuste está sendo feito em um momento inoportuno. Estudante e precisando usar diversas vezes o transporte público por dia, Pedro Wiliam diz que o preço pago é caro diante do achatamento orçamentário da população assalariada, que é quem usa o transporte público.

“A cada dia o custo de vida fica mais caro e o salário não tem reajuste. Com isso, o orçamento vai ficando ainda mais apertado. Quem ganha um salário mínimo hoje, por exemplo, mal consegue comer”. Com mais esse acréscimo, que pode parecer pequeno, o aumento ao final do mês chega a R$ R$ 28,80 para quem paga quatro passagens por dia, de segunda a sábado. “Com esse valor, o trabalhador já poderia comprar alimento para casa”, frisa o estudante, que ainda reclama do serviço, dizendo que há demora e alguns motoristas são ignorantes.

O vigilante Ivaldo Gonçalves também discorda do aumento. Ele diz que Parauapebas já era para ter um terminal de integração, para reduzir os custos para quem usa o transporte público, que pagaria apenas uma passagem e poderia ir a qualquer bairro da cidade.

“Eu, que moro na VS 10, muitas vezes preciso pegar dois ou mais transportes porque as linhas não passam em todos os lugares. Se tivesse o terminal, isso facilitaria a vida do usuário e reduziria custos”, destaca o vigilante.  (Tina Santos – com a colaboração de Ronaldo Modesto)

Mais

Tião agenda reunião com professores de Marabá para negociar dívida

Tião agenda reunião com professores de Marabá para negociar dívida

Os professores da rede municipal podem, finalmente, ter um encontro cara a cara com o prefeito Tião Miranda, de Marabá.…
Centenas ignoram vírus e aglomeram na Orla de Marabá

Centenas ignoram vírus e aglomeram na Orla de Marabá

Aglomeração, falta de uso de máscara, som alto, consumo de bebidas alcoólicas e desrespeito às medidas de segurança. Foi isso…
Autoescolas reivindicam centro de treinamento em protesto

Autoescolas reivindicam centro de treinamento em protesto

Uma manifestação pacífica tomou conta da entrada da sede da Prefeitura de Parauapebas, promovida pela Associação das Autoescolas de Parauapebas…
Já entregou o IRPF? Prazo acaba dia 31

Já entregou o IRPF? Prazo acaba dia 31

Se você ainda não entregou sua declaração do Imposto de Renda 2021 (IRPF) é melhor se apressar, o prazo acaba…
Cadastro para regularização fundiária do Bairro Liberdade continua

Cadastro para regularização fundiária do Bairro Liberdade continua

As equipes da Companhia de Habitação do Estado do Pará (Cohab) e do Instituto de Terras do Pará (Iterpa) retornaram,…
Webinário debate os impactos da pandemia no setor cultural

Webinário debate os impactos da pandemia no setor cultural

Shows cancelados, cinemas fechados e visitação suspensa a museus e espaços culturais. Eis o cenário que o setor cultural vive…