Correio de Carajás

Pará registra saldo positivo na geração de empregos formais voltados ao público feminino

Foto: Ag. Pará
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Pará celebra também saldo positivo na geração de empregos formais voltados ao público feminino. Estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgado na semana passada, aponta que o Estado fechou o ano de 2020 com aproximadamente 8 mil postos de trabalhos formais ocupados por mulheres, alcançando o melhor resultado entre os estados da Região Norte.

O estudo é elaborado em parceria com a Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), baseado em dados do Ministério da Economia, segundo o novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Segundo o Dieese, o Pará foi o estado que apresentou o maior percentual de inserção de mulheres no mercado de trabalho. Em toda a Região Norte, foram realizadas, entre janeiro e dezembro de 2020, 218.308 admissões formais femininas, contra 203.579 desligamentos, o que gerou um saldo positivo de 14.729 postos de trabalhos voltados a este público. Desse total, cerca de 52,2% foram obtidos no estado do Pará.

Leia mais:

O técnico e pesquisador do Dieese, Everson Costa, explica que, mesmo diante das dificuldades ocasionadas pela pandemia, o Pará conseguiu encerrar o ano de 2020 com destaques significativos, entre eles, a geração de postos de trabalhos voltados ao público feminino.

“Embora ainda estejamos um pouco distantes no sentido de equidade entre homens e mulheres, o resultado apresentado sinaliza que a mulher tem conquistado seu espaço e se destacado em diversos setores econômicos, seja na construção civil, na indústria, no comércio ou no setor de serviço. É possível perceber que a mulher tem buscado mais oportunidades de qualificação, mais tempo de estudo, o que dá acesso a inúmeras possibilidades mercadológicas”, destaca.

O Governo do Pará tem estabelecido uma rotina de retorno da economia, mantida através do direcionamento de atividades essenciais. Mediante esse processo de retomada, a Seaster tem potencializado os 31 postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine) e atuado, diariamente, com o encaminhamento de trabalhadores à ofertas de emprego.

Marcia Luzia tem 44 anos e estava desempregada há um ano. Ela conta que foi até um posto do Sine atualizar o seu cadastro e, através do atendimento, teve acesso a novas oportunidades. “Já conhecia o serviço, já fui admitida por duas empresas através da intermediação do Sine. Eles realizam um trabalho muito importante. Como já estava há um ano fora do mercado, fui até um posto atualizar o cadastro e acessar o banco de vagas. Em menos de um mês, recebi a ligação para participar de uma entrevista em uma empresa de telefonia móvel. Lá o trabalho é desafiador, tudo é novidade, mas tenho aprendido bastante e seguido em frente”, conta.

A história da mulher no mercado de trabalho foi escrita ao longo dos séculos, marcada por luta e resistência. Mesmo diante de um cenário desigual, o protagonismo feminino tem sido pauta no mundo inteiro, e esse processo de empoderamento também tem possibilitado a conquista de novos espaços.

Maria Evaneide Pantoja, diretora de Administração e Finanças da Seaster, reforça que a participação das mulheres no mercado vai além da equidade, é algo fundamental para o desenvolvimento da sociedade e a expansão da economia mundial.

“A nós, mulheres, restam muitos desafios, sobretudo neste tempo de pandemia. A dupla ou até mesmo tripla jornada de trabalho e a baixa escolaridade fazem com que muitas se limitem a cargos e funções com menores salários. Entretanto, apesar desse contexto desigual, a atuação do público feminino tem sido pauta global: em uma conferência do G20, metas foram estabelecidas para que, até 2025, a desigualdade de gêneros nas maiores economias do mundo diminua. Isso trará um aumento em milhões para a economia mundial e, não por menos, tem sido tema entre grandes potências que já entendem que, para que as metas sejam alcançadas, é preciso investir em educação e na qualificação de mulheres. Deixo aqui minha gratidão àquelas que lutam dia a dia, que ofertam serviços mais humanizados e assim fazem deste mundo um lugar melhor para se viver”, destaca a diretora. (Agência Pará)

Comentários

Mais

Marabá começa a vacinar a população com mais de 40 anos no sábado

Marabá começa a vacinar a população com mais de 40 anos no sábado

Mais uma importante faixa etária, que representa grande parcela da população adulta em geral, será finalmente imunizada contra a covid-19…
Do tradicional ao moderno, Marabá é referência em festa junina

Do tradicional ao moderno, Marabá é referência em festa junina

Fogueira, bandeirinhas, quadrilhas e roupas xadrez e floridas. Pelo segundo ano consecutivo o tradicional festejo junino que acontece por todo…
Sefa apreende 12.500 vidros de palmito

Sefa apreende 12.500 vidros de palmito

Servidores da Secretaria da Fazenda do Pará (Sefa), lotados na Coordenação de Mercadorias em Trânsito de Carajás, com sede em…
Falta de médicos no HMM repercute na Câmara

Falta de médicos no HMM repercute na Câmara

A constante falta de médicos em plantões no Hospital Municipal de Marabá (HMM) foi o tema mais debatido na sessão…
Lojas, escolas e até crossfiteiros capricham no arraiá de Parauapebas

Lojas, escolas e até crossfiteiros capricham no arraiá de Parauapebas

O Dia de São João é comemorado nesta quinta-feira (24) e Parauapebas entrou com tudo no clima junino de diferentes…
Prefeitura de Curionópolis lança o programa "Obras por toda a cidade"

Prefeitura de Curionópolis lança o programa "Obras por toda a cidade"

A Prefeitura de Curionópolis lança, nesta quinta-feira (24), o programa “Obras por toda cidade”. A cerimônia acontece às 16 horas…