Correio de Carajás

Pará perde R$ 100 milhões por ano por causa da pirataria

(Foto: Everaldo Nascimento/Arquivo)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

De acordo com o Sindicato dos Lojistas do Comércio de Belém (Sindilojas), o Estado do Pará deixa de arrecadar em torno de R$ 100 milhões por ano com a comercialização de produtos falsificados. A estimativa do setor é que a renda representa de 15% a 20% do total de vendas em comparação aos produtos legais.
Joy Colares, presidente do Sindilojas, afirma que a pirataria é visível pelas ruas do Centro Comercial da capital. “Em Belém, estamos cheios de produtos falsificados que são comercializados com a negligência das autoridades. Não há fiscalização e o Sindicato condena qualquer vendedor, seja ele formal ou informal, que atua na ilegalidade”, diz.

Segundo ele, a maioria desses produtos piratas são calçados, perfumes, relógios e celulares. Apesar de ter o conhecimento, Colares esclarece que o sindicato não possui as atribuições policiais, por isso, a situação já teria sido apresentada às esferas responsáveis pela fiscalização durante reunião que ocorreu no ano passado para que haja um combate do crime. “Muitas vezes, a empresa está legalizada, mas os produtos que ela vende são irregulares, falsificados. Mas, não temos poder de polícia”, esclarece Joy.

A venda de produtos falsificados é crime, previsto na lei de propriedade industrial, no qual a Polícia Civil é o órgão competente para tomar as providências criminais. No Pará, a Delegacia do Consumidor – vinculada à Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE) – atua em todos os crimes que tem relação de consumo e constantemente recebe denúncias relacionadas, principalmente à venda irregular de produtos de vestuário, alimentícios, restaurantes e bares que não oferecem condições de funcionamento e venda clandestina de gás.

Leia mais:

OPERAÇÃO

Em janeiro, a delegacia deflagrou a Operação Maltrapilho, que apreendeu 341 bonés em duas lojas no comércio da capital, que comercializavam produtos falsificados de quatro marcas. O trabalho aconteceu após a representação das marcas por meio de advogado. Na ocasião, os responsáveis pelos estabelecimentos prestaram esclarecimentos na delegacia, assinaram Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) junto a Polícia Civil e, por se tratar de um crime de pequeno potencial ofensivo, foram liberados. 

“Para se ter ideia, cada boné falsificado era comprado por R$ 5 e revendido a R$ 20. No entanto, o original é vendido pela marca por mais R$ 100. É uma falsificação que gera prejuízos para a marca, Estado e consumidor”, explica o delegado Ives Monteiro, titular da Delegacia do Consumidor.

Segundo ele, as denúncias podem ser feitas de forma anônima por meio do telefone 181 ou diretamente na delegacia. O delegado afirma ainda que há investigações em curso que resultarão em operações. Todos os produtos falsificados são apreendidos pela polícia, periciados e destruídos.

Evite

Riscos à saúde

– Sem qualidade

Os produtos ilegais apresentam irregularidades técnicas e não têm garantia de qualidade, trazendo riscos à sua saúde.

– Financiamento do crime

Quem comanda a produção e a distribuição é o crime organizado. Quem compra estimula a ilegalidade Quem compra ou utiliza estes produtos patrocina o crime; estimula a ilegalidade e coloca sua saúde e segurança em risco.

– Cuidado com as crianças 

Brinquedos ilegais não são testados. Podem causar acidentes, pois possuem peças que se soltam facilmente e substâncias tóxicas.

(Diário do Pará)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…