Correio de Carajás

ONU se diz “perturbada” com chacina no Jacarezinho

Policiais na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro(Foto: EPA / Ansa - Brasil)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Operação policial no Rio de Janeiro terminou com 25 mortes

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos (Acnudh) afirmou nesta sexta-feira (7) que está “profundamente perturbado” com a chacina que culminou na morte de 25 pessoas, incluindo um policial, na favela do Jacarezinho, zona norte do Rio de Janeiro.

Em conversa com jornalistas em Genebra, o porta-voz do Acnudh, Rupert Colville, lembrou que “o uso da força deve ser aplicado apenas quando for estritamente necessário” e que é preciso “respeitar os princípios da legalidade, precaução, necessidade e proporcionalidade”.

“Estamos profundamente perturbados pelas mortes”, acrescentou o representante do órgão de direitos humanos da ONU. O Acnudh ainda cobrou a abertura de uma “investigação independente, completa e imparcial, de acordo com padrões internacionais”.

Leia mais:

Além disso, questionou o modelo brasileiro de policiamento em favelas, “que estão presas em um ciclo vicioso de violência letal com um impacto dramático e adverso sobre populações que já sofrem”.

Operações policiais em comunidades no Rio de Janeiro estão proibidas desde junho de 2020 por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), devido à pandemia do novo coronavírus, a não ser em casos excepcionais.

A Polícia Civil diz que a ação mirava o aliciamento de jovens para o tráfico de drogas na favela, mas moradores do Jacarezinho e ONGs de direitos humanos denunciam a ocorrência de execuções durante a incursão.

“Ainda que todas essas pessoas fossem suspeitas de associação criminosa, o que não está provado, não é justificável esse tipo de execução sumária. Cabe à polícia o poder de prender e à justiça o dever de processar e julgar os suspeitos de cometer crimes”, disse a Anistia Internacional.

Já a Polícia Civil afirmou que “não entra para executar” e que 24 dos 25 mortos eram “criminosos”, mas até agora não divulgou detalhes das acusações contra os suspeitos nem suas identidades.

(Fonte:Terra)

Comentários

Mais

Com alta de casos de covid-19, Araraquara decreta novo lockdown

Com alta de casos de covid-19, Araraquara decreta novo lockdown

Após atingir, pelo terceiro dia consecutivo, alta nos casos de covid-19, a cidade de Araraquara decretou hoje (17) um novo lockdown,…
Prova de vida pode ser feita sem sair de casa

Prova de vida pode ser feita sem sair de casa

Beneficiários do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) podem realizar a prova de vida por meio dos aplicativos Meu gov.br…
Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar o auxílio emergencial

Trabalhadores nascidos em setembro podem sacar o auxílio emergencial

Os trabalhadores informais e inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos em setembro podem sacar,…
Site tira de contexto e-mails de Anthony Fauci sobre máscaras e origem do coronavírus

Site tira de contexto e-mails de Anthony Fauci sobre máscaras e origem do coronavírus

Investigado Por:  Verificado por: Enganoso Postagens tiram de contexto e-mails do infectologista Anthony Fauci do início de fevereiro de 2020.…
CPI: Randolfe quer explicações de Osmar Terra sobre gabinete paralelo

CPI: Randolfe quer explicações de Osmar Terra sobre gabinete paralelo

O vice-presidente da CPI da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou nesta sexta-feira (4) requerimentos de convocação para que o…
'Quero que as pessoas se sintam orgulhosas de serem quem são', diz Iza

'Quero que as pessoas se sintam orgulhosas de serem quem são', diz Iza

“Fecha a rua lá no gueto, vai ter samba lá no gueto, joga bola lá no gueto, ela é cria…