Correio de Carajás

Novo método consegue identificar Alzheimer até 17 anos antes dos sintomas

Pesquisadores alemães conseguiram identificar biomarcadores da demência antes dos danos irreversíveis no cérebro acontecerem, o que pode revolucionar o tratamento

Na busca por métodos capazes de identificar a doença de Alzheimer de forma precoce, antes de causar os danos irreversíveis no cérebro, pesquisadores da Alemanha descobriram que alguns biomarcadores no sangue conseguem indicar o diagnóstico até mesmo 17 anos antes de os sintomas aparecerem. Os achados foram publicados na revista científica Alzheimer’s & Dementia, e os responsáveis acreditam que podem ser importantes para o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes para a doença.

Embora ainda não exista cura para o Alzheimer, quanto antes o quadro é identificado, melhor é o controle dos sintomas e mais lenta é a evolução da neurodegeneração. Geralmente essa forma de demência é confirmada pelos médicos por meio da avaliação clínica somente após o surgimento dos sinais. Porém, de acordo com os cientistas da Universidade de Bochum e do Centro Alemão de Pesquisa para o Câncer, isso pode acontecer até 20 anos depois do início da doença.

“Nosso objetivo é determinar o risco de desenvolver a demência de Alzheimer em um estágio posterior com um simples exame de sangue, mesmo antes que as placas tóxicas possam se formar no cérebro, para garantir que uma terapia possa ser iniciada a tempo”, explica o professor Klaus Gerwert, diretor fundador do Centro de Diagnóstico de Proteínas (PRODI) da Universidade Bochum, em comunicado.

Leia mais:

Gerwert liderou o novo estudo, que utilizou um sensor imuno-infravermelho desenvolvido pela equipe da universidade para detectar no sangue de pacientes a presença de biomarcadores ligados à proteína beta-amiloide. Isso porque a formação de placas da proteína no cérebro é considerada a causa do Alzheimer.

O novo trabalho utilizou dados de uma pesquisa anterior, em que foram coletadas amostras de sangue de pessoas de 50 a 75 anos que não tinham diagnóstico de Alzheimer entre 2000 e 2002. As coletas foram posteriormente congeladas. Para a nova pesquisa, os cientistas chamaram de volta 68 desses participantes que desenvolveram o Alzheimer durante os 17 anos seguintes e os comparou com 240 pessoas sem a doença.

O objetivo era identificar os biomarcadores do Alzheimer no sangue dos pacientes que desenvolveram o quadro e, em seguida, analisar se eles já podiam ser detectados nas amostras iniciais, coletadas há quase duas décadas.

O sensor foi capaz de identificar o biomarcador ligado à beta-amiloide em 71% dos pacientes com a doença até nove anos antes de os sintomas aparecerem, e em 65% até 17 anos antes. Além disso, os cientistas conseguiram perceber que a concentração de proteína de fibra glial (GFAP), outro biomarcador para o Alzheimer, também foi identificado já no início do período de análises. Ambos em conjunto demonstraram “uma forte capacidade de prever o risco clínico da doença”, escreveram os autores do estudo.

(Fonte:O Globo)

“Nosso objetivo é determinar o risco de desenvolver a demência de Alzheimer em um estágio posterior com um simples exame de sangue, mesmo antes que as placas tóxicas possam se formar no cérebro, para garantir que uma terapia possa ser iniciada a tempo”, explica o professor Klaus Gerwert, diretor fundador do Centro de Diagnóstico de Proteínas (PRODI) da Universidade Bochum, em comunicado.

Gerwert liderou o novo estudo, que utilizou um sensor imuno-infravermelho desenvolvido pela equipe da universidade para detectar no sangue de pacientes a presença de biomarcadores ligados à proteína beta-amiloide. Isso porque a formação de placas da proteína no cérebro é considerada a causa do Alzheimer.

O novo trabalho utilizou dados de uma pesquisa anterior, em que foram coletadas amostras de sangue de pessoas de 50 a 75 anos que não tinham diagnóstico de Alzheimer entre 2000 e 2002. As coletas foram posteriormente congeladas. Para a nova pesquisa, os cientistas chamaram de volta 68 desses participantes que desenvolveram o Alzheimer durante os 17 anos seguintes e os comparou com 240 pessoas sem a doença.

O objetivo era identificar os biomarcadores do Alzheimer no sangue dos pacientes que desenvolveram o quadro e, em seguida, analisar se eles já podiam ser detectados nas amostras iniciais, coletadas há quase duas décadas.

O sensor foi capaz de identificar o biomarcador ligado à beta-amiloide em 71% dos pacientes com a doença até nove anos antes de os sintomas aparecerem, e em 65% até 17 anos antes. Além disso, os cientistas conseguiram perceber que a concentração de proteína de fibra glial (GFAP), outro biomarcador para o Alzheimer, também foi identificado já no início do período de análises. Ambos em conjunto demonstraram “uma forte capacidade de prever o risco clínico da doença”, escreveram os autores do estudo.

Comentários

Mais

São falsas as alegações de médica que trata vacinação da covid em crianças como “assassinato em massa”

São falsas as alegações de médica que trata vacinação da covid em crianças como “assassinato em massa”

Falso É falso que vacinar crianças contra a covid-19 seja “assassinato em massa”, como afirma, em vídeo, uma médica que…
Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

Rock in Rio estima receita acima de US$ 158 milhões

O Rock in Rio, que será realizado de 2 a 11 de setembro no Parque Olímpico, está agitando o setor…
Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Não há registro no TSE de suposta pesquisa que impede entrevistado de votar em Bolsonaro

Enganoso São enganosas postagens que procuram desacreditar as pesquisas eleitorais ao mostrar, em vídeo, uma suposta pesquisa sendo feita por…
Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Com apoio do Google, Correio de Carajás cria Núcleo de Checagem Eleitoral

Mais de 60 jornalistas de 31 veículos de notícias brasileiros começam hoje a atuar em núcleos de verificação e checagem…
Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

Associações de produtores rurais fecham BR-230 em Uruará

A rodovia federal BR-230 continua interditada desde ontem (15) no município de Uruará. Na pauta de reivindicação proposta por quatro…
Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Passageiro quebra poltronas de avião em voo entre São Paulo e Recife; veja vídeo

Um passageiro quebrou as poltronas do avião em um voo que saiu de São Paulo e aterrissou no Recife, no…