Correio de Carajás

No WhatsApp, jornalista assassinado chamava príncipe saudita de ‘pac man’

Foto de arquivo mostra o príncipe saudita Mohammed bin Salman durante reunião com o secretário-geral da ONU em Nova York, em março de 2018 — Foto: Amir Lecy/Reuters/Arquivo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Mensagens de Whastapp obtidas com exclusividade pela rede americana CNN mostram que o jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto em outubro no consulado de seu país em Istambul, se referia ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, como “besta” e “pac man”, personagem de game dos anos 1980.

As mensagens divulgadas nesta segunda-feira (3) pela CNN foram trocadas no ano passado, quando Khashoggi morava nos EUA, com o ativista Omar Abdulaziz, que vive no Canadá. O jornalista deixou a Arábia Saudita em 2017 temendo por sua segurança, depois que o príncipe começou a combater dissidentes.

Jornalista saudita Jamal Khashoggi, em imagem de arquivo — Foto: Reprodução/JN

Khashoggi foi assassinado por um grupo de agentes sauditas quando foi ao consulado de Istambul para pegar documentos que lhe permitiriam se casar com sua noiva turca. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, reiterou em várias ocasiões que a ordem para matá-lo veio das “mais altas esferas” da Arábia Saudita. A CIA, segundo a imprensa americana, diz que Bin Salman “provavelmente ordenou” o crime. O governo da Arábia Saudita nega envolvimento no caso.

Leia mais:

As mensagens indicam críticas de Khashoggi menos contidas do que as que o jornalista publicava no jornal “Washington Post”, segundo analisou a CNN.

“Ele é como um ‘pac man’ besta, quanto mais vítimas ele come, mais ele quer”, afirma o jornalista em uma das mensagens. “Não ficarei surpreso se a opressão chegar até mesmo àqueles que estão torcendo por eles”.

Segundo a CNN, os dois planejavam fundar um movimento online contra a propaganda estatal da Arábia Saudita nas redes sociais. A ideia era enviar cartões de celular para que dissidentes do governo saudita tuitassem sem serem rastreados.

Em agosto, dois meses antes de ser morto, Abdulaziz disse a Khashoggi que o governo descobriu sobre o plano deles e prendeu várias pessoas.

“Deus nos ajude”, respondeu Khashoggi.

A Promotoria saudita acusou 11 pessoas por seu envolvimento no assassinato, cinco dos quais enfrentam uma possível pena de morte. Mas o presidente turco Erdogan pede que eles sejam extraditados e julgados na Turquia. (Fonte:G1)

Comentários

Mais

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

Mais de 300 processos agrários envolvem a Serra das Andorinhas

As indenizações de cerca de 400 pessoas que alegam não ter sido contempladas com a criação do Parque Estadual da…
Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

Vara Agrária de Marabá agenda desocupação de duas fazendas

No último dia 6 de junho uma decisão publicada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a suspensão de ordens ou…
Reflexões sobre depressão e suicídio

Reflexões sobre depressão e suicídio

Um jovem de 28 anos tirou a própria vida se atirando na direção de uma carreta em movimento. O caso…
Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

Marabá tem 2 entre os 10 piores trechos de rodovias do País

No ranking das dez piores ligações rodoviárias do País, boa parte das estradas está situada em regiões agrícolas, dificultando o…
Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

Inflação em Marabá sobe 1,07% em apenas um mês

O Laboratório de Inflação e Custo de Vida de Marabá (Lainc), da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará…
Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

Desemprego cai para 13,7%, revela pesquisa do Ipea

O desemprego recuou para 13,7% em junho, último mês do trimestre móvel iniciado em abril. O percentual foi atingido depois…