Correio de Carajás

No turismo, não basta ter potencialidades

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
97 Visualizações
7 Visualizações

*Francisco Arnilson de Assis

 

 

Leia mais:

Passamos de um centenário de existência e ainda não conseguimos consolidar o turismo de Marabá e região. Ainda vivemos épocas de estaca zero, a espera de um começo. Faltam estímulos para que sejam transformados nossos potenciais em produtos turísticos. O Criador do universo nos presenteou com imensos recursos naturais para uso de todos e para a atração de seus consumidores. Esta atividade composta por cerca de 52 segmentos é um bem intangível, difícil avaliar como um todo a riqueza natural e cultural de uma cidade e o que pode ser tabulado com retorno do investimento. Para que ocorram resultados é preciso que se invista nos pontos e rotas turísticas, na realização e divulgação de eventos como forma de valorizar quem nos visita diariamente.

As cidades são vistas segundo seus potenciais e estes sozinhos não produzem riquezas, é preciso criar as condições de conforto e de encantamento dos turistas. Considerada como uma força de impulso sustentável da economia de muitos municípios é capaz de viabilizar viagens, hospedagens, entretenimento e alimentação às pessoas em suas viagens a passeio ou a negócios.

A cidade de Marabá é privilegiada em diversos aspectos, pelos modais: rodoviário, ferroviário e fluvial, sem contar o Aeroporto João Correa da Rocha, imensa rede de hospedagem e gastronomia, instrumentos de lazer como nossos rios e suas praias, o Zoo botânico, o Shopping Pátio de Marabá, a Orla Sebastião Miranda, nossas manifestações culturais e etc. Temos condições de promover diversas atividades: o turismo fluvial e de praias, receptivo, cultural, religioso, histórico, gastronômico, rural, o ecoturismo, o turismo de negócios, de eventos, de lazer, de pesca e outros.

Um município pode ser um produto turístico, quando promove seus atrativos e oferece serviços diversificados colocados nas prateleiras do mercado, neste caso, vendidos nas agências de viagens, feiras de turismo, de negócios e eventos. Mas, neste aspecto, infelizmente anda não soubemos utilizar profissionalmente nossas potencialidades, não temos nossos produtos nas prateleiras. Estamos deixando-os do lado de fora de uma vocação prioritária. Neste aspecto, o nosso maior cartão postal, a Praia do Tucunaré (no rio Tocantins) e a Orla fluvial vive dias de profundas incertezas de dias melhores, lembrando que no passado realizávamos grandiosos eventos no período de Veraneio e o famoso Maraluar com atrações musicais para diversão dos banhistas e um considerável fluxo de turistas.

No turismo todos ganham, desde as gestões municipais com maior arrecadação de impostos, contribuições e taxas das operações realizadas, incremento das vendas do comércio, bem como, dos empresários e indivíduos que dedicam tempo e investimentos financeiros na valorização das riquezas naturais e artificiais com retorno financeiro garantido.

Existe um caminho para a fabricação do produto turístico, cada município e região devem trabalhar nesta construção em função de suas características, com o envolvimento de todos os setores de produção do produto, da cadeia hoteleira, lojas, casas de shows e artesanatos, o que permite um estímulo à criação de novos produtos, com base no inventário turístico destes, valorizando a oferta e atraindo maior fluxo de demanda.

Muitos gestores ainda pensam que o turismo é somente uma política pública, provida 100% pela gestão municipal. Atualmente o setor público é parceiro e articulador, chamando para os atrativos e eventos os demais parceiros, não se faz mais nada sozinho. O Turismo é articulação e parceria, um potencial turístico perde todo o seu sentido se não for visto pelos parceiros com uma ação de produto comercializável e capaz de encantar seus clientes para que gostem, voltem e tragam mais pessoas, afinal, o turismo é a indústria da felicidade para quem consome e para quem promove.

A cidade de Marabá tem no turismo uma vocação econômica importante e estratégica aos moradores e visitantes: ruas bem limpas, pavimentadas, sinalizadas, segura e toda uma população orgulhosa de apresentar para o mundo suas belezas. Somos vistos e lembrados pela mídia nacional e temos pontos de interesses dos turistas, de pesquisadores, educadores, pessoas que vem para fazerem negócios, precisamos levá-los através do turismo receptivo para conhecerem nossos diferenciais. Nas agendas dos visitantes, sempre que possível, deve-se programar no mínimo um dia para visitação. De agora em diante vamos querer transformar nossos potenciais e eventos em produtos, encher a cidade de turistas para o bem econômico de todos e da gestão pública. Acredite você também!

 

*Francisco Arnilson de Assis

 

 

Passamos de um centenário de existência e ainda não conseguimos consolidar o turismo de Marabá e região. Ainda vivemos épocas de estaca zero, a espera de um começo. Faltam estímulos para que sejam transformados nossos potenciais em produtos turísticos. O Criador do universo nos presenteou com imensos recursos naturais para uso de todos e para a atração de seus consumidores. Esta atividade composta por cerca de 52 segmentos é um bem intangível, difícil avaliar como um todo a riqueza natural e cultural de uma cidade e o que pode ser tabulado com retorno do investimento. Para que ocorram resultados é preciso que se invista nos pontos e rotas turísticas, na realização e divulgação de eventos como forma de valorizar quem nos visita diariamente.

As cidades são vistas segundo seus potenciais e estes sozinhos não produzem riquezas, é preciso criar as condições de conforto e de encantamento dos turistas. Considerada como uma força de impulso sustentável da economia de muitos municípios é capaz de viabilizar viagens, hospedagens, entretenimento e alimentação às pessoas em suas viagens a passeio ou a negócios.

A cidade de Marabá é privilegiada em diversos aspectos, pelos modais: rodoviário, ferroviário e fluvial, sem contar o Aeroporto João Correa da Rocha, imensa rede de hospedagem e gastronomia, instrumentos de lazer como nossos rios e suas praias, o Zoo botânico, o Shopping Pátio de Marabá, a Orla Sebastião Miranda, nossas manifestações culturais e etc. Temos condições de promover diversas atividades: o turismo fluvial e de praias, receptivo, cultural, religioso, histórico, gastronômico, rural, o ecoturismo, o turismo de negócios, de eventos, de lazer, de pesca e outros.

Um município pode ser um produto turístico, quando promove seus atrativos e oferece serviços diversificados colocados nas prateleiras do mercado, neste caso, vendidos nas agências de viagens, feiras de turismo, de negócios e eventos. Mas, neste aspecto, infelizmente anda não soubemos utilizar profissionalmente nossas potencialidades, não temos nossos produtos nas prateleiras. Estamos deixando-os do lado de fora de uma vocação prioritária. Neste aspecto, o nosso maior cartão postal, a Praia do Tucunaré (no rio Tocantins) e a Orla fluvial vive dias de profundas incertezas de dias melhores, lembrando que no passado realizávamos grandiosos eventos no período de Veraneio e o famoso Maraluar com atrações musicais para diversão dos banhistas e um considerável fluxo de turistas.

No turismo todos ganham, desde as gestões municipais com maior arrecadação de impostos, contribuições e taxas das operações realizadas, incremento das vendas do comércio, bem como, dos empresários e indivíduos que dedicam tempo e investimentos financeiros na valorização das riquezas naturais e artificiais com retorno financeiro garantido.

Existe um caminho para a fabricação do produto turístico, cada município e região devem trabalhar nesta construção em função de suas características, com o envolvimento de todos os setores de produção do produto, da cadeia hoteleira, lojas, casas de shows e artesanatos, o que permite um estímulo à criação de novos produtos, com base no inventário turístico destes, valorizando a oferta e atraindo maior fluxo de demanda.

Muitos gestores ainda pensam que o turismo é somente uma política pública, provida 100% pela gestão municipal. Atualmente o setor público é parceiro e articulador, chamando para os atrativos e eventos os demais parceiros, não se faz mais nada sozinho. O Turismo é articulação e parceria, um potencial turístico perde todo o seu sentido se não for visto pelos parceiros com uma ação de produto comercializável e capaz de encantar seus clientes para que gostem, voltem e tragam mais pessoas, afinal, o turismo é a indústria da felicidade para quem consome e para quem promove.

A cidade de Marabá tem no turismo uma vocação econômica importante e estratégica aos moradores e visitantes: ruas bem limpas, pavimentadas, sinalizadas, segura e toda uma população orgulhosa de apresentar para o mundo suas belezas. Somos vistos e lembrados pela mídia nacional e temos pontos de interesses dos turistas, de pesquisadores, educadores, pessoas que vem para fazerem negócios, precisamos levá-los através do turismo receptivo para conhecerem nossos diferenciais. Nas agendas dos visitantes, sempre que possível, deve-se programar no mínimo um dia para visitação. De agora em diante vamos querer transformar nossos potenciais e eventos em produtos, encher a cidade de turistas para o bem econômico de todos e da gestão pública. Acredite você também!

 

Comentários

Mais

Crônica de ninar para um Levi recém-chegado

Crônica de ninar para um Levi recém-chegado

Levi, o primogênito de Jéssika (com K mesmo) e Felipe Lincoln acaba de chegar ao mundo. A um mundo muito…

Síndrome do Desgaste Profissional

O termo, Síndrome do Desgaste Profissional ou Síndrome de Burnout, foi criado pelo psiquiatra inglês Herbert Freundenberg no ano 1974,…
CRÔNICA OURIÇO CHEIO

CRÔNICA OURIÇO CHEIO

Quando a vida no seu curso quase que natural me convocou à definição de que rumo profissional seguir, fiz falar…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Contas em Portugal O ex-secretário da Sefa, Nilo Noronha,que atuou no governo de Simão Jatene, lavrou uma procuração ao advogado…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Fonte e crime O sigilo da fonte na atividade jornalística sempre foi e será – menos nas ditaduras de esquerda…
Bilhões para quem?

Bilhões para quem?

Bilhões para quem? Os municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás não cansam de quebrar seus próprios recordes em matéria…