Correio de Carajás

MP emite Recomendação em defesa das gestantes, mães e recém-nascidos de Marabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A 9ª Promotoria de Justiça de Marabá, por meio da promotora Alexssandra Muniz Mardegan, emitiu recomendação para profissionais e gestores da Saúde de Marabá, além de órgãos de proteção a crianças e adolescentes, relacionada ao atendimento à grávidas e mães da cidade. O documento, datado da última semana, é voltado para médicos e outros profissionais da área, diretores e responsáveis por maternidades e estabelecimentos de atenção à Saúde, bem como aos membros do Conselho Tutelar de Marabá.

O Ministério Público quer que seja imediatamente comunicado à Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Marabá os casos que cheguem ao conhecimento desses atores relativos a gestantes ou mães de crianças recém-nascidas que manifestem interesse em entregar os filhos para adoção, visando a adoção das providências legais cabíveis para estas situações.

O documento destaca, ainda, que os hospitais e maternidades, através de articulação junto aos órgãos municipais de Saúde e Assistência Social, devem desenvolver programas ou serviços de assistência psicológica à gestante e à mãe, no período pré e pós-natal, como forma de prevenir ou minorar as consequências do estado puerperal, que pode reduzir a capacidade de compreensão, discernimento e resistência da parturiente. Esta assistência, inclusive, deverá ser oferecida também às gestantes ou mães que manifestam o desejo de entregarem as crianças para adoção.

Leia mais:

A promotoria recomenda, ainda, que o Poder Público municipal proporcione às gestantes ou mães que pensem na alternativa da adoção ou abandonadas pelos companheiros, assistência psicológica e jurídica, esta última devendo compreender orientação acerca da possibilidade de pleitear os “alimentos gravídicos”, ou seja, a valores serem pagos pelo futuro pai e que compreendem despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela decorrentes. A mulher deve juridicamente orientada, ainda, sobre ingresso com ação de investigação de paternidade.

Estas ações, conforme o Ministério Público, deverão integrar uma política municipal mais ampla e que seja destinada à assistência à família e à garantia do Direito Fundamental à Convivência Familiar por todas as crianças e adolescentes. O órgão recomenda, também, que sejam previstas e aplicadas sanções administrativas aos médicos e profissionais da área de Saúde que deixem de efetuar a imediata comunicação à autoridade judiciária dos casos relativos ao interesse de entregar crianças para adoção.

Além disso, deverão ser punidos os profissionais que sirvam de intermediários, sem autorização judicial expressa, à colocação de crianças e adolescentes em família substituta, sem prejuízo da imediata comunicação aos Conselhos Regionais de Medicina e Enfermagem, bem como ao Ministério Público, para a adoção das demais medidas administrativas judiciais e extrajudiciais cabíveis. Por fim, caso seja necessário, o Ministério Público já adiantou que irá adota as medidas judiciais cabíveis para assegurar o cumprimento da recomendação. (Luciana Marschall)

A 9ª Promotoria de Justiça de Marabá, por meio da promotora Alexssandra Muniz Mardegan, emitiu recomendação para profissionais e gestores da Saúde de Marabá, além de órgãos de proteção a crianças e adolescentes, relacionada ao atendimento à grávidas e mães da cidade. O documento, datado da última semana, é voltado para médicos e outros profissionais da área, diretores e responsáveis por maternidades e estabelecimentos de atenção à Saúde, bem como aos membros do Conselho Tutelar de Marabá.

O Ministério Público quer que seja imediatamente comunicado à Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Marabá os casos que cheguem ao conhecimento desses atores relativos a gestantes ou mães de crianças recém-nascidas que manifestem interesse em entregar os filhos para adoção, visando a adoção das providências legais cabíveis para estas situações.

O documento destaca, ainda, que os hospitais e maternidades, através de articulação junto aos órgãos municipais de Saúde e Assistência Social, devem desenvolver programas ou serviços de assistência psicológica à gestante e à mãe, no período pré e pós-natal, como forma de prevenir ou minorar as consequências do estado puerperal, que pode reduzir a capacidade de compreensão, discernimento e resistência da parturiente. Esta assistência, inclusive, deverá ser oferecida também às gestantes ou mães que manifestam o desejo de entregarem as crianças para adoção.

A promotoria recomenda, ainda, que o Poder Público municipal proporcione às gestantes ou mães que pensem na alternativa da adoção ou abandonadas pelos companheiros, assistência psicológica e jurídica, esta última devendo compreender orientação acerca da possibilidade de pleitear os “alimentos gravídicos”, ou seja, a valores serem pagos pelo futuro pai e que compreendem despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela decorrentes. A mulher deve juridicamente orientada, ainda, sobre ingresso com ação de investigação de paternidade.

Estas ações, conforme o Ministério Público, deverão integrar uma política municipal mais ampla e que seja destinada à assistência à família e à garantia do Direito Fundamental à Convivência Familiar por todas as crianças e adolescentes. O órgão recomenda, também, que sejam previstas e aplicadas sanções administrativas aos médicos e profissionais da área de Saúde que deixem de efetuar a imediata comunicação à autoridade judiciária dos casos relativos ao interesse de entregar crianças para adoção.

Além disso, deverão ser punidos os profissionais que sirvam de intermediários, sem autorização judicial expressa, à colocação de crianças e adolescentes em família substituta, sem prejuízo da imediata comunicação aos Conselhos Regionais de Medicina e Enfermagem, bem como ao Ministério Público, para a adoção das demais medidas administrativas judiciais e extrajudiciais cabíveis. Por fim, caso seja necessário, o Ministério Público já adiantou que irá adota as medidas judiciais cabíveis para assegurar o cumprimento da recomendação. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Pandemia e isolamento aumentam procura por cultivo de plantas em casa

Em isolamento social, as pessoas tendem a sentir falta de sair e do contato com a natureza, por isso, ter…
Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

Mundo chega a 3 milhões de mortes por Covid com piora da pandemia na América do Sul

O mundo chegou neste sábado (17) à triste marca de 3 milhões de mortes causadas pela Covid-19, em meio à…
Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

Pará gera mais de 3 mil postos formais de trabalho no setor de serviços

“Eu atuo no ramo de eventos, sou segurança, e em meio à pandemia o nosso trabalho parou. Atualmente, a banda…
Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Novo estudo descarta elo entre tipo sanguíneo e a incidência de Covid

Uma investigação feita com mais de 100 mil pessoas nos Estados Unidos demonstrou que não há relação entre o tipo sanguíneo…
Pequeno ouvinte da Correio FM é premiado com bolo de aniversário

Pequeno ouvinte da Correio FM é premiado com bolo de aniversário

O garoto Angelo Miguel, pequeno ouvinte da nossa rádio, foi o grande ganhador da Promoção Aniversariante do Mês da Correio…
Coronafobia: transtornos compulsivos e de ansiedade por conta da pandemia

Coronafobia: transtornos compulsivos e de ansiedade por conta da pandemia

Há um ano que todo o Brasil vem enfrentando a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Sentimentos como incerteza e ansiedade…