Correio de Carajás

MP denuncia padrasto e mãe por estupro e morte de menina de 1 ano em Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Vinte dias após o crime que abalou a população de Parauapebas e região, o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) denunciou à Justiça, nesta segunda-feira (27), Deyvyd Renato Oliveira Brito e Irislene da Silva Miranda pela morte de Carla Emanuele Miranda Correia, de 1 ano e 8 meses, ocorrida no início de janeiro, em Parauapebas.

Os acusados são respectivamente padrasto e mãe da vítima. Eles estão presos. O caso chocou o município e região depois que o inquérito policial revelou que a criança, morta em decorrência de hemorragia intracraniana, era vítima frequente de abusos sexuais, tortura e agressões.

A denúncia foi oferecida pela promotora de Justiça Magdalena Torres Teixeira, titular da Promotoria de Justiça Criminal de Parauapebas, após analisar o inquérito policial, que apresentou farta materialidade dos crimes atribuídos aos acusados.

Leia mais:

Deyvyd Renato, de 31 anos, e Irislene Miranda, 28, foram denunciados por prática do crime de estupro de vulnerável, mediante a ocorrência de atos libidinosos e conjunção carnal e pela ocorrência de lesão corporal grave, tortura-castigo e a prática do crime de homicídio qualificado para assegurar a impunidade do crime de estupro de vulnerável, em concurso material e em continuidade delitiva sob a incidência também da causa de aumento por serem padrasto e mãe da vítima.

A perícia realizada no corpo da criança constatou várias lesões, como hematomas nos pulmões, hemorragia intracraniana e traumatismo cranioencefálico grave, que corroboram evidências das agressões físicas contínuas e que motivaram a morte da menina.

As evidências mostraram que os acusados abusaram sexualmente, fisicamente e psicologicamente da menina por tempo indeterminado, afim de se satisfazerem seus desejos sexuais, e que esta veio a óbito diante das incontáveis agressões que eram utilizadas para encobrir os abusos.

O caso

De acordo com o inquérito policial, em 7 de janeiro de 2020, por volta das 14h20, a criança deu entrada no Hospital Municipal de Parauapebas – HGP com sinais de abuso sexual e lesões cranioencefálicas. A menina chegou nos braços da mãe, Irislene Miranda, desacordada, sem pulsação e com traumas na região da cabeça, sob o pretexto de que havia caído da cama e batido a cabeça.

Irislene, a mãe desnaturada, segundo a denúncia, era conivente e participava das violências contra sua filha

Ao realizar os exames, a equipe médica do HGP verificou que a criança estava com lesões no ânus e na vagina, correspondentes a conjunção carnal e atos libidinosos, com vestígios recentes e antigos. Ante a situação de abuso sexual, foi acionado o Conselho Tutelar e a autoridade policial.

Indagada sobre o ocorrido, Irislene Miranda relatou que havia saído para comprar carne em um açougue nas proximidades de sua residência, e ao retornar encontrou a filha deitada na cama, desacordada e com Deyvyd Renato, ao lado, bastante nervoso. Ao vê-la, o denunciado lhe entregou a criança no colo e pediu-lhe que lavasse as partes íntimas desta, pois estavam sujas.

O crime teria ocorrido na Rua Axixá, Bairro Liberdade II, numa residência alugada onde moravam o Deyvyd, Irislene e a criança. Testemunhas relataram que presenciaram com frequência hematomas no rosto da criança, assim como a presença de inchaços e marcas roxas. Além disto, enfatizaram que a criança possuía um temor evidente do padrasto.

A mãe revelou que ao negar-se a manter relações sexuais com Deyvyd Renato, este abusava sexualmente da menina. Irislene teria conhecimento e presenciava os abusos sexuais cometidos contra sua filha. O inquérito policial apontou que a genitora podia ouvir os choros da menina e os barulhos provenientes do abuso.

Sigilo

Ao apresentar a denúncia, a promotora Magdalena Torres solicitou à Justiça que o processo seja qualificado como sigiloso, diante da repercussão do caso, o que pode vir a gerar danos à instrução processual. (Redação com site do MPPA)

Comentários

Mais

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Bando ataca carro forte que vinha para Marabá

Um carro forte da empresa Prosegur foi alvo de um bando de assaltantes na tarde desta quinta-feira, por volta de…
DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

DECA é alvo de denúncia dos movimentos sociais

Documento assinado por 11 entidades que militam na área da luta pela terra e dos direitos humanos denunciam “despejos e…
Mulher é suspeita na morte de mototaxista

Mulher é suspeita na morte de mototaxista

A morte do mototaxista Josiel Mota da Silva gerou comoção e revolta na cidade de Anapu e resultou na destruição…
Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

Furtos em veículos com tecnologia “Chapolin” voltam a acontecer em Marabá

A Polícia Civil vem investigando crimes de furtos em veículos que estão sendo praticados com o uso de um mecanismo…
Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Jeep é abandonado com sangue e corpo é encontrado boiando no Itacaiunas

Dois fatos podem até não ter ligação, mas a Polícia Civil investiga ambos e tenta fazer uma conexão entre eles.…
Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Dupla é executada a tiros na frente de escola de Parauapebas

Leonardo de Jesus Oliveira, de 23 anos, e Raimundo Nonato Peixoto, de 24 anos, foram executados a tiros na noite…