Correio de Carajás

MP denuncia dois ex-secretários e requer reparação em mais de R$ 15 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Dois ex-secretários municipais de Saúde de Marabá, Ademar Rafael Ferreira e Joelma Fernandes Sarmento, que atuaram na gestão do ex-prefeito Maurino Magalhães, foram denunciados por improbidade administrativa pelo Ministério Público do Estado do Pará na 2ª Vara Criminal da Comarca de Marabá.

O promotor Júlio César Sousa Costa, da Defesa da Probidade Administrativa, levou em consideração a prestação de contas de 2010 do Fundo Municipal de Saúde da Prefeitura Municipal de Marabá, rejeitada pelo Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará. Ele requereu a condenação de ambos em dois artigos da Lei de Licitações e por apropriação indébita previdenciária, além de reparação de danos no valor de R$ 2.529.120,71 para Ademar e R$ 12.829.464,91 para Joelma.

Ademar foi secretário entre os meses de janeiro e março daquele ano, enquanto Joelma esteve frente à pasta no restante de 2010. Conforme a denúncia, ambos realizaram despesas e atos considerados irregulares do ponto de vista financeiro e contábil enquanto ordenadores de despesas do órgão.

Leia mais:

A avaliação das contas gerou um primeiro Acórdão do TCM/PA – em 2013 – no qual os conselheiros desaprovaram de forma unânime a prestação. Em decorrência desta primeira condenação, os dois interpuseram recurso pelo qual receberam provimento parcial em novo Acórdão, este de 2015. Mesmo assim, a Corte decidiu que “diante da permanência de irregularidades de natureza grave, mantêm-se a reprovação das contas”.

Ao fim, no caso de Ademar, houve condenação por obrigações patronais não apropriadas e devidas ao Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Marabá (Ipasemar) totalizados em R$ 1.590.583. O valor, somado, chega a R$ 2.259.120,71. No mesmo quesito, em relação à Joelma, o valor somado foi R$ 8.405.975,64, atualizado para R$ 12.829.864,91.

Conforme a denúncia, os autos destacam claramente que os denunciados praticaram o delito de apropriação indébita previdenciária ao não efetuarem o devido repasse das obrigações patronais ao Ipasemar, destacando que se trata de crime formal sem necessidade de se configurar o dolo específico, bastando a conduta omissiva em não efetuar os repasses devidos no prazo e na forma legal. “Desse modo, basta a mera omissão do responsável em não fazer o devido recolhimento”, defende a promotoria.

Além disso, o TCM encontrou diversas despesas que foram autorizadas pelos dois e cujos casos comportariam a realização de procedimento licitatório ou mesmo de dispensa de licitação – ante os valores das despesas -, o que não ocorreu. Houve ausência de licitação para despesas com serviços médicos, fornecimento de medicamentos e locação de veículos, por exemplo, além de fracionamento de licitações em convites de despesas que exigem outras modalidades e para despesas que exigem carta convite.

Somando as condutas, o MP concluiu ter havido 10 ações com repercussão na esfera penal praticadas por Ademar e 13 por Joelma. Para a promotoria, ambos utilizaram “subterfúgios para não realizar o procedimento licitatório adequado, fracionando o objeto das licitações ou dispensando as mesmas quando obrigatório”.  

O MP pede que Ademar seja condenado seis vezes e Joelma oito vezes pelo Artigo 89 da Lei de Licitações, com pena de três a cinco anos de detenção e multa, mais quatro vezes cada um na pena do Artigo 90 – dois a quatro anos de reclusão e multa -, além de uma vez pelo artigo 168-A do Código Penal, que prevê reclusão de dois a cinco anos e multa para quem deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes.

Além disso, quer que seja fixado valor mínimo para reparação dos danos causados em R$ 2.529.120,71 para Ademar e R$ 12.829.864,91 para Joelma. Por fim, a promotoria requereu que ambos sejam citados para apresentarem as defesas preliminares no prazo legal e, após isso, que seja designada audiência de instrução e julgamento para oitiva de testemunhas e interrogatório de ambos.

A Reportagem entrou em contato com Joelma nesta sexta-feira. Ela informou ainda não ter sido notificada, mas se comprometeu a se posicionar após se inteirar do assunto. Ademar não foi localizado pelo Correio de Carajás até o momento. (Luciana Marschall)

Dois ex-secretários municipais de Saúde de Marabá, Ademar Rafael Ferreira e Joelma Fernandes Sarmento, que atuaram na gestão do ex-prefeito Maurino Magalhães, foram denunciados por improbidade administrativa pelo Ministério Público do Estado do Pará na 2ª Vara Criminal da Comarca de Marabá.

O promotor Júlio César Sousa Costa, da Defesa da Probidade Administrativa, levou em consideração a prestação de contas de 2010 do Fundo Municipal de Saúde da Prefeitura Municipal de Marabá, rejeitada pelo Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará. Ele requereu a condenação de ambos em dois artigos da Lei de Licitações e por apropriação indébita previdenciária, além de reparação de danos no valor de R$ 2.529.120,71 para Ademar e R$ 12.829.464,91 para Joelma.

Ademar foi secretário entre os meses de janeiro e março daquele ano, enquanto Joelma esteve frente à pasta no restante de 2010. Conforme a denúncia, ambos realizaram despesas e atos considerados irregulares do ponto de vista financeiro e contábil enquanto ordenadores de despesas do órgão.

A avaliação das contas gerou um primeiro Acórdão do TCM/PA – em 2013 – no qual os conselheiros desaprovaram de forma unânime a prestação. Em decorrência desta primeira condenação, os dois interpuseram recurso pelo qual receberam provimento parcial em novo Acórdão, este de 2015. Mesmo assim, a Corte decidiu que “diante da permanência de irregularidades de natureza grave, mantêm-se a reprovação das contas”.

Ao fim, no caso de Ademar, houve condenação por obrigações patronais não apropriadas e devidas ao Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Marabá (Ipasemar) totalizados em R$ 1.590.583. O valor, somado, chega a R$ 2.259.120,71. No mesmo quesito, em relação à Joelma, o valor somado foi R$ 8.405.975,64, atualizado para R$ 12.829.864,91.

Conforme a denúncia, os autos destacam claramente que os denunciados praticaram o delito de apropriação indébita previdenciária ao não efetuarem o devido repasse das obrigações patronais ao Ipasemar, destacando que se trata de crime formal sem necessidade de se configurar o dolo específico, bastando a conduta omissiva em não efetuar os repasses devidos no prazo e na forma legal. “Desse modo, basta a mera omissão do responsável em não fazer o devido recolhimento”, defende a promotoria.

Além disso, o TCM encontrou diversas despesas que foram autorizadas pelos dois e cujos casos comportariam a realização de procedimento licitatório ou mesmo de dispensa de licitação – ante os valores das despesas -, o que não ocorreu. Houve ausência de licitação para despesas com serviços médicos, fornecimento de medicamentos e locação de veículos, por exemplo, além de fracionamento de licitações em convites de despesas que exigem outras modalidades e para despesas que exigem carta convite.

Somando as condutas, o MP concluiu ter havido 10 ações com repercussão na esfera penal praticadas por Ademar e 13 por Joelma. Para a promotoria, ambos utilizaram “subterfúgios para não realizar o procedimento licitatório adequado, fracionando o objeto das licitações ou dispensando as mesmas quando obrigatório”.  

O MP pede que Ademar seja condenado seis vezes e Joelma oito vezes pelo Artigo 89 da Lei de Licitações, com pena de três a cinco anos de detenção e multa, mais quatro vezes cada um na pena do Artigo 90 – dois a quatro anos de reclusão e multa -, além de uma vez pelo artigo 168-A do Código Penal, que prevê reclusão de dois a cinco anos e multa para quem deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes.

Além disso, quer que seja fixado valor mínimo para reparação dos danos causados em R$ 2.529.120,71 para Ademar e R$ 12.829.864,91 para Joelma. Por fim, a promotoria requereu que ambos sejam citados para apresentarem as defesas preliminares no prazo legal e, após isso, que seja designada audiência de instrução e julgamento para oitiva de testemunhas e interrogatório de ambos.

A Reportagem entrou em contato com Joelma nesta sexta-feira. Ela informou ainda não ter sido notificada, mas se comprometeu a se posicionar após se inteirar do assunto. Ademar não foi localizado pelo Correio de Carajás até o momento. (Luciana Marschall)

Comentários

Mais

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

MST bloqueia estradas em manifestações no Dia Nacional da Reforma Agrária

A manhã deste sábado (17) marcou o início de protestos por parte do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e da…
General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

General Silva e Luna é confirmado no comando da Petrobras

O nome do general Joaquim Silva e Luna foi confirmado para o cargo de presidente da Petrobras. A informação foi…
Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

Procedimentos para instalação da CPI serão divulgados na segunda

A presidência do Senado divulgará na próxima segunda-feira (19) o cronograma da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia. Esse…
Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Mariana Chamon apresenta balanço dos primeiros 100 dias de governo

Passados 100 dias do início do governo Mariana Chamon, em Curionópolis, a prefeita apresentou na manhã desta sexta-feira (16) o…
Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Acordo sela nome de Renan para relator da CPI da Covid, diz blog

Os senadores da CPI da Covid-19 fecharam nesta sexta-feira acordo para a composição dos cargos de comando da CPI da…
Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

Estado altera bandeiramento no Oeste para laranja e começa a amenizar medidas restritivas

O governador Helder Barbalho anunciou em suas redes sociais, na noite desta quinta-feira (15), que as regiões do Baixo Amazonas…