Correio de Carajás

Moradores próximos ao Ramal S11D protestam em ferrovia

Moradores do Cidade Jardim e Nova Carajás protestaram contra mineradora Vale e loteadora Buriti/ Foto: Reprodução
Moradores do Cidade Jardim e Nova Carajás protestaram contra mineradora Vale e loteadora Buriti/ Foto: Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Residentes dos bairros Cidade Jardim e Nova Carajás cobram indenização por supostos danos estruturais causados por obras de implantação de ramal

Em manifestação pacífica ocorrida neste domingo (20), no quilômetro 18 da Estrada de Ferro Carajás, em trecho do Ramal S11D, da Mineradora Vale, moradores dos bairros Cidade Jardim e Nova Carajás, de Parauapebas. protestaram contra a empresa.

As alegações dos protestantes giravam em torno de supostos danos estruturais causados pelas obras de implantação do trecho, em 2015, e que ainda geram dores de cabeça aos moradores. Também houve denúncias contra a loteadora Buriti, que comercializou os terrenos na região.

Manifestantes alegam ações de despejo indevidas por parte da loteadora Buriti/ Foto: Reprodução
Manifestantes alegam ações de despejo indevidas por parte da loteadora Buriti/ Foto: Reprodução

Em vídeos que circulam nas redes sociais e Whatsapp, os manifestantes alegam que 1200 pessoas foram atingidas pelo “descaso da mineradora e da loteadora” no entorno do ramal ferroviário, entre ações de despejo e prejuízos a estruturas das casas causadas pelas detonações necessárias para o empreendimento.

Leia mais:

Uma ordem judicial foi expedida ainda na tarde do domingo, movida pela mineradora, exigindo a desobstrução do ramal ferroviário ocupado pelos manifestantes, que foram conduzidos de forma pacífica para fora do trecho por uma equipe da Polícia Militar.

Manifestantes ocuparam trecho do ramal ferroviário que liga o projeto S11D à Estrada de Ferro Carajás/ Foto: Reprodução
Manifestantes ocuparam trecho do ramal ferroviário que liga o projeto S11D à Estrada de Ferro Carajás/ Foto: Reprodução

Em nota oficial, a Vale pontuou que a ocupação da ferrovia é crime previsto no Código Penal e por isso o Tribunal de Justiça do Pará cedeu decisão favorável a retirada dos manifestantes do local. Ainda foi esclarecido pela mineradora que “uma equipe dedicada ao relacionamento com as comunidades e que acredita no diálogo na busca de soluções” é mantida.

No dia 15 de junho deste ano, um inquérito civil foi instaurado para averiguar se houve ação ou omissão da mineradora Vale por conta de rachaduras estruturais nas adjacências do ramal S11D, que teriam sido causadas pelas obras de implantação do projeto. (Juliano Corrêa)

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…