Correio de Carajás

Moradores de Marabá, Parauapebas e região se dividem sobre tomar a vacina contra covid-19

Informações contraditórias nas redes sociais e na mídia tradicional ajudam a dividir opiniões sobre a eficácia da vacina
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A vacina contra a Covid-19 é uma realidade no Pará. O Estado recebeu nesta terça-feira (18), 173.240 doses, incluindo mais 48 mil doses destinadas aos indígenas. O Correio de Carajás entrevistou leitores do Portal em Parauapebas para saber quem está pronto para se vacinar. 

A autorização emergencial aprovada pela Anvisa no domingo (17) trouxe novamente a temática da vacinação no Brasil. Mesmo o primeiro lote sendo para grupos de risco, como profissionais de saúde que atuam na linha da frente da pandemia, indígenas em aldeias e idosos, parte da população ainda tem dúvida sobre a eficácia da vacina, gerando dúvida entre se imunizar ou não. 

O radialista Renato Lima, 47 anos, que atua em Parauapebas, afirmou que até o momento está decidido a não se vacinar, já que houve uma enxurrada de informações colocando em xeque a porcentagem da eficácia da vacina.

Leia mais:
O radialista Renato Lima afirma que até o momento está decidido a não se vacinar

O investigador Abraão Silveira Teixeira, 56 anos, também de Parauapebas, destaca que assim que a vacina estiver disponível para sua faixa etária vai tomá-la. “Tem o lado contra e a favor, mas, eu sou do lado da ciência, se foi aprovada e liberada por eles, eu acredito”, sustentou.

Para a operadora de caixa Thalita Fernandes, 25 anos, de Parauapebas, a decisão está decretada. “Vou me vacinar, o imunizante foi estudado para suprir a demanda para enfrentar a pandemia que atingiu o mundo”.

Thalita Fernandes, de Parauapebas: “a decisão está decretada: vou me vacinar”

Na contramão de Thalita, a assistente de serviços gerais, Joelma Oliveira Feitosa, 47 anos, de Serra Pelada, disse que não irá se vacinar. “Ontem estava conversando com a minha família sobre isso, muita gente falou que não ia tomar não. Eu também não vou, porque acho que ela vem para matar a gente”. 

“Eu tomo sim, por que não?!”, responde interrogando a funcionária doméstica Neiva Sueli Pereira, 43 anos, de Marabá. Esta sempre foi a única opção para ela, e se surpreende com o número de pessoas que optam pela não imunização, já que este é um benefício para ajudar toda a população.   

A assistente social e empresária Edileia Pereira Gomes Barbosa, 37 anos, moradora de Redenção, garante que quando chegar a vez dela, será vacinada. “Pena que ainda não tem para todo mundo”, lamenta, relembrando ainda que houve medo no começo, porém, disse que uma criança tem reações às vacinas destinadas à idade delas.

Edileia: “pena que ainda não tem vacina para todo mundo”

Quem também faz parte do time pró-vacina é a aposentada Maria Cleia Eloi, 64 anos, residente em Rurópolis. Ela afirma que não tem medo do vírus, mas que isso não é motivo para não se proteger. “Não custa vacinar e ter fé em Deus”.  

Maria Cleia: Não custa vacinar e ter fé em Deus

Aos 78 anos de idade, vivendo em Casa de Tábua, distrito de Santa Maria das Barreiras, Mariana Pereira Mota da Silva, disse não saber o que fazer. “Uns dizem que se tomar a vacina morre, outros falam que a gente pode viver, confesso que fico preocupada, mas, se me disserem para eu tomar eu tomo. Se for para curar é bom né?!”, diverte-se. 

Do município de Cumaru do Norte, a empresária Maria Helena, 57 anos, é hashtag pela não vacinação. Ela também nunca fez uso de vacinas contra o sarampo e da gripe, por exemplo, por sempre temer as reações. “Quando meu marido tomava, principalmente a da gripe, ficava três dias passando muito mal. Então, eu não quero”. (Theíza Cristhine, Ronaldo Modesto e Núbia Mara)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…