Fotos: Josseli Carvalho
Ads

Uma força tarefa foi montada nesta manhã, quarta-feira (31), para ouvir os 26 internos da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) do Pará que estavam no caminhão-cela onde quatro outros presos foram mortos por estrangulamento nessa madrugada. Os corpos de José Ítalo Meireles de oliveira, de 22 anos, Dhenison de Souza Ferreira, de 24 anos, Valdenildo Moreira Mendes, de 30 anos, e Werik de Souza Lima, de 20 anos, estão sendo necropsiados no Instituto Médico Legal (IML), de Marabá.

Ads

Ao todo, 30 homens estavam sendo transferidos para Belém a partir de Altamira, onde um confronto entre facções deixou 58 mortos no Centro Regional de Recuperação, na segunda-feira (29). Quando o veículo chegou em Marabá, onde passaria a noite, foram identificados quatro corpos. Os demais presos foram encaminhados à cadeia localizada na 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil, na Folha 30, Nova Marabá.

Um forte aparato da Polícia Militar faz a segurança da região. A movimentação na delegacia é grande e o caso está sendo acompanhado pelo diretor geral da Polícia Civil, Alberto Teixeira, pela corregedoria da Susipe e pelo Ministério Público do Estado do Pará.

Em nota divulgada há pouco, a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) informou que os quatro presos mortos participaram da briga entre facções em Altamira e foram mortos no trecho entre Novo Repartimento e Marabá. “Eram da mesma facção e viviam juntos nas mesmas celas. Foram comparsas na execução da rebelião. Durante o transporte, estavam algemados, divididos em quatro celas”, informou o órgão.

Ainda segundo a Segup, a capacidade das celas do caminhão é de até 40 presos, sendo que 30 eram transportados e o Estado do Pará não possui caminhão com celas individuais. A ação criminosa teria ocorrido 19 horas de ontem e 1 hora da manhã de hoje. “Ao chegar a Marabá os agentes encontraram quatro presos mortos por sufocamento em duas celas. Todos os 26 presos remanescentes serão colocados em isolamento. As razões deste fato lamentável estão sendo investigadas”, acrescenta o posicionamento.

Ainda ontem, líderes das facções envolvidas no confronto em Altamira foram levados de avião para Belém, dentre eles Robson da Silva Pereira, Samuel Pereira de Andrade, Cleone Cruz da Silva, Avilson Lopes de Abade Espíndola, Mauro Fernandes, Mateus Soares, José Albuquerque do Nascimento, Maciel de Deus Barroso e Dhon Leno Nunes Amaral. (Luciana Marschall – com informações de Chagas Filho e Josseli Carvalho)

Ads