Correio de Carajás

Marabá terá ato de solidariedade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Na próxima sexta-feira (21), a partir das 19 horas, acontece um manifesto solidário ao Acampamento Hugo Chavez, que foi palco de um ataque de pistoleiros na noite de sábado (15) e na tarde de domingo (16). O evento será realizado no Campus I da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), que organiza o manifesto junto com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Movimento Sem-terra (MST).

Na manhã de ontem (17), uma caravana composta por militantes de movimentos sociais, além de estudantes e professores da Unifesspa seguiu em direção ao Acampamento Hugo Chavez, para conversar com os acampados e tentar auxilia-los no que fosse possível. Depois de ida ao acampamento, ficou definida a realização do manifesto.

O Acampamento “Hugo Chavez”, do MST, fica a 27 km de Marabá, na Fazenda Santa Tereza, BR-155. Segundo os movimentos sociais, o ataque aconteceu em dois momentos: primeiro às 23h de sábado, pistoleiros numa caminhonete atiraram na direção da entrada do acampamento; depois no domingo, por volta das 13h, os criminosos atearam fogo ao redor das barracas.

Leia mais:

O advogado José Batista Gonçalves Afonso, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), pediu que a Delegacia de Conflitos Agrários (Deca), de Marabá, fosse até o local, onde vivem mais de 300 famílias, para verificar a situação e tomar as providências que o caso requer da especializada.

Batista explicou que o Incra já fez proposta de comprar a terra para assentamento de clientes da reforma agrária. Inicialmente, o fazendeiro Rafael Saldanha Camargo, dono da área, até aceitou fazer a negociação, mas quando o Incra descontou o valor do passivo ambiental, ele desistiu de negociar com o Estado e a situação segue complicada na área.

Quem também esteve no Acampamento Hugo Chavez foi uma equipe da Delegacia Especializada em Conflitos Agrários (Deca) e também servidores do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. O delegado Alexandre Nascimento conformou que a delegacia foi acionada ainda na tarde de domingo (16), pela CPT, que informou sobre o atentado.

 Em números

300

Este é o número de famílias que estão acampados no Hugo Chavez, segundo informou, segundo Raimunda Cesar, da coordenação estadual do MST. Uma escola foi erguida para atender cerca de 180 crianças, jovens e adultos.

 (Chagas Filho)

 

 

Na próxima sexta-feira (21), a partir das 19 horas, acontece um manifesto solidário ao Acampamento Hugo Chavez, que foi palco de um ataque de pistoleiros na noite de sábado (15) e na tarde de domingo (16). O evento será realizado no Campus I da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), que organiza o manifesto junto com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Movimento Sem-terra (MST).

Na manhã de ontem (17), uma caravana composta por militantes de movimentos sociais, além de estudantes e professores da Unifesspa seguiu em direção ao Acampamento Hugo Chavez, para conversar com os acampados e tentar auxilia-los no que fosse possível. Depois de ida ao acampamento, ficou definida a realização do manifesto.

O Acampamento “Hugo Chavez”, do MST, fica a 27 km de Marabá, na Fazenda Santa Tereza, BR-155. Segundo os movimentos sociais, o ataque aconteceu em dois momentos: primeiro às 23h de sábado, pistoleiros numa caminhonete atiraram na direção da entrada do acampamento; depois no domingo, por volta das 13h, os criminosos atearam fogo ao redor das barracas.

O advogado José Batista Gonçalves Afonso, da Comissão Pastoral da Terra (CPT), pediu que a Delegacia de Conflitos Agrários (Deca), de Marabá, fosse até o local, onde vivem mais de 300 famílias, para verificar a situação e tomar as providências que o caso requer da especializada.

Batista explicou que o Incra já fez proposta de comprar a terra para assentamento de clientes da reforma agrária. Inicialmente, o fazendeiro Rafael Saldanha Camargo, dono da área, até aceitou fazer a negociação, mas quando o Incra descontou o valor do passivo ambiental, ele desistiu de negociar com o Estado e a situação segue complicada na área.

Quem também esteve no Acampamento Hugo Chavez foi uma equipe da Delegacia Especializada em Conflitos Agrários (Deca) e também servidores do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. O delegado Alexandre Nascimento conformou que a delegacia foi acionada ainda na tarde de domingo (16), pela CPT, que informou sobre o atentado.

 Em números

300

Este é o número de famílias que estão acampados no Hugo Chavez, segundo informou, segundo Raimunda Cesar, da coordenação estadual do MST. Uma escola foi erguida para atender cerca de 180 crianças, jovens e adultos.

 (Chagas Filho)

 

 

Comentários

Mais

Moto furtada em Parauapebas é encontrada na Vila Sororó

Moto furtada em Parauapebas é encontrada na Vila Sororó

Uma motocicleta furtada na cidade de Parauapebas, no último dia 8 de abril, foi encontrada na tarde deste domingo (18)…
Briga de vizinhos termina em morte na Folha 33

Briga de vizinhos termina em morte na Folha 33

Por volta das 5 horas da manhã deste domingo (18), Washington Santos Batista, 41 anos, recebeu golpes de arma branca…
Homem é assassinado na Feira do Rio Verde quando jogava bozó

Homem é assassinado na Feira do Rio Verde quando jogava bozó

Por volta das 13h deste domingo (18) um homem identificado como Pedro Alife Reis França foi assassinado na Feira do…
Colisão de motos deixa dois mortos e um ferido no bairro Betânia

Colisão de motos deixa dois mortos e um ferido no bairro Betânia

Por volta das 15 horas deste sábado (17), uma colisão frontal entre duas motos no bairro Betânia, em Parauapebas, resultou…
Trio é detido por tráfico no bairro Altamira

Trio é detido por tráfico no bairro Altamira

Na noite desta sexta-feira (16), a policia autuou três jovens por tráfico de drogas no bairro Altamira, em Parauapebas. Viniciu…
Menor de idade é baleado no bairro Liberdade

Menor de idade é baleado no bairro Liberdade

Na noite desta sexta-feira (16), um menor de idade foi alvejado no antebraço em sua casa, no bairro Liberdade, em…