Correio de Carajás

Marabá: Rios voltam a subir e desabrigam novamente

Abrigo montado na entrada do Núcleo Pioneiro voltou a receber flagelados ontem / Fotos: Josseli Carvalho
Abrigo montado na entrada do Núcleo Pioneiro voltou a receber flagelados ontem / Fotos: Josseli Carvalho
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Quando parecia que o período crítico da enchente já havia passado em Marabá, em definitivo, com o nível do Rio Tocantins recuando da cota de alerta e regredindo a 9,34 metros acima do normal, um repique desde domingo (12) mudou tudo em poucas horas. O volume voltou a subir e nesta quarta-feira (15) já estava em 10,70 metros acima do normal. Não só ultrapassou novamente a cota de alerta, como voltou a desabrigar centenas de pessoas que já estavam de volta às suas casas nas áreas mais baixas da cidade. E a previsão é que continue a subir, mais uma vez passando dos 11 metros.

Ocorre que o repique da cheia pegou de surpresa as autoridades e os próprios flagelados. No último dia 9, portanto há uma semana, a própria Defesa Civil, pressionada pelos populares, ajudou na mudança de muitos deles de volta a suas casas. Outros tantos voltaram por contra própria, de forma que no sábado, dia 11, já não havia ninguém nos abrigos oficiais.

A Reportagem do CORREIO esteve no barracão montado pela prefeitura na entrada do núcleo Marabá Pioneira — onde se situam os bairros Francisco Coelho (Cabelo Seco), Santa Rita, Santa Rosa e Vila Canaã (Vila do Rato) — e conversou com flagelados que estão em ritmo de vaivém com a oscilação das águas. A princípio, cerca de 30 famílias devem se estabelecer novamente nesse abrigo, que teve telhas, compensados e outras partes da estrutura furtados na noite anterior. Ou seja, a Prefeitura, terá de fazer novo investimento na estrutura.

Leia mais:

O ajudante de pedreiro Melques da Cruz Barros foi um dos atingidos pela enchente. Ele narra que voltou para casa após sinal verde da Defesa Civil e que precisou retornar ao abrigo ontem porque, nesse período de menos de uma semana, a casa onde mora alagou outra vez. “Eles (Defesa Civil) vieram mandar todo mundo sair daqui, porque queriam limpar a praça para continuar a obra”, relata ele. “Eles disseram que nós poderíamos voltar, que não havia perigo, e olha onde estamos”, expõe.

Tânia Rosa Bueno da Silva, residente do Bairro Santa Rosa, foi uma das afetadas que mais percorreram os abrigos. Ela conta que a primeira mudança aconteceu no dia 10 de março, ocasião em que foi para o alojamento montado na Orla. Uma semana depois, como o leitor bem lembra, a água alcançou o local e lá vai Tânia para o galpão da Folha 32, às margens da Rodovia Transamazônica (BR-230). “Isso é muito ruim. Eu tenho problema de coluna e não aguento ficar mexendo com esse negócio de mudança. Eu fico doente. Meu psicológico se altera”, externa ela.

José Geraldo lamenta repique das águas em rua novamente alagada

Indignado, o morador José Geraldo Moura de Souza afirma que é ‘molecagem’ a população viver em cima dos caminhões do Exército, utilizados no atendimento aos flagelados. Para ele, que é aposentado, a decisão da Defesa Civil foi tomada sem conhecimento da realidade dos rios. “Até as crianças que brincam com boia na enchente aqui sabem que o nível do rio baixa e depois sobe”, menciona.

Para esta quinta-feira (16), a previsão é de sol e aumento de nuvens de manhã e pancadas de chuva à tarde e à noite. Com umidade em 54%, a probabilidade de chuva é de 80%, a 10 milímetros (pela pluviosidade, cada milímetro equivale a um litro). Na sexta-feira (17), as chances de chuva aumentam para 90% e sobe para 20 o número de litros de água por metro quadrado. Os especialistas consideram esse tipo de chuva como moderada, mas que pode provocar alterações.

A última vez que o CORREIO teve contato com o titular da Defesa Civil em Marabá, Jairo Milhomem, foi no dia 13 de abril, quando o mesmo tratou de forma ríspida repórter do Jornal e disse que o que a imprensa quisesse saber de enchente, que perguntasse à Ascom da Prefeitura.

Segundo o Boletim de Vazões e Níveis da Eletronorte, o rio continuará subindo e deve chegar a 11,15 metros acima do normal no dia 18. (Da Redação)

Comentários

Mais

MPPA firma Termo de Ajuste de Conduta para garantir material e ações educativas para alunos com autismo

MPPA firma Termo de Ajuste de Conduta para garantir material e ações educativas para alunos com autismo

A 13ª Promotoria de Justiça de Justiça de Marabá firmou no último dia 9 de junho, Termo de Ajuste de Conduta com…
MPF cobra cumprimento da Reforma Agrária e Regularização Fundiária a Eldorado do Carajás e INCRA

MPF cobra cumprimento da Reforma Agrária e Regularização Fundiária a Eldorado do Carajás e INCRA

O Ministério Público Federal (MPF) expediu nesta terça-feira (15) recomendações ao município de Eldorado dos Carajás, no sudeste do Pará,…
SUS não recebeu vacinas prometidas por Wizard e Hang

SUS não recebeu vacinas prometidas por Wizard e Hang

Cem dias após o Brasil autorizar a compra e doação de vacinas ao SUS pelo setor privado, nenhuma dose foi…
Vacinas Sputnik V serão enviadas ao Brasil em julho, diz Camilo Santana

Vacinas Sputnik V serão enviadas ao Brasil em julho, diz Camilo Santana

As vacinas russas contra a Covid-19, a Sputnik V, serão entregues ao Brasil no mês de julho, conforme o governador…
PL prevê semana educativa no combate ao cerol em Parauapebas

PL prevê semana educativa no combate ao cerol em Parauapebas

Foi aprovado em Sessão Ordinária da Câmara dos Vereadores de Parauapebas nesta terça-feira (15) um projeto de lei que prevê…
Aneel prorroga proibição de corte de luz por inadimplência

Aneel prorroga proibição de corte de luz por inadimplência

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu hoje (15) que vai prorrogar por mais três meses a proibição de…