Correio de Carajás

Marabá: “Minha Casa Minha Vida” vai parar na Justiça Federal

Fotos: Parecer técnico do setor pericial do MPF
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Infiltrações, rachaduras, alagamentos e refluxo de esgoto atribuídos a erros de projeto e de execução da HF Engenharia Construtora em dois residenciais do programa “Minha Casa Minha Vida”, em Marabá, levaram o Ministério Público Federal (MPF) a ingressar nesta terça-feira (23) com Ação Civil Pública contra a empresa que executou as obras e contra a Caixa Econômica Federal, que viabiliza os recursos e fiscaliza os empreendimentos.  

Os problemas foram detectados no Residencial Tiradentes, localizado na Rodovia BR-222, Bairro Morada Nova, construído com 1.410 unidades habitacionais e investimento de R$ 54.972.128,00, e no Residencial Vale Do Tocantins, localizado no Bairro São Felix, construído com 1.090 unidades habitacionais por R$ 42.496.052,00. Ambos os residenciais totalizam R$ 95 milhões em investimentos do Fundo de Arrendamento Residencial.

Um Inquérito Civil foi instaurado pela procuradora Thais Stefano Malvezzi após o Ministério Público do Estado do Pará encaminhar ao MPF documentos narrando diversos problemas de ordem estrutural nos residenciais. A procuradoria questionou a Caixa Econômica sobre o caso e o banco, em síntese, alegou que os residenciais foram recebidos pela Prefeitura Municipal de Marabá e que em momento algum a administração teria apontado falhas estruturais.

Leia mais:

O MPF solicitou que fosse elaborado Parecer Técnico, o qual concluiu que a maioria dos problemas relacionados no parecer é visível e decorrente de falhas construtivas e de projeto, caracterizando vícios e defeitos de construção que devem ser corrigidos pela construtora, responsável pela solidez e segurança dos empreendimentos.

Segundo o parecer, tais problemas prejudicam as condições de utilização, segurança e habitabilidade dos residenciais e os danos tendem a piorar com o passar do tempo, por degradarem cada vez mais os elementos construtivos da edificação, o que acaba ocasionando o surgimento de outras anomalias.

Ao oficiar a Prefeitura de Marabá sobre a situação, o MPF recebeu ampla resposta, na qual a administração municipal informava que busca tomar providências para amenizar algumas situações – como emprego de caminhões “limpa-fossas” e coleta de resíduos sólidos com habitualidade –, ressaltando, inclusive, ter elaborado análise da qualidade da água dos empreendimentos.

Conforme a PMM, das oito amostras coletadas nos poços, na saída do reservatório e nas residências, todas continham a presença de Coliformes Totais. Em três das amostras foi detectada também a presença da bactéria Escherichia Coli.

Para a procuradoria, além de o Sistema de Abastecimento de Água ser insuficiente para o abastecimento dos Residenciais, submetendo os residentes a constantes faltas de água, ainda distribui água imprópria para o consumo humano, colocando em risco a saúde da população.

Foram detectados problemas graves, também, na Rede de Drenagem de Águas Pluviais; na Estação de Tratamento de Esgoto; e na rede de esgoto danificada, havendo a possibilidade, inclusive, de contaminação do Rio Tocantins. O laudo apontou, ainda, degradação de pavimentos, buracos nas vias e empoçamentos na praça.

Dentro das casas encontrou-se fissuras nas paredes, infiltração no peitoril de janelas, deterioração de portas metálicas, desalinhamento de paredes, embarrigamento de forros, vazamentos nas instalações hidráulicas, afundamentos de pisos, corrosões em esquadrias metálicas e deficiências em instalações elétricas.

PEDIDOS

Em tutela de urgência, o MPF pede que em 90 sejam realizadas inspeções nas unidades habitacionais e nas áreas comuns, com o objetivo de diagnosticar por completo os vícios e defeitos de construção existentes e que a construtora apresente minucioso relatório de vistoria, além de projeto de engenharia contendo o cronograma físico e financeiro das obras de reforma a serem executadas.

Requer, ainda, em 30 dias, a contar da aprovação do Relatório de Vistoria e do Projeto de Engenharia, que seja dado início às obras emergenciais de reparo. Por fim, a cominação de multa, em desfavor das duas rés, no valor individual de R$ 10 mil por dia de inércia, atraso ou omissão.

POSICIONAMENTO

O Portal Correio de Carajás encaminhou e-mail ao representante da HF Engenharia e à assessoria de comunicação da Caixa Econômica Federal solicitando posicionamento.

A CEF enviou nota à Redação na quinta-feira, dia 25:

“A CAIXA esclarece que os Residenciais Vale do Tocantins e Tiradentes foram devidamente vistoriados e formalmente recebidos pelo Poder Público, ficando este responsável pela operação e manutenção dos sistemas de água, esgoto, bem como os serviços de limpeza urbana.

Com relação ao pedido do Ministério Público Federal, a CAIXA informa que não foi notificada oficialmente.

A CAIXA ressalta que, como Agente Financeiro dos empreendimentos, não é responsável pelas obras, cabendo à construtora essa responsabilidade. Apesar disso, mantém o Programa De Olho na Qualidade, um canal exclusivo para recebimento de reclamações e sugestões por meio do telefone 0800-721-6268, visando auxiliar os clientes a obterem, da construtora, os reparos devidos nos imóveis nos casos cabíveis.

Informamos ainda que no Residencial Vale do Tocantins foram abertas 101 demandas, sendo que 78 foram devidamente tratadas, 5 encontram-se em atendimento e as demais foram classificadas como improcedentes pois foram problemas ocasionados por mau uso.”

A HF ainda não retornou. (Luciana Marschall)

Editado às 12h11 do dia 26/04/2019 para inclusão do posicionamento da CEF.

Mais

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Em visita a Marabá nesta quarta-feira (12) o governador Helder Barbalho rodou a cidade fazendo inaugurações, assinando ordens de serviço,…
Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Um cruzamento entre a Avenida VS-10 e a Rua Florita, na altura do Bairro Morada Nova, em Parauapebas, tem causado…
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante a pandemia do novo coronavírus.…
Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará,…
Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

A Defensoria Pública do Pará (DPE) emitiu uma recomendação ao Governo do Estado para que as pessoas privadas de liberdade…
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS)…