Correio de Carajás

Marabá: Infraero é condenada a mais de R$20 mil por tentativa de furto de avião

Foto:Divulgação Infraero
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quase oito anos após a tentativa de furto de um avião, em Marabá, que chegou a ser capa do Jornal Correio, em 23 de novembro de 2010, a Infraero foi condenada pela Justiça Federal a ressarcir em R$ 20.160,16 a Bradesco Auto/RE Companhia de Seguros, à época contratada pela empresa Sete Linhas Aéreas Ltda.

A empresa pública federal, que é vinculada ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, é a administradora do Aeroporto João Correa da Rocha, onde o crime ocorreu. De acordo com a seguradora, que moveu a ação, por conta da tentativa de furto a aeronave assegurado sofreu avarias.

À proprietária do avião a seguradora precisou pagar R$ 40.320,32 e posteriormente cobrou o mesmo valor da Infraero. O juiz Marcelo Honorato, titular da 1ª Vara Federal de Marabá, no entanto, entendeu que tanto a empresa pública quanto a proprietária da aeronave tiveram parcela de culpa no episódio, determinando o pagamento de metade do valor.

Leia mais:

CASO

Conforme o processo, no dia do crime, Mateus Santos da Silva, de 19 anos, pulou o muro do aeroporto e chegou à aeronave Cessna Aircraft, modelo 208B Caravan, com lotação para dois tripulantes e nove passageiros. Ele chegou a acionar o motor, mas não conseguiu completar o objetivo graças ao término do combustível.

A tentativa de furto, segundo a seguradora, causou avaria parcial ao bem e a empresa acusou a Infraero de ter negligenciado a segurança do aeroporto. A empresa pública, no entanto, contestou afirmando que o aeroporto possuía barreiras de proteção e que havia constante vigília de empresa terceirizada.

Acrescentou que, em 2009, a ANAC teria atestado a qualidade da segurança do local e que o jovem adentrou no local por um local ermo e de difícil vigilância, sem iluminação abundante. Sustentou, ainda, haver culpa da proprietária da aeronave, já o veículo aéreo teria sido deixado destrancado no estacionamento do aeroporto.

DECISÃO

Na sentença, o magistrado entendeu que é dever da empresa pública a administração do aeroporto e o eficiente acautelamento dos serviços ali prestados e dos bens, mesmo pertencentes a terceiros. Mas considerou que a culpa é concorrente, em proporções iguais, já que a empresa deixou a aeronave destrancada. (Luciana Marschall)

 

Comentários

Mais

CTA realiza “Dia D” no combate à AIDS em Parauapebas

CTA realiza “Dia D” no combate à AIDS em Parauapebas

Uma ação nomeada como “Dia D” pelo Centro de Testagem e Aconselhamento de Parauapebas (CTA) foi realizada na manhã desta…
No Dia Mundial de Combate à Aids, papa pede solidariedade a vítimas

No Dia Mundial de Combate à Aids, papa pede solidariedade a vítimas

 O papa Francisco pediu nesta quarta-feira (1º) mais solidariedade com aqueles que sofrem com o vírus HIV, para garantir os…
Confira quem tem direito à tarifa social de energia elétrica com as novas regras

Confira quem tem direito à tarifa social de energia elétrica com as novas regras

O brasileiro poderá ter um desconto na conta de luz de 100% graças a um projeto de lei que prevê…
Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário

Nascidos em dezembro têm até o dia 31 para aderir ao saque-aniversário

Trabalhadores nascidos em dezembro têm, de hoje (1º) até 31 de dezembro, para aderir ao saque-aniversário do Fundo de Garantia…
São Paulo confirma terceiro caso da variante ômicron no Brasil

São Paulo confirma terceiro caso da variante ômicron no Brasil

A Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo confirmou nesta quarta-feira (1°) o terceiro caso da variante Ômicron no…
Vacinas devem proteger infectados por variante Ômicron, diz secretário

Vacinas devem proteger infectados por variante Ômicron, diz secretário

O secretário de Saúde do Reino Unido, Sajid Javid, disse, nesta quarta-feira (1º),que é possível que as vacinas sejam menos…