Correio de Carajás

Manual de atuação discute mineração ilegal de ouro na Amazônia

Foto: reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Esclarecer sobre a regulamentação aplicável à extração de ouro, sobretudo sob a forma de garimpo na Amazônia, e diagnosticar as falhas legislativas que fazem dessa atividade econômica um terreno fértil para a criminalidade. Esses são os objetivos do Manual de Atuação “Mineração Ilegal de Ouro na Amazônia: Marcos Jurídicos e Questões Controversas”, editado pela Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal (4CCR/MPF). O manual foi lançado durante o seminário “Desmatamento, Crime Organizado e Corrupção”, realizado em Brasília no dia 19/2.

A publicação alerta que o garimpeiro do século XXI não é mais aquele profissional que percorre leitos de rio com picareta e bateia, em pepitas. Hoje a extração de ouro na Amazônia é feita com maquinário pesado, de alto custo e responsável por grande impacto ambiental e socioambiental. Balsas, dragas, pás-carregadeiras, escavadeiras hidráulicas e outros equipamentos que custam milhões de reais deixam atrás de si um rastro de destruição. A situação é agravada pela legislação deficiente que prejudica o combate a esse tipo de crime ambiental, bem como fragiliza a proteção aos povos tradicionais impactados pela atividade irregular.

O manual de atuação é fruto de análises empreendidas por procuradores da República integrantes da Força-Tarefa Amazônia e por procuradores do Trabalho com atuação na temática e experiência em combate à mineração ilegal de ouro na Amazônia, em estados como Pará, Amazonas e Amapá. A elaboração do material levou em consideração experiências locais de profissionais distintos, como forma de facilitar a compreensão da intrincada legislação que versa sobre o tema e seus efeitos colaterais.

Leia mais:

O diagnóstico traçado pela publicação constitui uma primeira contribuição do MPF para a implantação e o aperfeiçoamento dos mecanismos governamentais e privados de compliance da cadeia produtiva e circulatória do ouro, compromisso com o qual tanto o Estado brasileiro como atores privados devem se engajar, defende o texto. O combate à mineração ilegal pode assegurar tanto a higidez dos ativos financeiros nacionais como a integridade do meio ambiente e das populações tradicionais afetadas pela mineração aurífera depredatória.

Durante o lançamento da publicação, a coordenadora da FT Amazônia, procuradora da República Ana Carolina Haliuc detalhou o modo de operação dos criminosos responsáveis pela mineração ilegal na Amazônia. De acordo com ela, o estado não tem controle das reservas de ouro e nem da circulação desse minério, que vai se esvaindo do país, seja por meio da exportação para outros países seja na confecção de joias.

Ela reforça que o manual busca auxiliar os membros a entenderem todo esse contexto normativo e qualificar a atuação dos procuradores nas esferas cível e criminal, contribuindo para o aperfeiçoamento do quadro normativo acerca da circulação do ouro. “Nossa expectativa é que isso represente um salto de qualidade na nossa atuação nessa temática”, ponderou. (Fonte:MPF)

Comentários

Mais

Marabá: Salário mínimo começa a ser pago a famílias atingidas pela enchente

Marabá: Salário mínimo começa a ser pago a famílias atingidas pela enchente

Entre as várias iniciativas do governo do Estado para apoiar as famílias atingidas pelas cheias dos rios Tocantins e Itacaiúnas,…
Saúde antecipa entrega de terceiro lote de vacinas pediátricas

Saúde antecipa entrega de terceiro lote de vacinas pediátricas

O Ministério da Saúde divulgou nesta segunda-feira (17) que antecipou a data da chegada do terceiro lote das vacinas pediátricas.…
Pará registra 17.249 mortes por Covid-19 e 634.200 casos

Pará registra 17.249 mortes por Covid-19 e 634.200 casos

O Pará contabiliza 17.249 mortes e 634.200 casos de Covid-19 desde o início da pandemia, segundo os dados divulgados no…
Multidão na orla para curtir enchente preocupa autoridades

Multidão na orla para curtir enchente preocupa autoridades

A via do bambuzal engarrafada, a Avenida Antônio Maia lotada de veículos de um lado e do outro. As transversais,…
Covid: Saúde começa a distribuir 2ª remessa de vacinas para crianças

Covid: Saúde começa a distribuir 2ª remessa de vacinas para crianças

O Ministério da Saúde começou a distribuir a segunda remessa de vacinas contra a covid-19 voltadas para crianças. O lote…
Projeto cicloviário para Marabá nasce na Unifesspa

Projeto cicloviário para Marabá nasce na Unifesspa

A turma de engenharia civil da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) desenvolveu projetos cicloviários para a…