Correio de Carajás

Manu Batidão agita Marabá e diz ao Correio: “O Pará é o meu país”

A cantora abriu o show cantando seu hit “Par Perfeito” e segurando uma bandeira do Pará / Foto: Nubia Suriane
A cantora abriu o show cantando seu hit “Par Perfeito” e segurando uma bandeira do Pará / Foto: Nubia Suriane

TECNOMELODY

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

“O Pará é o meu país”. Essa foi a frase mais forte dita por Emanuella Tenório Rocha, a Manu Batidão, durante uma entrevista exclusiva concedida aos veículos de comunicação do Grupo Correio, na noite deste sábado (18). A cantora de tecnomelody se apresentou no Arena Chopp, em Marabá, lotando a casa para o seu show “Baú da Manu”, que foi apresentado pelo locutor Leverson Oliveira, da Rádio Correio FM, Angélika Freitas, diretora de Jornalismo da TV Correio Marabá, e João Bosco, personagem de Cristiano Rabello.

Atenciosa, Manu atendeu aos veículos de Imprensa do Grupo Correio / Foto: Nubia Suriane
Atenciosa, Manu atendeu aos veículos de Imprensa do Grupo Correio / Foto: Nubia Suriane

Manu nasceu no Alagoas, mas desde 2009 – quando se mudou para Belém – considera o Pará o seu lar. Durante a entrevista, ela exaltou diversas vezes o Norte, principalmente a culinária, que foi o que mais chamou sua atenção ao chegar. “O Pará tem muitas peculiaridades, mas, uma que me apaixonei foi a culinária. A minha comida favorita é o charque com açaí”, apontou com um sorriso ao lembrar-se do sabor.

A música também despertou a atenção de Manu, que se encantou com o tecnomelody e as possibilidades que ele permitia criar. “É um ritmo que mistura de tudo um pouco, principalmente, música eletrônica, isso é muito interessante”, conta Manu, que deu vida à Banda Batidão, responsável pelo seu crescimento no Pará.

Leia mais:
Manu com a bandeira do estado do Pará / Foto: Nubia Suriane
Manu com a bandeira do estado do Pará / Foto: Nubia Suriane

A cantora mantém residência em Goiânia/GO, mas, revela que todos a conhecem como a “menina do Pará”, até mesmo artistas sertanejos, ritmo que domina o Goiás. “É uma honra ser reconhecida dessa forma, como alguém que representa a nossa terra, o Pará”, comenta.

Apesar do sucesso do ritmo, Manu relembra que o tecnomelody ainda é muito marginalizado e que momentos como o seu show em Marabá, que teve casa cheia, são presentes frutos da evolução e da inclusão do seu público.

Foto: Nubia Suriane
Foto: Nubia Suriane

Inclusive, Manu já esteve diversas vezes em Marabá e destacou o público LGBTQIA+, pelo carinho e apoio que dão a ela. “É um público que me acompanha há muitos anos”, menciona.

Sobre os impactos da pandemia, a estrela do tecnomelody confessa que não gosta de reclamar e que tirou muitos aprendizados desse período tão difícil, como se reinventar. Ela relembra que foi uma das primeiras artistas a fazer uma live, e que não foi nada fácil. “Na minha casa estava sem luz, meu marido e uma amiga que seguravam os celulares para filmar, eu estava usando uma peruca, que arrastava no chão, foi complicado. Mas, eu precisava falar com meu público e mostrar que estava tudo bem, que eu continuava ativa”, relembra Manu, com algumas risadas sobre os perrengues para fazer a live.

Foto: Nubia Suriane
Foto: Nubia Suriane

O Correio de Carajás ainda tinha muitas perguntas para Emanuella, porém, de dentro do camarim ouvimos Angélika anunciando a diva e uma gritaria do público frenético pelo show fez com que a equipe se apressasse. Mas, houve tempo para uma última pergunta.

Ela finalizou a entrevista deixando um recado para os novos artistas marabaenses. “Pode parecer clichê, mas vou dizer: persistam! Deem o seu melhor, que a sua hora vai chegar. Se ajudem, se unam, pois, com o carinho e a empatia o sucesso vem mais rápido”, encerrou Manu, já colocando o fone de retorno no ouvido e pegando o microfone para ir ao palco.

Foto: Nubia Suriane
Foto: Nubia Suriane

A abertura do show foi emocionante e o público ficou frenético ao ver Manu, entoando junto com ela a letra de “Par Perfeito”, o hit que abriu o show. Um detalhe que vale destacar, é que em um determinado momento do concerto, ela foi até o público da pista, que estava mais distante, e cantou pertinho deles. Em seus stories, depois do show, Manu se desculpou por não poder ter recebido os seus fãs e destacou esse momento. “Eu quis estar perto de vocês, olhando no olho”, disse ela, que logo pegaria a estrada para ir a Belém. (Zeus Bandeira)

Comentários
Um terço da Desmonte chega às plataformas de streaming

Um terço da Desmonte chega às plataformas de streaming

Nem bem a Desmonte deixou de lado a ideia inicial de focar no dream pop de bandas como o Terno…
Ação global em defesa do clima reúne mais de 20 países

Ação global em defesa do clima reúne mais de 20 países

Com shows simultâneos ao redor do mundo, o Climate Live é realizado neste sábado (16), como um alerta para a…
Zé do Caixão vai ganhar filme em versão americana produzida por Elijah Wood

Zé do Caixão vai ganhar filme em versão americana produzida por Elijah Wood

Zé do Caixão, personagem do ator, diretor e roteirista José Mojica Marins, voltará aos cinemas em dois projetos. Segundo o…
Rock in Rio 2022 anuncia Coldplay no Palco Mundo no dia 10 de setembro

Rock in Rio 2022 anuncia Coldplay no Palco Mundo no dia 10 de setembro

A organização do Rock in Rio 2022 anunciou nesta quinta-feira (14) o show do Coldplay. O grupo inglês será a atração principal…
'Round 6' bate recorde e se torna série mais vista da história da Netflix

'Round 6' bate recorde e se torna série mais vista da história da Netflix

“Round 6” se tornou a série mais assistida da Netflix e já foi assistida “por 111 milhões de lares”, anunciou…
'Capitão Kirk' treina para voo com empresa de Jeff Bezos nesta quarta

'Capitão Kirk' treina para voo com empresa de Jeff Bezos nesta quarta

Os quatro passageiros da 2ª missão tripulada da Blue Origin, empresa de turismo espacial de Jeff Bezos, realizaram um treinamento no último…