Correio de Carajás

Macri pede reflexão para evitar mesma violência da Libertadores

Foto: reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, pediu hoje (3) que seja feita uma “profunda reflexão” para evitar que a violência volte impeça o país de realizar uma final de futebol. O apelo é uma referência à segunda partida da decisão da Taça Libertadores, entre River Plate e Boca Juniors, que foi transferida de Buenos Aires para Madri.

“Foram duros dias os que vivemos no fim de semana passada. O que cabe é uma profunda reflexão por parte de todos. Por que essas coisas nos acontecem e nos permitimos acreditar que, em um jogo, o comportamento deve ser diferente ao da vida diária. Por que toleramos violências às quais não estamos de acordo no dia a dia?”, questionou Macri, em entrevista coletiva.

O segundo jogo da final da Libertadores estava marco marcado para o último dia 24, no Monumental de Nuñez, mas o ônibus que levava a delegação do Boca para o estádio foi atacado por torcedores do River, que feriram alguns jogadores.

Leia mais:

A Conmebol adiou o duelo em um dia, no primeiro momento, mas depois decidiu remarcá-lo e transferi-lo para fora do território argentino.

Macri, que concedeu coletiva para fazer um balanço sobre a Cúpula dos Líderes do G20, encerrada no sábado (1º), mencionou os maus-tratos sofridos por autoridades, como o presidente da Fifa, Gianni Infantino, que estava em Buenos Aires no dia em que a partida deveria ter ocorrido.

” É inaceitável. O que houve na entrada do Monumental com as autoridades do futebol internacional é muito mais grave do que o que houve na rua”, opinou.

“Porque isso já denota uma degradação. Acho que tem muito mais a ver com a decisão, que é absolutamente independente deles, de nos castigar, não nos deixando ter a final que falta no campo do River”, completou o presidente argentino, que se mostrou profundamente chateado com a mudança de local.

“Temos que fazer uma profunda reflexão a respeito, e sentir que isso não pode voltar a acontecer, que as autoridades do futebol internacional digam que não podemos realizar uma final no nosso país”, lamentou.

O presidente argentino ainda lembrou que o governo do país enviou ao Congresso um projeto de lei para terminar com a violência das torcidas organizadas.

“A solução não é pôr cada vez mais policiais na rua, mas prender quem cometer um crime. Garanto a vocês que vão pensar várias vezes antes de voltar a agir assim”, afirmou. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Marabá decidirá vaga à final neste domingo

Marabá decidirá vaga à final neste domingo

Neste domingo (26), às 17h, no Estádio Zinho Oliveira, a Seleção de Marabá decide vaga na final da Copa Carajás…
Educação física se reinventa sem bola na volta às aulas

Educação física se reinventa sem bola na volta às aulas

Grande parte das atividades mais praticadas nas aulas de educação física antes da pandemia envolvia a bola, que sempre rolou…
Com jogadores do futebol inglês, Tite convoca seleção brasileira

Com jogadores do futebol inglês, Tite convoca seleção brasileira

O técnico Tite convocou, nesta sexta-feira (24), a seleção brasileira para os jogos contra Venezuela, Colômbia e Uruguai, que vão…
CBF divulga tabela detalhada das semifinais da Copa do Brasil

CBF divulga tabela detalhada das semifinais da Copa do Brasil

A diretoria de competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou nesta quinta-feira (23) a tabela detalhada dos confrontos das…
Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

Revitalização do Ginásio Renato Veloso avança

A obra de revitalização do Ginásio de Esportes “Renato Veloso”, localizado na Folha 16, na Nova Marabá, iniciou em agosto…
Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

Com gol contra, Remo vence Avaí em confronto de Leões pela Série B

No jogo entre os Leões Azul e da Ilha, melhor para o representante do Pará. Nesta quinta-feira (16), o Remo…