Correio de Carajás

Líder chega com “cara” de shopping e dono deve ser Empresário do Ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
4 Visualizações

Se a crise atinge o setor produtivo em Marabá, com guseiras fechadas e um hiato entre o projeto Alpa e a Cevital, vivemos a Revolução dos Supermercados. E, em qualquer ramo da cidade, se o critério for meramente técnico, então o Sindicato do Comércio de Marabá (Sindicom) já pode escolher o dono do Supermercado Líder como o empresário do Ano de 2017 do município. O negócio começou assombrando a concorrência com um leque diversificado de produtos oferecidos no hipermercado que inaugurou esta semana na cidade.

De cara, gerou 650 empregos num empreendimento suntuoso que agrega supermercado, homecenter, farmácia, ótica e uma loja de departamento com direito a eletrodomésticos, vestuário, cama, mesa e banho.

E não posso deixar de citar minha seção preferida: peixes (boa variedade, baratos e com tratadores que foram levados a Belém para fazer curso). A pescada amarela, por exemplo, pode ser encontrada por R$ 16,00 o quilo, enquanto na feira da folha 28 pago até R$ 25,00 pelo mesmo peso. Vem limpinho, cortado e semi-cozido (rsrsrs…brincadeira).

Leia mais:

Fui lá no Líder nos três últimos dias para poder fazer esse texto. Na inauguração, com empresários, deu para perceber a face embasbacada de dezenas de empresários marabaenses, que ficaram impressionados com as dimensões do prédio e a aposta que o Grupo está fazendo em Marabá.

Alguns deles, me segredaram que têm medo de o Líder não ter clientela para sustentar tamanho investimento. “Os preços daqui não são tão populares. Será que o negócio vinga, com outros supermercados mais barateiros?”, indagou um deles, do ramo de comunicação visual.

É preciso dize que o Líder vende a prazo, tem sistema próprio de crediário para oferecer aos clientes, fornece sacolas para as compras e tem balança no caixa. Tudo muito diferente do também novato Atacadão, que montou grande estrutura e inaugurou a menos de dois meses.

As classes A e B comemoram a chegada do Líder e quem se incorpora nestes dois grupos opina que os produtos do mais novo supermercado têm melhor qualidade que dos concorrentes. “O ambiente é muito bom, sem contar que a gente tem um horário mais estendido para fazer compras, porque, assim como o shopping, ele só fecha às 22 horas”, diz outro empresário, do ramo de materiais de construção.

Na geografia urbana dos supermercados de grande porte na cidade, a Nova Marabá sai ganhando, enquanto a Cidade Nova fica para trás e a Marabá Pioneira e Núcleo São Félix amargam o esquecimento. A Colina mantém-se na Folha 29, o Grupo Mateus encravou seu primeiro supermercado na Folha 33, o Atacadão deu um jeito de tornar-se vizinho do grupo maranhense e, agora, o Líder abre as portas na Folha 31. Todos na Nova Marabá.

O Cidade Nova, núcleo bastante populoso, conta apenas com o Mix Mateus. Independente de sua posição geográfica, quem ganha com um portfólio maior de supermercados em Marabá são os clientes, que têm mais opção e a oportunidade de escolher entre marcas, serviços e qualidade no atendimento.

Diferente do Atacadão, o Líder chegou abraçando a cidade e sua gente. Reuniu empresários e a Imprensa regional e mostrou por que está aqui e o que pretende. O Atacadão abriu as portas e só se sabe de onde veio.

Voltando ao Líder, é hora de conferir a seu presidente, Oscar Rodrigues, e estender aos irmãos deste, o título de Empresário do Ano. Se for outro nome, o critério será questionado.

Se a crise atinge o setor produtivo em Marabá, com guseiras fechadas e um hiato entre o projeto Alpa e a Cevital, vivemos a Revolução dos Supermercados. E, em qualquer ramo da cidade, se o critério for meramente técnico, então o Sindicato do Comércio de Marabá (Sindicom) já pode escolher o dono do Supermercado Líder como o empresário do Ano de 2017 do município. O negócio começou assombrando a concorrência com um leque diversificado de produtos oferecidos no hipermercado que inaugurou esta semana na cidade.

De cara, gerou 650 empregos num empreendimento suntuoso que agrega supermercado, homecenter, farmácia, ótica e uma loja de departamento com direito a eletrodomésticos, vestuário, cama, mesa e banho.

E não posso deixar de citar minha seção preferida: peixes (boa variedade, baratos e com tratadores que foram levados a Belém para fazer curso). A pescada amarela, por exemplo, pode ser encontrada por R$ 16,00 o quilo, enquanto na feira da folha 28 pago até R$ 25,00 pelo mesmo peso. Vem limpinho, cortado e semi-cozido (rsrsrs…brincadeira).

Fui lá no Líder nos três últimos dias para poder fazer esse texto. Na inauguração, com empresários, deu para perceber a face embasbacada de dezenas de empresários marabaenses, que ficaram impressionados com as dimensões do prédio e a aposta que o Grupo está fazendo em Marabá.

Alguns deles, me segredaram que têm medo de o Líder não ter clientela para sustentar tamanho investimento. “Os preços daqui não são tão populares. Será que o negócio vinga, com outros supermercados mais barateiros?”, indagou um deles, do ramo de comunicação visual.

É preciso dize que o Líder vende a prazo, tem sistema próprio de crediário para oferecer aos clientes, fornece sacolas para as compras e tem balança no caixa. Tudo muito diferente do também novato Atacadão, que montou grande estrutura e inaugurou a menos de dois meses.

As classes A e B comemoram a chegada do Líder e quem se incorpora nestes dois grupos opina que os produtos do mais novo supermercado têm melhor qualidade que dos concorrentes. “O ambiente é muito bom, sem contar que a gente tem um horário mais estendido para fazer compras, porque, assim como o shopping, ele só fecha às 22 horas”, diz outro empresário, do ramo de materiais de construção.

Na geografia urbana dos supermercados de grande porte na cidade, a Nova Marabá sai ganhando, enquanto a Cidade Nova fica para trás e a Marabá Pioneira e Núcleo São Félix amargam o esquecimento. A Colina mantém-se na Folha 29, o Grupo Mateus encravou seu primeiro supermercado na Folha 33, o Atacadão deu um jeito de tornar-se vizinho do grupo maranhense e, agora, o Líder abre as portas na Folha 31. Todos na Nova Marabá.

O Cidade Nova, núcleo bastante populoso, conta apenas com o Mix Mateus. Independente de sua posição geográfica, quem ganha com um portfólio maior de supermercados em Marabá são os clientes, que têm mais opção e a oportunidade de escolher entre marcas, serviços e qualidade no atendimento.

Diferente do Atacadão, o Líder chegou abraçando a cidade e sua gente. Reuniu empresários e a Imprensa regional e mostrou por que está aqui e o que pretende. O Atacadão abriu as portas e só se sabe de onde veio.

Voltando ao Líder, é hora de conferir a seu presidente, Oscar Rodrigues, e estender aos irmãos deste, o título de Empresário do Ano. Se for outro nome, o critério será questionado.

Comentários

Mais

CRÔNICA OURIÇO CHEIO

CRÔNICA OURIÇO CHEIO

Quando a vida no seu curso quase que natural me convocou à definição de que rumo profissional seguir, fiz falar…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Contas em Portugal O ex-secretário da Sefa, Nilo Noronha,que atuou no governo de Simão Jatene, lavrou uma procuração ao advogado…
Coluna Carlos Mendes

Coluna Carlos Mendes

Fonte e crime O sigilo da fonte na atividade jornalística sempre foi e será – menos nas ditaduras de esquerda…
Bilhões para quem?

Bilhões para quem?

Bilhões para quem? Os municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás não cansam de quebrar seus próprios recordes em matéria…
Sacudida nas urnas

Sacudida nas urnas

A melhor eleição de todas, a municipal, está batendo na porta dos eleitores. Ela avisa que chega forte. Apesar, obviamente,…
Previdência quente

Previdência quente

Previdência quente Aprovada com folga pelos deputados – o placar final foi 27 votos a favor, seis contra e quatro…