Correio de Carajás

Líder chega com “cara” de shopping e dono deve ser Empresário do Ano

Se a crise atinge o setor produtivo em Marabá, com guseiras fechadas e um hiato entre o projeto Alpa e a Cevital, vivemos a Revolução dos Supermercados. E, em qualquer ramo da cidade, se o critério for meramente técnico, então o Sindicato do Comércio de Marabá (Sindicom) já pode escolher o dono do Supermercado Líder como o empresário do Ano de 2017 do município. O negócio começou assombrando a concorrência com um leque diversificado de produtos oferecidos no hipermercado que inaugurou esta semana na cidade.

De cara, gerou 650 empregos num empreendimento suntuoso que agrega supermercado, homecenter, farmácia, ótica e uma loja de departamento com direito a eletrodomésticos, vestuário, cama, mesa e banho.

E não posso deixar de citar minha seção preferida: peixes (boa variedade, baratos e com tratadores que foram levados a Belém para fazer curso). A pescada amarela, por exemplo, pode ser encontrada por R$ 16,00 o quilo, enquanto na feira da folha 28 pago até R$ 25,00 pelo mesmo peso. Vem limpinho, cortado e semi-cozido (rsrsrs…brincadeira).

Leia mais:

Fui lá no Líder nos três últimos dias para poder fazer esse texto. Na inauguração, com empresários, deu para perceber a face embasbacada de dezenas de empresários marabaenses, que ficaram impressionados com as dimensões do prédio e a aposta que o Grupo está fazendo em Marabá.

Alguns deles, me segredaram que têm medo de o Líder não ter clientela para sustentar tamanho investimento. “Os preços daqui não são tão populares. Será que o negócio vinga, com outros supermercados mais barateiros?”, indagou um deles, do ramo de comunicação visual.

É preciso dize que o Líder vende a prazo, tem sistema próprio de crediário para oferecer aos clientes, fornece sacolas para as compras e tem balança no caixa. Tudo muito diferente do também novato Atacadão, que montou grande estrutura e inaugurou a menos de dois meses.

As classes A e B comemoram a chegada do Líder e quem se incorpora nestes dois grupos opina que os produtos do mais novo supermercado têm melhor qualidade que dos concorrentes. “O ambiente é muito bom, sem contar que a gente tem um horário mais estendido para fazer compras, porque, assim como o shopping, ele só fecha às 22 horas”, diz outro empresário, do ramo de materiais de construção.

Na geografia urbana dos supermercados de grande porte na cidade, a Nova Marabá sai ganhando, enquanto a Cidade Nova fica para trás e a Marabá Pioneira e Núcleo São Félix amargam o esquecimento. A Colina mantém-se na Folha 29, o Grupo Mateus encravou seu primeiro supermercado na Folha 33, o Atacadão deu um jeito de tornar-se vizinho do grupo maranhense e, agora, o Líder abre as portas na Folha 31. Todos na Nova Marabá.

O Cidade Nova, núcleo bastante populoso, conta apenas com o Mix Mateus. Independente de sua posição geográfica, quem ganha com um portfólio maior de supermercados em Marabá são os clientes, que têm mais opção e a oportunidade de escolher entre marcas, serviços e qualidade no atendimento.

Diferente do Atacadão, o Líder chegou abraçando a cidade e sua gente. Reuniu empresários e a Imprensa regional e mostrou por que está aqui e o que pretende. O Atacadão abriu as portas e só se sabe de onde veio.

Voltando ao Líder, é hora de conferir a seu presidente, Oscar Rodrigues, e estender aos irmãos deste, o título de Empresário do Ano. Se for outro nome, o critério será questionado.

Se a crise atinge o setor produtivo em Marabá, com guseiras fechadas e um hiato entre o projeto Alpa e a Cevital, vivemos a Revolução dos Supermercados. E, em qualquer ramo da cidade, se o critério for meramente técnico, então o Sindicato do Comércio de Marabá (Sindicom) já pode escolher o dono do Supermercado Líder como o empresário do Ano de 2017 do município. O negócio começou assombrando a concorrência com um leque diversificado de produtos oferecidos no hipermercado que inaugurou esta semana na cidade.

De cara, gerou 650 empregos num empreendimento suntuoso que agrega supermercado, homecenter, farmácia, ótica e uma loja de departamento com direito a eletrodomésticos, vestuário, cama, mesa e banho.

E não posso deixar de citar minha seção preferida: peixes (boa variedade, baratos e com tratadores que foram levados a Belém para fazer curso). A pescada amarela, por exemplo, pode ser encontrada por R$ 16,00 o quilo, enquanto na feira da folha 28 pago até R$ 25,00 pelo mesmo peso. Vem limpinho, cortado e semi-cozido (rsrsrs…brincadeira).

Fui lá no Líder nos três últimos dias para poder fazer esse texto. Na inauguração, com empresários, deu para perceber a face embasbacada de dezenas de empresários marabaenses, que ficaram impressionados com as dimensões do prédio e a aposta que o Grupo está fazendo em Marabá.

Alguns deles, me segredaram que têm medo de o Líder não ter clientela para sustentar tamanho investimento. “Os preços daqui não são tão populares. Será que o negócio vinga, com outros supermercados mais barateiros?”, indagou um deles, do ramo de comunicação visual.

É preciso dize que o Líder vende a prazo, tem sistema próprio de crediário para oferecer aos clientes, fornece sacolas para as compras e tem balança no caixa. Tudo muito diferente do também novato Atacadão, que montou grande estrutura e inaugurou a menos de dois meses.

As classes A e B comemoram a chegada do Líder e quem se incorpora nestes dois grupos opina que os produtos do mais novo supermercado têm melhor qualidade que dos concorrentes. “O ambiente é muito bom, sem contar que a gente tem um horário mais estendido para fazer compras, porque, assim como o shopping, ele só fecha às 22 horas”, diz outro empresário, do ramo de materiais de construção.

Na geografia urbana dos supermercados de grande porte na cidade, a Nova Marabá sai ganhando, enquanto a Cidade Nova fica para trás e a Marabá Pioneira e Núcleo São Félix amargam o esquecimento. A Colina mantém-se na Folha 29, o Grupo Mateus encravou seu primeiro supermercado na Folha 33, o Atacadão deu um jeito de tornar-se vizinho do grupo maranhense e, agora, o Líder abre as portas na Folha 31. Todos na Nova Marabá.

O Cidade Nova, núcleo bastante populoso, conta apenas com o Mix Mateus. Independente de sua posição geográfica, quem ganha com um portfólio maior de supermercados em Marabá são os clientes, que têm mais opção e a oportunidade de escolher entre marcas, serviços e qualidade no atendimento.

Diferente do Atacadão, o Líder chegou abraçando a cidade e sua gente. Reuniu empresários e a Imprensa regional e mostrou por que está aqui e o que pretende. O Atacadão abriu as portas e só se sabe de onde veio.

Voltando ao Líder, é hora de conferir a seu presidente, Oscar Rodrigues, e estender aos irmãos deste, o título de Empresário do Ano. Se for outro nome, o critério será questionado.

Comentários

Mais

Sobre a “fraqueza” e as dores

Sobre a “fraqueza” e as dores

Vivemos num tempo de eventos estranhos. Aprendemos que o fracasso é proibido. Só a vitória é permitida; perder é para…
Paciente Cirúrgico IV

Paciente Cirúrgico IV

Finalmente concluindo a coluna com o tema Paciente Cirúrgico. O exame completo do paciente cirúrgico inclui o exame físico, determinados…
Os EUA vão taxar os lucros bilionários das empresas em 15%. E se fosse no Brasil?

Os EUA vão taxar os lucros bilionários das empresas em 15%. E se fosse no Brasil?

No dia 7 de agosto (domingo), o senado estadunidense aprovou o maior pacote econômico, até agora, da administração Biden. O…
Do Melhoral infantil ao terror da Benzetacil

Do Melhoral infantil ao terror da Benzetacil

Quando o peito da menina piava, era certeza de crise asmática. Só faltava morrer sem fôlego. ”Forgo”. Encostava o umbigo…
Paciente Cirúrgico III

Paciente Cirúrgico III

Dando continuidade ao tema paciente cirúrgico, existe uma clara consciência mundial que o paciente desfavorecido por desnutrição responde de forma…
Três vicissitudes para entender Ademir Braz

Três vicissitudes para entender Ademir Braz

Ninguém veio para ser eterno, mas algumas pessoas poderiam ficar por mais tempo na vida. Pelo menos enquanto ainda tivessem…