Foto: Arquivo Correio

Em 2015, a população de Marabá viu a leishmaniose visceral tomar conta de toda a cidade, chegando ao número de 400 cães contaminados, 19 pessoas infectadas e três mortes em decorrência da doença, tudo isso entre janeiro e agosto daquele ano. Embora os casos tenham diminuído em 2018, como afirmou em entrevista ao CORREIO o coordenador de endemias do Centro de Controle de Zoonoses, José Amadeu Moreira, a doença ainda merece atenção, prevenção e controle no município.

FUTURO POSTAGEM
ALICERCE

Para que o combate seja efetivo, a médica veterinária Raquel Ribeiro alerta para os cuidados necessários para evitar a proliferação do mosquito transmissor e a contaminação de cães e seres humanos. “A população tem que se conscientizar de que é necessário limpar o espaço de convívio; locais que tem mato, entulho e lixo acumulado devem ser higienizados. É importante também usar telas para evitar que o mosquito entre em casa”, afirma, lembrando que o inseto se reproduz em áreas sujas, como galinheiros, por exemplo.

Ela explica que a doença é transmitida pelo flebótomo, popularmente conhecido como mosquito-palha, que ao picar o animal acaba transmitindo o protozoário leishmania. “Em relação ao animal, ao cão, hoje existem várias formas de prevenção, como o uso de repelentes que podem ser diários, semanais ou mensais. E tem as coleiras repelentes que podem ter duração de quatro, seis ou até oito meses”, informa, dizendo que a pulverização de inseticida nos logradouros públicos também pode ser uma opção válida.

O parasita, uma vez dentro do organismo, acaba se reproduzindo no interior das células do sistema imunológico. “Os cães não são transmissores da doença, são reservatórios, ou seja, o contato com o cão mesmo que ele esteja contaminado não vai transmitir a leishmaniose. O reservatório é onde o mosquito se multiplica, o inseto pica o cachorro e no organismo dele a leishmania vai proliferar”.

A veterinária acrescenta que além do cachorro, gatos também têm servido de reservatório para a doença, e também animais silvestres como raposas e roedores. “Como eles não transmitem, não adianta mata-los. Porque o mosquito vai acabar transmitindo, já que vai continuar no ambiente”, chama atenção, lembrando que muitas pessoas têm abandonado animais e até os sacrificado, como se eles fossem culpados pelo avanço dessa enfermidade.

TRATAMENTO

Raquel fala também sobre o tratamento da calazar, nome popular da leishmaniose, nos animais, que pode ser uma opção à eutanásia. “Com o diagnóstico precoce o tratamento é efetivo, então não tem razão para matar o animal. Porque o objetivo do tratamento é reduzir as chances de transmissão para o mosquito, a diminuição da quantidade de leishmania no organismo do animal, para que ele não tenha sintomas”, atesta. Segundo ela, neste caso, é preciso que o dono entenda como a doença se manifesta e evolui e também que tenha comprometimento com o tratamento.

COMBATE

Até esta sexta-feira (10), cidades de todo o país realizam a Semana Nacional de Controle e Combate à Leishmaniose, em cumprimento à Lei 12.604. Na cidade de Marabá, várias ações vêm sendo realizadas durante esses dias, como blitz educativas e arrastões de casa em casa. O primeiro aconteceu no Bairro Araguaia na última-terça (7) e o outro ocorre nesta quinta (9) no Jardim União.     (Nathália Viegas)

SAIBA MAIS

O CORREIO tentou contato com o Departamento de Vigilância em Saúde (SMS) e também com a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Marabá para ter acesso aos dados atualizados sobre a doença no município. No entanto, até o fechamento desta edição, nenhuma resposta foi dada ao Jornal.

 

FUTURO HORIZONTAL
TH SITES HORIZONTAL
DEPNEUS
RADIO CORREIO HORIZONTAL
ROMANCE FAVORITA

DEIXAR COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.