Correio de Carajás

Jatene deixará Governo com 80% das escolas precisando de reformas

Educação nunca foi prioridade para o governador do Pará, alvo de uma série de denúncias de alunos e professores que estão abandonados. (Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A nova Diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp) tem feito uma série de visitas às unidades da rede estadual e municipal de ensino para verificar como sobrevive a educação em terras paraenses. O diagnóstico nada animador revelou diversas anomalias: fechamento de escolas, turmas, desvalorização salarial e uma gestão administrada pelo governador Simão Jatene que massacra alunos e professores.

De acordo com a professora Letícia Silva, secretária geral do Sintepp, um dos problemas mais graves é a desvalorização da classe. “Vamos entrar no quarto ano sem reajuste de salário e isso implica na motivação do servidor, endividamento e falta de perspectiva. Isso paralisa todo processo educacional”, reclama. “Partindo deste ponto, fizemos várias denúncias contra o governador Simão Jatene, exigindo reforma nas escolas que sequer funcionam”, completa.

O cenário devastador assusta quem visita a maioria das escolas em Belém e Região Metropolitana (Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

A partir do levantamento feito, a entidade constatou que 80% das escolas estaduais do Pará precisam de reforma com urgência. “Não tem organização do espaço, a estrutura é precária e não existe um esforço para organizar, por exemplo, uma biblioteca decente. Em várias escolas você observa salas com caixas de livros que poderiam ser usados pelos alunos, mas mofam em um canto escuro”, lamenta a secretária geral.

Leia mais:

O sucateamento dessas unidades acaba gerando um estado de calamidade que prejudica os alunos. “A escola São Pedro, no bairro do Paracuri, em Icoaraci, sofreu um incêndio terrível, mesmo com denúncias feitas por nós aos órgãos competentes. Perdemos uma biblioteca inteira. Em outras, caso da escola Souza Franco, enorme e tradicional, o problema é o fechamento das turmas. Lá só tem aula de manhã”, enumera.

A saída da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para resolver os problemas foi adotar um sistema de reformas emergenciais, que na prática é deficiente. “O Sintepp entende que existe um boicote do governo. Jatene deveria ser processado por crime de responsabilidade, devido à forma como trata a educação pública, e o candidato dele (ao governo do Estado), o Márcio Miranda, enquanto legislador, também agiu de forma desonesta com a classe”.

As crianças tentam se divertir em um brinquedo quebrado (Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

Estado fechou 53 unidades em três anos

A tese levantada pela professora tem respaldo no próprio histórico de ações do governo. “De 2015 para cá, nós contabilizamos o fechamento de 53 escolas”, argumenta. O processo de sucateamento parece ocorrer de forma acelerada em Belém, responsável maior pela educação infantil. “No município são 6.266 servidores e a grande proposta deles para a educação é a terceirização”, lembra.

Segundo o Sintepp, Belém tem hoje 134 unidades de ensino infantil, entre creches e escolas, mas a Secretaria de Educação do Município (Semec) diz que são apenas 34. Das 134, o Sintepp listou que 54 precisam de intervenções emergenciais, o dobro das 27 apresentadas pela Semec.

“A nossa maior luta é contra esse sistema de governo que vigora no estado há quase 20 anos. O governador Simão Jatene brinca com a educação e agora quer colocar um indicado sem qualquer sensibilidade à causa. A Defensoria Pública ajuizou uma ação contra o Estado e o Município, para garantir mais vagas nas escolas e creches das cidades. O Estado está deixando de lado a educação básica e investindo apenas no ensino médio. Por isso que fecham turmas de ensino básico, mas a rede não suporta essa demanda e a educação continua engasgada”, desabafa.

A Semec informa que o atendimento da educação básica, etapa de educação infantil e ensino fundamental e a matrícula dos alunos, têm sido realizadas conforme a demanda de cada distrito.

RESPOSTA

A Seduc esclarece que assuntos relativos à questão salarial são encaminhados pela Secretaria de Estado de Administração (Sead). No entanto, a Secretaria de Educação diz que cumpre o pagamento em dia dos profissionais do setor educacional. O órgão também informou que se encontra com 146 obras em andamento; mais 35 escolas em manutenção corretiva; 18 processos em licitação e 19 em tramitação para futuras licitações de obras.

(Fonte:Diário do Pará)

Mais

Inauguração de prisões é momento histórico, diz governador

Inauguração de prisões é momento histórico, diz governador

Durante a inauguração da Unidade Semiaberto Masculino de Marabá (com 200 vagas) e da Cadeia Pública de Marabá (306 vagas…
Ray Athie toma posse como vereador na Câmara

Ray Athie toma posse como vereador na Câmara

Por volta de meio dia desta quarta-feira, dia 12 de maio, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Marabá deu…
Wajngarten fala sobre campanha contra covid e vacina da Pfizer

Wajngarten fala sobre campanha contra covid e vacina da Pfizer

O ex-secretário especial de Comunicação Social Fábio Wajngarten disse nesta quarta-feira (12) que tanto a pasta que comandou quanto o…
Helder Barbalho visita Marabá nesta quarta-feira (12)

Helder Barbalho visita Marabá nesta quarta-feira (12)

O governador do Estado do Pará, Helder Barbalho, participa de uma série de eventos nesta quarta-feira (12) no município. A…
Anvisa explica entraves na aprovação da vacina Sputink V

Anvisa explica entraves na aprovação da vacina Sputink V

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia nesta terça-feira (11), o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância…
Guedes diz que reforma administrativa será moderada

Guedes diz que reforma administrativa será moderada

O Ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou como bastante moderada a proposta do governo de reforma administrativa, em audiência pública,…