Correio de Carajás

Invasão e queimada no Distrito Industrial de Marabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A onda de invasões que se espalha pela área urbana chegou, também, ao Distrito Industrial de Marabá (DIM). Durante a inauguração da Correias Mercúrio, na quarta-feira, a Reportagem do Correio de Carajás identificou uma área do tamanho de três campos de futebol que foi desmatada e queimada recentemente.

O Distrito Industrial é administrado pelo governo do Estado, por meio da CODEC (Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará), que informou que a referida área já foi objeto de ação na Justiça e ocorreram duas desocupações, mas que infelizmente as pessoas insistem em voltar ao local.

Também é preocupante o fato de que com a ocupação, os invasores acabam destruindo a floresta, retiram madeira e depois colocam fogo para plantação.

Leia mais:

Atualmente, 20 empresas estão ativas e dezenas inativas instaladas em uma área de 2.8304.643 de hectares, entre as quais siderúrgicas que ocupam imensas áreas no Distrito Industrial, como a Cosipar, que não tem perspectiva de voltar a funcionar e não devolve a área para o governo do Estado repassar a outra empresa com interesse em instalar-se em Marabá.

A única área que não está no poder de empresas é esta que ficou refém dos invasores, que já foram retirados em ações de desocupações por duas vezes e mesmo assim retornam. (Ulisses Pompeu)

A onda de invasões que se espalha pela área urbana chegou, também, ao Distrito Industrial de Marabá (DIM). Durante a inauguração da Correias Mercúrio, na quarta-feira, a Reportagem do Correio de Carajás identificou uma área do tamanho de três campos de futebol que foi desmatada e queimada recentemente.

O Distrito Industrial é administrado pelo governo do Estado, por meio da CODEC (Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará), que informou que a referida área já foi objeto de ação na Justiça e ocorreram duas desocupações, mas que infelizmente as pessoas insistem em voltar ao local.

Também é preocupante o fato de que com a ocupação, os invasores acabam destruindo a floresta, retiram madeira e depois colocam fogo para plantação.

Atualmente, 20 empresas estão ativas e dezenas inativas instaladas em uma área de 2.8304.643 de hectares, entre as quais siderúrgicas que ocupam imensas áreas no Distrito Industrial, como a Cosipar, que não tem perspectiva de voltar a funcionar e não devolve a área para o governo do Estado repassar a outra empresa com interesse em instalar-se em Marabá.

A única área que não está no poder de empresas é esta que ficou refém dos invasores, que já foram retirados em ações de desocupações por duas vezes e mesmo assim retornam. (Ulisses Pompeu)

Comentários

Mais

Fiocruz: acordo vai combater transmissão congênita da doença de Chagas

Fiocruz: acordo vai combater transmissão congênita da doença de Chagas

Um convênio assinado hoje (14) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a agência internacional Central Internacional para a Compra de…
Abertura de empresas bate recorde em 2020, diz Serasa

Abertura de empresas bate recorde em 2020, diz Serasa

Em 2020, foram abertas 3,3 milhões de novas empresas, segundo levantamento da Serasa Experian. O número representa um crescimento de…
Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa

Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa

Mais da metade dos brasileiros entrevistados por uma pesquisa declararam que sua saúde emocional e mental piorou desde o início…
Como escolher um bom café? Mitos e curiosidades sobre a bebida queridinha dos brasileiros

Como escolher um bom café? Mitos e curiosidades sobre a bebida queridinha dos brasileiros

A segunda bebida mais consumida no mundo é também aquela que hoje serve como instrumento para aproximar ainda mais as…
Terminam hoje inscrições para o Sisu do primeiro semestre

Terminam hoje inscrições para o Sisu do primeiro semestre

Termina hoje (14), às 23h59, o prazo de inscrições para o processo seletivo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre…
Decisão judicial ratifica atuação da Arcon no combate ao transporte clandestino

Decisão judicial ratifica atuação da Arcon no combate ao transporte clandestino

Decisão favorável do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA), no final do mês passado, ratifica o poder de…