Correio de Carajás

Interesse por armas de fogo cresce em lojas mas preço assusta

Foto: Marina_Skoropadskaya / iStock
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Em lojas de São Paulo nas últimas semanas, houve um aumento de interesse por armas de fogos, mas não em vendas. 

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou na última terça-feira (15) o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. A flexibilização do porte de armas é uma das promessa de campanha do presidente eleito. Poucos dias antes de assumir, Bolsonaro usou as redes sociais para informar que usaria um decreto para modificar as regras.

A posse, de acordo com a lei, significa que o proprietário pode manter a arma apenas no interior da sua casa ou no seu local de trabalho, desde que seja o responsável legal pelo estabelecimento.

Leia mais:

O dono de uma loja no centro da cidade, Nilton Oliveira disse que “O cliente quer comprar já com as novas medidas”. Nilton, que não vendeu nenhuma arma no último mês, contou que seu estabelecimento atende dois perfis de clientes: esportistas do clube do tiro e interessa em defender a própria casa. “O primeiro que perguntam é qual é a documentação necessária. Chegam sabendo que não é tão fácil”, afirma o empresário que diz: “Só vendo sob demanda.”

Vera Ratti, dona de uma loja de armas há 30 anos, defendeu o decreto, mas que esperava a liberação do porte. “Precisamos que protejam nosso direito de ir e vir. É um direito que queremos, de tentar nos defender”, disse Vera que acredita que não haverá mudanças no mercado, pois não é tão simples adquiri-lo. Em sua loja, uma pistola custa em média R$ 7 mil. “Não é como geladeira, que você parcela”, ressalta. 

Wallacy Jacomine, que é dono de loja em Campos de Goytacazes, no Rio de Janeiro, prevê uma alta de 20% nas vendas de armas. “Não será maior porque não é barato. O perfil do interessado também não deve mudar. São empresários, comerciantes.”

INTERESSE

O PM aposentado, Joaquim Celestino, de 74 anos, disse ter percebido aumento de interesse em armas entre conhecidos e amigos que não são policiais. “Tenho um conhecido dono de padaria. Depois de ser assaltado muitas vezes, foi obrigado a comprar arma. Falei para ele instalar câmera e chamar a polícia em caso de assalto. Por que fazer besteira e matar, se a polícia dá jeito nisso?”

(Fonte:Terra)

Mais

Companhia de Trânsito de Tucuruí destrói mais de 100 kadrons

Companhia de Trânsito de Tucuruí destrói mais de 100 kadrons

Como parte da programação do Maio Amarelo, mês dedicado à segurança no trânsito, a Companhia de Trânsito e Transporte Urbano…
É falso tuíte afirmando que Pazuello viajou para os EUA com passaporte diplomático

É falso tuíte afirmando que Pazuello viajou para os EUA com passaporte diplomático

Falso É falso o tuíte que afirma que o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, tenha recebido um passaporte diplomático…
EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos

EUA autorizam vacina da Pfizer para faixa etária de 12 a 15 anos

A Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos autorizou a vacina contra covid-19 da Pfizer e da parceira…
Quase 9% das mulheres sofreram alguma violência sexual, diz IBGE

Quase 9% das mulheres sofreram alguma violência sexual, diz IBGE

Pelo menos 8,9% das mulheres brasileiras já sofreram algum tipo de violência sexual na vida, segundo dados da Pesquisa Nacional da Saúde…
Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

Pagamentos com cartões crescem 17% no primeiro trimestre

As transações por cartões (crédito e débito) registraram um aumento de 17,3% nos valores movimentados no primeiro trimestre deste ano…
Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Cadáveres não foram violados no Cemitério da Saudade, em Marabá

Circulou nas redes sociais na manhã desta terça-feira (11) a foto de um caixão aberto, que possivelmente seria no Cemitério…