Correio de Carajás

Índia começa a exportar vacinas nesta semana, mas não para o Brasil

Profissionais de saúde são vacinados na cidade de Mumbai, na Índia, em 19 de janeiro de 2021 — Foto: Francis Mascarenhas/Reuters
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A Índia vai começar a exportar vacinas contra Covid-19 para seis países, e nenhum deles é o Brasil. Em uma nota divulgada pelo governo, foi informado que serão vendidas doses para os seguintes compradores:

  • Butão
  • Ilhas Maldivas
  • Bangladesh
  • Nepal
  • Mianmar
  • Ilhas Seychelles

O Brasil não é citado no texto, apesar de o governo do presidente Jair Bolsonaro ter previsto a compra para o futuro próximo.

Na semana passada, após expectativa de que as vacinas fosse enviadas para o Brasil já no último fim de semana (o avião sairia de Campinas no dia 14, com previsão de um voo de 15 horas), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, afirmou que era muito cedo para dar respostas sobre exportações das vacinas produzidas no país, já que a campanha nacional de imunização ainda está só começando.

Leia mais:

Pouco depois, Bolsonaro afirmou, sem detalhar, que a viagem poderia ocorrer”daqui a dois, três dias”.

Nesta segunda (18), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que a diferença de fuso horário complica as negociações — e não definiu nenhum prazo.

“Todos os dias nós temos tido reuniões diplomáticas com a Índia. O fuso horário é muito complicado. Não há uma resposta positiva de saída até agora. Está sinalizado para os próximos dias desta semana o embarque da carga para cá”, disse o ministro.

A nota da Índia ainda cita três outros países, Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Maurício, para os quais ela deve exportar, mas ainda aguarda documentos.

O país vai fornecer vacinas a outros países nas próximas semanas e meses em etapas, segundo o texto.

O governo afirmou que será garantido que os fabricantes domésticos terão estoques adequados para o abastecimento interno ao fornecer para fora.

Vacinas indianas

No texto divulgado pelo governo não há referência a qual vacina será exportada.

Mais cedo, a agência Reuters havia publicado um texto, com base em informações de fontes que pediram para não serem identificadas, que dizia que o Butão e Bangladesh iriam receber vacinas fabricadas pelo Serum Institute of India (SII).

O SII manufatura as vacinas desenvolvidas pela AstraZeneca em conjunto com a Universidade de Oxford.

Segundo o texto da agência, o Butão vai receber as vacinas na quarta-feira, e Bangladesh, na quinta-feira. O número de doses destinado ao segundo país é de 2 milhões. Não há informações sobre a quantidade exportada ao Butão.

Vacina de manutenção mais fácil

A SII é o maior fabricante mundial de vacinas. A Índia recebeu pedidos de dezenas de nações para iniciar as exportações da vacina da empresa.

O governo, no entanto, queria lançar a campanha de vacinação em seu próprio antes de começar a vender para outros, disse uma das fontes.

No sábado, a Índia começou a sua campanha com a vacina Oxford e AstraZeneca e com uma outra, desenvolvida pela Bharat Biotech, para profissionais de saúde.

A vacina AstraZeneca pode ser armazenada em geladeiras e é vista como uma opção mais viável para muitas nações mais pobres do que as vacinas da Pfizer e Moderna, que exigem uma manutenção mais custosa.

A SII disse que espera uma autorização de uso de emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a vacina.

Quando isso acontecer, ela vai ter o caminho livre para fornecer doses a uma iniciativa que visa distribuir de forma justa as doses de Covid-19 em todo o mundo, a Covax. (Fonte:G1)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…