Correio de Carajás

Helder discute obras em rodovias federais do Pará

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Obras na área de transporte de responsabilidade do governo federal estiveram em pauta durante a audiência do governador Helder Barbalho com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, em Brasília. Os serviços no modal rodoviário são estratégicos para a economia e devem impulsionar o desenvolvimento do Estado. O secretário de Estado de Transportes, Pádua Andrade, participou do encontro, que também tratou da conclusão das etapas um e dois do Projeto Belém Porto Futuro.

Um dos pontos debatidos foi a pavimentação de 230 quilômetros da Rodovia BR-230, a Transamazônica, no trecho entre os municípios de Medicilândia e Rurópolis, no sudoeste do Estado. O ministro assegurou a continuidade da obra, que deve ser concluída até o ano que vem, melhorando o escoamento de produtos como cacau, banana e mandioca e beneficiando ainda a pecuária. Com a obra, será reduzida em 160 quilômetros a distância entre Santarém, no Baixo Amazonas, e outros municípios paraenses

Segundo Pádua Andrade, Tarcísio de Freitas também garantiu a cessão da Rodovia BR-222, em Marabá, no sudeste paraense, onde o governo vai investir R$ 37 milhões na duplicação da pista, no trecho do fim da ponte sobre o Rio Tocantins até a BR-153/ 230.

Leia mais:

INTEGRAÇÃO

Obras para a região Lago de Tucuruí também foram debatidas, para impulsionar as vocações econômicas locais, como a agropecuária, por exemplo. “Tivemos a oportunidade de discutir sobre as BRs 158 e 155, que precisam de reparos; a BR-422, de Novo Repartimento a Tucuruí; as obras de conclusão da BR-230 (Transamazônica), no trecho que passa por Uruará, Placas e Rurópolis e também um trecho entre Itaituba e Rurópolis. Obras estratégicas no campo rodoviário”, disse o governador.

O trecho da BR-316 entre os municípios de Castanhal e Santa Maria do Pará, no nordeste do Estado, é considerado um dos trechos mais perigosos do Brasil pelo alto trânsito de veículos pesados que se deslocam entre as regiões Norte e Nordeste. A duplicação é uma das soluções para diminuir o número de acidentes, desafogando o fluxo. O diálogo com o governo federal nesse sentido já vem ocorrendo desde o ano passado, quando Tarcísio de Freitas havia confirmado a liberação de recurso de R$ 69 milhões para a obra.

BELÉM

Outra definição que saiu do encontro de Helder Barbalho com o ministro da infraestrutura foi de que o Aeroporto Brigadeiro Protásio, em Belém (PA), deverá ser retirado dos estudos da 7ª rodada de concessões de aeroportos, que serão iniciados ainda este ano. A ideia é que a estrutura do aeroporto seja extinta e transferida para o aeroporto Val-de-Cans, que fica geograficamente ao lado do terminal de menor porte. Inicialmente, os dois terminais integravam o bloco do Pará e Amapá da 7ª rodada. Com a mudança, somente o aeroporto Val-de-Cans será concedido (terceirizado).

Para isso, a União, por meio da Infraero, e o estado do Pará decidiram firmar, ainda em setembro, um acordo de cooperação técnica no valor de R$ 15 milhões para a migração da estrutura do aeroporto Brigadeiro Protásio para o aeroporto Val-de-Cans. O governo do estado vai entrar com os recursos financeiros, enquanto a Infraero será responsável pela migração da estrutura de um aeroporto para o outro. Atualmente, todos os voos comerciais na capital paraense ocorrem no aeroporto Val-de-Cans. O outro terminal está restrito a hangares e afins. O governo local optou por revitalizar a área do aeroporto de menor porte para a população.

No âmbito da aviação regional, Freitas também anunciou a entrega das obras de revitalização do aeroporto de Oriximiná (PA) até o fim do ano. Em seguida, serão iniciadas as obras nos aeroportos de Breves (PA), Redenção (PA), Itaituba (PA) e Paragominas (PA).

No setor aquaviário, o principal tema abordado foram as obras do Pedral do Lourenço, que estão em fase de licenciamento. A expectativa é que as intervenções sejam iniciadas ainda no próximo ano. Outra agenda tratada foi o apoio do estado à política de redução do ICMS do Bunker, combustível utilizado na navegação. (Da Redação, com Ag. Pará)

Comentários

Mais

CPI da Covid-19 pode ter sua primeira reunião na próxima semana

CPI da Covid-19 pode ter sua primeira reunião na próxima semana

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 pode ser instalada já na próxima semana. O último obstáculo, a leitura…
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

O salário mínimo em 2022 será de R$ 1.147 e não terá aumento acima da inflação, anunciou o Ministério da…
Fachin pede para mudar para a Primeira Turma do STF

Fachin pede para mudar para a Primeira Turma do STF

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), formalizou hoje (15) o pedido para ser…
TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para 2022

TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para 2022

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza amanhã (16) uma audiência pública sobre a compra de até 176 mil urnas eletrônicas…
Em carta a Biden, Bolsonaro promete fim do desmatamento ilegal

Em carta a Biden, Bolsonaro promete fim do desmatamento ilegal

O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu a acabar com o desmatamento ilegal até 2030. Em carta enviada ontem (14) ao…
Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia

O governo federal publicou nesta quarta-feira (14) o Plano Amazônia 2021/2022, que estabelece diretrizes para ações de fiscalização e combate…