Correio de Carajás

Geoespeleologia: Unifesspa abriga primeiro museu

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
1 Visualizações

Por meio de uma parceria entre a Mineradora Vale e a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), Marabá conta, a partir deste ano, com o primeiro Museu de Espeleologia e Geologia do Sul e Sudeste do Estado do Pará. Na última quinta-feira (7), o novo espaço foi inaugurado, no Campus II da Unifesspa. O convênio de cooperação técnico-cientifica que possibilitou a obra está inserido no Projeto Cavidades (Procav), da Faculdade de Geologia da universidade.

Durante a cerimônia de inauguração do museu, o diretor do Corredor Norte da Vale, Antonio Padovezi, enalteceu a parceria da mineradora com a Unifesspa, antes mesmo de a instituição ter sido criada de direito, quando ainda era um Campus Avançado da UFPA. Segundo ele, o museu é um espaço que terá os testemunhos espeleológicos e geológicos da região de Carajás e que a população poderá visitar para conhecer um pouco mais sobre as riquezas da região

“Também vai ajudar os jovens a escolher por uma área de estudo da Geologia. Investimentos em conhecimento propiciam aos profissionais trilhar seu caminho, fazendo as melhores opções de carreira”, afirma.

Leia mais:

Por outro lado, o reitor da Unifesspa, Maurilio de Abreu Monteiro, destacou as possibilidades interdisciplinares que o museu oferece, ressaltando ainda a importância da parceria com a Vale.

Ele também fez questão de deixar claro que o museu fará integração entre ensino, pesquisa e extensão, que é o tripé da formação superior. “A ideia é que esse museu venha servir também alunos do Ensino Médio e do Fundamental, porque nossa tarefa é essa, aproximar as dinâmicas de pesquisa, às dinâmicas de extensão, ás dinâmicas de ensino, não só no nível da graduação, mas nos outros níveis de formação da sociedade”, explica.

Já o coordenador do Procav, professor Antônio Emídio de Araújo Santos Júnior, doutor em Sedimentalogia e Estratigrafia, explicou que na Amazônia já existem muitos grupos de pesquisas que fazem a caracterização dos espeleotemas.

“Mas, a etapa de aprofundar esse conhecimento e de integralizar os dados entre todas as áreas de pesquisas envolvidas (Sedimentologia, Estratigrafia, Geoquímica, Sensoriamento remoto e Hidrogeologia) para entender de forma completa como as cavernas se originaram em Carajás ainda é recente, daí a importância do museu”, explicou.

Primeiras amostras de material coletado reunidas já foram liberadas ao público

Vale dizer ainda que integra essa parceria a Fundação Casa da Cultura de Marabá (FCCM), que mantém há mais de duas décadas o Grupo Espeleológico de Marabá (GEM), cujo acervo tem sido importante para as pesquisas da Unifesspa.

Procav tem gerado grande contribuição na área

Implantando em 2011, o Projeto Cavidade objetiva contribuir para a geração de conhecimento cientifico e tecnológico e com a formação de profissionais especialistas na área de Geoespeleologia, ciência que estuda os atributos físicos das cavernas, como sua gênese, morfologia e depósitos secundários (espeleotemas, sedimentos), entre outros.

Nos sete anos do convênio, que teve investimento de mais de R$ 3,5 milhões, foram desenvolvidos 24 Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), 8 dissertações de Mestrados e uma tese de Doutorado em Espeleologia e áreas afins. As expedições em campo ocorreram mais amplamente na Serra Norte, na região do Complexo Minerador de Carajás e, em Serra Sul, região que abriga o Complexo S11D.

As amostras e os dados geospeleológicos, coletados das cavidades naturais da Província Mineral de Carajás passarão por catalogação, tombamento e identificação para também serem expostos assim que o museu estiver implantado.

As amostras foram analisadas nas faculdades de Geologia da Unifesspa, na Universidade Federal do Pará (UFPA), em Belém, na Universidade de Brasília (UNB) e na Universidade do Porto (UP-Portugal), resultando posteriormente em trabalhos acadêmicos, alguns já publicados e outros aguardando publicação, inclusive em revistas cientificas internacionais. (Com informações da Vale)

Parceria entre Vale e Unifesspa vem de longa data

A parceria da Vale com a Unifesspa vem de longa data, ainda na época da então, Universidade Federal do Pará. Nos anos 2000, um convênio com a mineradora resultou na implantação dos primeiros cursos de Geologia, Engenharia de Material e Engenharia de Minas de toda a região Norte.

Em 2002, a Vale investiu quase R$ 5 milhões na construção do Campus II da UFPA, atual Unifesspa, que foi todo equipado (com biblioteca, auditório, mobiliário, equipamentos modernos e laboratórios, como de controle ambiental, física experimental, hidroeletrometalurgia, solo e geotecnia, geoestatística e planejamento de lavra, entre outros).

As parcerias contribuíram para formar e qualificar novos profissionais com graduação superior na área de mineração, umas das principais atividades econômicas da região e do Pará. Em Marabá, a Vale opera a mina de cobre do Salobo, desde 2012. (Fonte: Vale)

Saiba mais

A Espeleologia é a ciência que estuda a formação e constituição das cavidades naturais subterrâneas. Na mineração, o espeleólogo é um profissional essencial, já que os dados coletados por ele, como o levantamento topográfico e a identificação de seres vivos nesses ambientes, são determinantes para a relevância da cavidade e, consequentemente, para a viabilidade ou não de um projeto de mineração.

(Chagas Filho)

 

Comentários
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Mais

Músicos fecham acesso à ponte rodoferroviária com barreira

Músicos fecham acesso à ponte rodoferroviária com barreira

Conforme prometido previamente, a categoria dos músicos da noite de Marabá, que estão sem poder trabalhar há várias semanas, em…
Pará se destaca na Amazônia em transparência de dados ambientais

Pará se destaca na Amazônia em transparência de dados ambientais

O relatório “Transparência das informações ambientais na Amazônia Legal: o acesso à informação e a disponibilização de dados públicos”, lançado…
MEC abrirá em maio inscrições para bolsas remanescentes

MEC abrirá em maio inscrições para bolsas remanescentes

O Ministério da Educação (MEC) vai abrir, nos dias 3 e 4 de maio, as inscrições para as bolsas remanescentes…
Casa da Cultura de Canaã celebra o Mês do Índio

Casa da Cultura de Canaã celebra o Mês do Índio

A cultura paraense é marcada por forte influência indígena. A contribuição do povo mais antigo no solo brasileiro pode ser…
Pandemia de covid-19 "está longe de terminar", diz chefe da OMS

Pandemia de covid-19 "está longe de terminar", diz chefe da OMS

Confusão e negligência no combate à Covid-19 fazem com que a pandemia esteja longe de terminar, mas a situação pode…
MST programa ações em torno dos 25 anos do Massacre de Eldorado

MST programa ações em torno dos 25 anos do Massacre de Eldorado

Entre os dias 10 e 21 de abril, o Movimento Sem Terra (MST) tem ações afirmativas programadas em torno da…