Correio de Carajás

Folha escondida

Inquilino do poder pode fazer o que bem entende? Não, é claro. O limite para conter estripulias é a lei. Mas, no Pará, “lei é potoca”, como dizia nos anos 50 o falecido general Magalhães Barata, que governou o Estado com mão de ferro. O tucano Simão Jatene não tem o estilo do velho Barata. Contudo, de vez em quando age como se estivesse com o rei na barriga. A última dele: negou ao Ministério Público acesso à folha de pagamentos do Estado. A informação é exclusiva desta coluna. Resultado, o caso foi parar no Tribunal de Justiça. Lá, Jatene ganha todas.

 Está blindado?

Será que Jatene vai ganhar mais essa, também, burlando a lei da transparência? O governador costuma pregar ética e moralidade quando fustigado por adversários políticos, como os Barbalho. E deita falação, atirando e ao mesmo tempo se defendendo. No caso da negativa em liberar a folha de pagamento para o MP, pergunta-se: o que há para ocultar? Tem algo que não possa ser investigado? Se tem, o que é e por quê o governador teme a investigação? Também é o momento de o TJ paraense demonstrar que Jatene não está blindado, como se diz por corredores oficiais e pelos bares das esquinas do Pará. A coluna está de olho.

Leia mais:

 Cheques do Adonei

 É difícil a vida do prefeito de Curionópolis, Adonei Aguiar, depois do afastamento dele do cargo por decisão judicial. A descoberta de montagem de licitações para enganar o procurador Nelson Medrado pegou muito mal e ajudou a pesar na decisão do desembargador Ronaldo Vale de busca e apreensão de documentos. Para completar o rolo, a apreensão de cheques-moradia, com nomes de dezenas de contemplados, ensejará a abertura de outra investigação. Os cheques, porém, serão devolvidos pelos promotores que investigam corrupção na prefeitura, porque não eram objeto da investigação. O que não impede, porém, a nova apuração. Medrado, por tabela, atirou no que viu e também acertou no que não viu.

 Boi na linha

Em recente reunião de procuradores da República em Belém, um deles perguntou como uma cidade que não tem indústrias e vive da economia informal pode ter tantos prédios de luxo, coberturas de R$ 10 milhões, com duas três garagens e carros com valores entre R$ 300 mil e R$ 500 mil. Depois de muitas risadas e citações de nomes, a conclusão não podia ser outra: fortunas oriundas da lavagem de dinheiro, tráfico e crime organizado. Falou-se até numa Lava-Jato paraense, para pegar “pirarucus” e “tubarões”. Foi aí que alguém lembrou que a Polícia Federal já tem algumas frentes de investigação. Pano rápido na conversa.

 Caciques e leigos

Os leigos, ou melhor, os que votarão e elegerão seus governantes nas eleições de 2018 nem imaginam que, pelo menos nos bastidores, a disputa partidária para indicar os candidatos já começou faz tempo. Há um clima de beligerância entre os que se dizem íntimos do poder, os que estão na ante-sala e os que já se consideram até escolhidos. Enquanto um fala mal do outro para queimá-lo junto ao cacique partidário que dará a última palavra sobre a indicação, institutos de pesquisas faturam seus trocados nas ruas com nomes em suas planilhas que não dão aos eleitores ao menos a chance de dizerem que não votarão em nenhuma das figuras citadas.

 

________________________BASTIDORES______________________

 

* Depois que chamou para seu gabinete investigações que envolvam governador, juízes e dirigentes de tribunais de contas, o procurador-geral de Justiça e chefe do Ministério Público do Pará, Gilberto Martins Valente, ainda não deslanchou nenhuma operação.

 

* Munição não falta a Valente, além de motivos para investigações, segundo se comenta pelos corredores do MPPA.

 

* Concursados de 2016 continuam chiando contra o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que até agora, de 95 habilitados a vagas, só chamou meia duzia.

 

* O comentário é de que a presidente do TCE, Lourdes Lima, sofre pressão cerrada de políticos que não querem perder seus afilhados colocados pela janela do Tribunal.

 

* Corretora Empirucus, que monitora o mercado de aplicações financeiras, disse com todas as letras e vírgulas que os famosos PGBL e VGBL do Bradesco não passam de roubo disfarçado para enganar poupadores.

 

* Aliás, não é à toa que ainda se sustenta a velha máxima de que dono de banco “não tem alma”. Faz sentido.

Inquilino do poder pode fazer o que bem entende? Não, é claro. O limite para conter estripulias é a lei. Mas, no Pará, “lei é potoca”, como dizia nos anos 50 o falecido general Magalhães Barata, que governou o Estado com mão de ferro. O tucano Simão Jatene não tem o estilo do velho Barata. Contudo, de vez em quando age como se estivesse com o rei na barriga. A última dele: negou ao Ministério Público acesso à folha de pagamentos do Estado. A informação é exclusiva desta coluna. Resultado, o caso foi parar no Tribunal de Justiça. Lá, Jatene ganha todas.

 Está blindado?

Será que Jatene vai ganhar mais essa, também, burlando a lei da transparência? O governador costuma pregar ética e moralidade quando fustigado por adversários políticos, como os Barbalho. E deita falação, atirando e ao mesmo tempo se defendendo. No caso da negativa em liberar a folha de pagamento para o MP, pergunta-se: o que há para ocultar? Tem algo que não possa ser investigado? Se tem, o que é e por quê o governador teme a investigação? Também é o momento de o TJ paraense demonstrar que Jatene não está blindado, como se diz por corredores oficiais e pelos bares das esquinas do Pará. A coluna está de olho.

 Cheques do Adonei

 É difícil a vida do prefeito de Curionópolis, Adonei Aguiar, depois do afastamento dele do cargo por decisão judicial. A descoberta de montagem de licitações para enganar o procurador Nelson Medrado pegou muito mal e ajudou a pesar na decisão do desembargador Ronaldo Vale de busca e apreensão de documentos. Para completar o rolo, a apreensão de cheques-moradia, com nomes de dezenas de contemplados, ensejará a abertura de outra investigação. Os cheques, porém, serão devolvidos pelos promotores que investigam corrupção na prefeitura, porque não eram objeto da investigação. O que não impede, porém, a nova apuração. Medrado, por tabela, atirou no que viu e também acertou no que não viu.

 Boi na linha

Em recente reunião de procuradores da República em Belém, um deles perguntou como uma cidade que não tem indústrias e vive da economia informal pode ter tantos prédios de luxo, coberturas de R$ 10 milhões, com duas três garagens e carros com valores entre R$ 300 mil e R$ 500 mil. Depois de muitas risadas e citações de nomes, a conclusão não podia ser outra: fortunas oriundas da lavagem de dinheiro, tráfico e crime organizado. Falou-se até numa Lava-Jato paraense, para pegar “pirarucus” e “tubarões”. Foi aí que alguém lembrou que a Polícia Federal já tem algumas frentes de investigação. Pano rápido na conversa.

 Caciques e leigos

Os leigos, ou melhor, os que votarão e elegerão seus governantes nas eleições de 2018 nem imaginam que, pelo menos nos bastidores, a disputa partidária para indicar os candidatos já começou faz tempo. Há um clima de beligerância entre os que se dizem íntimos do poder, os que estão na ante-sala e os que já se consideram até escolhidos. Enquanto um fala mal do outro para queimá-lo junto ao cacique partidário que dará a última palavra sobre a indicação, institutos de pesquisas faturam seus trocados nas ruas com nomes em suas planilhas que não dão aos eleitores ao menos a chance de dizerem que não votarão em nenhuma das figuras citadas.

 

________________________BASTIDORES______________________

 

* Depois que chamou para seu gabinete investigações que envolvam governador, juízes e dirigentes de tribunais de contas, o procurador-geral de Justiça e chefe do Ministério Público do Pará, Gilberto Martins Valente, ainda não deslanchou nenhuma operação.

 

* Munição não falta a Valente, além de motivos para investigações, segundo se comenta pelos corredores do MPPA.

 

* Concursados de 2016 continuam chiando contra o Tribunal de Contas do Estado (TCE) que até agora, de 95 habilitados a vagas, só chamou meia duzia.

 

* O comentário é de que a presidente do TCE, Lourdes Lima, sofre pressão cerrada de políticos que não querem perder seus afilhados colocados pela janela do Tribunal.

 

* Corretora Empirucus, que monitora o mercado de aplicações financeiras, disse com todas as letras e vírgulas que os famosos PGBL e VGBL do Bradesco não passam de roubo disfarçado para enganar poupadores.

 

* Aliás, não é à toa que ainda se sustenta a velha máxima de que dono de banco “não tem alma”. Faz sentido.

Comentários

Mais

Sobre a “fraqueza” e as dores

Sobre a “fraqueza” e as dores

Vivemos num tempo de eventos estranhos. Aprendemos que o fracasso é proibido. Só a vitória é permitida; perder é para…
Paciente Cirúrgico IV

Paciente Cirúrgico IV

Finalmente concluindo a coluna com o tema Paciente Cirúrgico. O exame completo do paciente cirúrgico inclui o exame físico, determinados…
Os EUA vão taxar os lucros bilionários das empresas em 15%. E se fosse no Brasil?

Os EUA vão taxar os lucros bilionários das empresas em 15%. E se fosse no Brasil?

No dia 7 de agosto (domingo), o senado estadunidense aprovou o maior pacote econômico, até agora, da administração Biden. O…
Do Melhoral infantil ao terror da Benzetacil

Do Melhoral infantil ao terror da Benzetacil

Quando o peito da menina piava, era certeza de crise asmática. Só faltava morrer sem fôlego. ”Forgo”. Encostava o umbigo…
Paciente Cirúrgico III

Paciente Cirúrgico III

Dando continuidade ao tema paciente cirúrgico, existe uma clara consciência mundial que o paciente desfavorecido por desnutrição responde de forma…
Três vicissitudes para entender Ademir Braz

Três vicissitudes para entender Ademir Braz

Ninguém veio para ser eterno, mas algumas pessoas poderiam ficar por mais tempo na vida. Pelo menos enquanto ainda tivessem…