Correio de Carajás

Fiocruz esclarece negociação de doses prontas da vacina de Oxford

Foto: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) esclareceu, por meio de nota publicada hoje (25), que negocia a importação de um novo lote de doses prontas da vacina AstraZeneca/Oxford, mas que ainda não foi acertado o número de doses. 

A importação de doses prontas é uma estratégia adicional da fundação para adiantar a vacinação, enquanto não recebe o ingrediente farmacêutico ativo (IFA) necessário para iniciar a produção das doses no Brasil. Na semana passada chegaram ao país 2 milhões de doses fabricadas no Instiuto Serum, na Índia, que também é parceiro da AstraZeneca. 

O acordo da Fiocruz com a empresa europeia e a Universidade de Oxford previa que o Instituto de Tecnologia em Imunobiolóigicos (Bio-Manguinhos) receberia em janeiro dois lotes do IFA, suficientes para a produção de 7,5 milhões de doses cada um, permitindo assim a produção das primeiras 15 milhões de doses em território nacional. 

Leia mais:

Segundo a Fiocruz, o primeiro lote do IFA está pronto para embarque na China, onde é produzido, e aguarda apenas a  emissão da licença de exportação e a conclusão dos procedimentos alfandegários. Apesar disso, a previsão, ainda sem confirmação, é que a carga pode ser enviada em 8 de fevereiro.

A fundação garante que a AstraZeneca “tem tomado todas as medidas possíveis para proceder com o embarque dos ingredientes no menor prazo possível e conta com o apoio do governo brasileiro, por meio do Ministério das Relações Exteriores e Ministério da Saúde, nas conversas com as autoridades competentes para proceder com o embarque do IFA”. 

A programação inicial previa que, a partir de janeiro, a Fiocruz receberia um lote de IFA a cada duas semanas, totalizando 14 lotes, que seriam suficientes para produzir 100,4 milhões de doses da vacina no primeiro semestre.

A partir do segundo semestre, o acordo de transferência de tecnologia prevê que Bio-Manguinhos nacionalize a produção dos ingredientes, tornando-se autossuficiente para a produção de mais 110 milhões de doses até o fim de 2021. (Agência Brasil)

Comentários

Mais

Unidades judiciais de Carajás e do Araguaia têm nova etapa de retorno gradual

Unidades judiciais de Carajás e do Araguaia têm nova etapa de retorno gradual

A presidência do Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) estabelece que as unidades administrativas e judiciárias integrantes da Regiões do…
Produção de abacaxi e mandioca se destaca na Região do PA Lajedo

Produção de abacaxi e mandioca se destaca na Região do PA Lajedo

Da casa do agricultor Jedeon Miranda de Andrade, 33 anos, à produção de abacaxi, percorremos quase dois quilômetros, passando primeiro…
Moradores próximos ao Ramal S11D protestam em ferrovia

Moradores próximos ao Ramal S11D protestam em ferrovia

Em manifestação pacífica ocorrida neste domingo (20), no quilômetro 18 da Estrada de Ferro Carajás, em trecho do Ramal S11D,…
Conta de luz deve continuar subindo e risco de racionamento é alto

Conta de luz deve continuar subindo e risco de racionamento é alto

O Brasil é um país com enormes possibilidades energéticas, mas ainda está refém das chuvas e das usinas termoelétricas, que…
Anitta entra para o conselho de administração do Nubank

Anitta entra para o conselho de administração do Nubank

A Anitta é a mais nova membro do conselho de administração do Nubank. A parceria entre a cantora e a fintech foi anunciada…
Desmatamento avança no Cerrado e faz crescer risco de apagão elétrico no Brasil

Desmatamento avança no Cerrado e faz crescer risco de apagão elétrico no Brasil

Com só 60 mil habitantes, o município goiano de Cristalina é um dos berços de um sistema que leva água…