Correio de Carajás

Festa Literária de Marabá põe lado a lado professora e aluno em roda de conversa

Festa Literária de Marabá põe lado a lado professora e aluno em roda de conversa
Nas extremidades, Eliane e Airton falam sobre suas experiências no processo de produzir poesia/ Fotos: Ulisses Pompeu
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um mineiro e uma paraense. Os dois são amigos, trocam figurinhas, gostam de Gabriel García Márquez (em particular de Cem anos de Solidão), mas a temática poética de cada um é particular. E Airton Souza e Eliane Soares estiveram juntos, mais uma vez, numa homenagem promovida pela coordenação da 1ª Festa Literária de Marabá na noite deste domingo, dia 22, no auditório do Centro de Convenções Carajás.

A votação foi pela Internet e os dois acabaram sendo eleitos para serem os homenageados no evento. Ela foi professora dele na graduação e no mestrado, na Unifesspa. E a plateia presente ao bate papo intermediado por José Rosa era composta, essencialmente, por pessoas do meio acadêmico, que absorveram os desabafos de Airton e a doçura do testemunho de Eliane, mais de sua relação pessoal com a literatura do que de sua atuação como professora da Unifesspa.

Os dois falaram sobre política, educação, suas referências literárias e buscaram incentivar os presentes a se dedicarem mais ainda ao momento prazeroso da leitura. “Eu leio sim, coisas descartáveis, como Marvel, mas têm livros que são para a vida toda”, destacou Eliane.

Leia mais:

Airton disse que não escreve preocupado com o público, mas consigo mesmo. Para isso, durante o processo criativo, relê uma poesia cerca de 50 vezes, “porque quero que ela cause impacto primeiro na minha vida”.

Por outro lado, Eliane revelou que a poesia lhe cai repentinamente e ela escreve e não mexe mais em nada. “É pá, bufo”, sintetizou ela, metaforicamente.

Airton Souza agradeceu pela chance de viver esse momento, que ele classificou como histórico para a cidade, ao ser homenageado numa Festa Literária marcante. “Bate um sentimento de gratidão. Primeiro pela confiança de terem colocado meu nome à disposição, das pessoas terem abraçado a ideia e reconhecido um trabalho que vem sendo feito há bastante tempo. É uma felicidade tão grande que eu não dou conta nem de descrever. Ser reconhecido na primeira Festa [Literária] e entrar pra história desse jeito não tem preço”, reconheceu.

O escritor já publicou 37 livros, muitos dos quais premiados em diversos concursos nacionais, e conta que já tem outros 10 que devem ser lançados em breve. “A grande maioria é de livros infanto-juvenis e que também já foram premiados, mas são inéditos. E na minha cabeça há outras coisas ainda. Então, é esperar que eu tenha a oportunidade de continuar produzindo, lendo, que é muito importante”, finalizou.

Eliane Soares, que além de escritora é professora doutora em Linguística na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), também agradeceu pela homenagem. “É de uma felicidade verdadeiramente muito grande porque fazer parte de um momento histórico em que se coloca a cultura, a arte, a literatura como foco, deixa a gente muito feliz de estar sendo citada nesse contexto. Então, pra mim, é uma honra muito grande e me sinto como representante de uma longa tradição da história de Marabá, de produtores culturais, de artistas e escritores. Eu me coloco como representante e a continuidade desses nossos antecessores”, ponderou.

Questionada pela Reportagem do Portal CORREIO de CARAJÁS se o fato de estar na docência em uma universidade de referência como a Unifesspa não aumenta ainda mais responsabilidade sua responsabilidade como poeta, ela disse que sim e disse esperar contribuir para que outros talentos apareçam, que outras pessoas e sonhem, escrevam  e publiquem, para trazer à luz os seus trabalhos. “Então, realmente se torna uma responsabilidade que vai muito além da sala de aula”.

Eliane disse que, apesar de escrever muitas coisas, sua produção ainda continua em grande parte no anonimato literário. “Olha, publicadas eu tenho quatro obras. Agora não publicadas muitas e na minha cabeça milhares”, finalizou, sorrindo, como faz a vida toda.

Ao final, os dois receberam um certificado de representantes das secretarias de Cultura de Marabá e do Estado.

Abaixo, leia um poema de Airton Souza e outro de Eliane Soares. (Ulisses Pompeu e Fabiane Barbosa)

CIVITAS

Lá do alto, a cidade

parece não sentir medo

parece não ter maldade:

De noite, vê-se carro e muita luz,

de  dia casa, nuvem e garoa

rio, mata e às vezes ponte

mas não se vê  gente, pessoa.

Tudo parece certo, lá do alto a cidade,

Não fosse chegando perto

cimento, asfalto e a humanidade.

Eliane Soares

AS MULHERES DO RIO

na rua dois meninos

com línguas de atravessar dilúvios

sulcam alguma calamidade do chão

[ como quem limpam ossos

sem pensar nas dores dos donos ]

na tentativa de desanoitecer a infância

mesmo que esses dois meninos

conduzissem um índico inteiro nos olhos

ainda seriam pequenos para compreenderem

os órfãos que sonham todas as noites

com um inventário dos pais

& os epílogos de chãos sem túmulos

só os órfãos sabem

que não basta internalizar razões ou rostos

lavrar a carne depois da igreja vazia

é preciso redesenhar as tragédias

do mar sem porto ou margens.

Airton Souza

Comentários

Mais

Veja o calendário do ciclo de pagamentos do Auxílio Brasil em dezembro

Veja o calendário do ciclo de pagamentos do Auxílio Brasil em dezembro

A Caixa, responsável pelo pagamento das parcelas do programa Auxílio Brasil, já disponibilizou o calendário de pagamentos para o mês…
Caso da Boate Kiss vai a júri oito anos após tragédia

Caso da Boate Kiss vai a júri oito anos após tragédia

Após oito anos e 11 meses, finalmente vai à júri, nesta quarta-feira (1º), o caso da Boate Kiss, tragédia que matou 242…
Médico espalha tese infundada de que vacinados são perigosos e devem ser isolados

Médico espalha tese infundada de que vacinados são perigosos e devem ser isolados

Falso Boato antivacina apela para declaração infundada de Christian Perronne, médico francês adepto de “teorias alternativas”, para espalhar desinformação. Ele…
Pará registra 609.392 casos e 16.912 mortes por Covid-19

Pará registra 609.392 casos e 16.912 mortes por Covid-19

O Pará contabilizou mais 696 casos de Covid-19 e 12 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
Dois casos da variante ômicron da Covid são detectados em SP

Dois casos da variante ômicron da Covid são detectados em SP

O Instituto Adolfo Lutz confirmou nesta terça-feira (30) dois resultados positivos para a variante ômicron (B.1.1.529) do coronavírus no Brasil. O sequenciamento…
Fiocruz entrega 2,8 milhões de doses de AstraZeneca

Fiocruz entrega 2,8 milhões de doses de AstraZeneca

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entrega hoje (30) um lote de 2,8 milhões de doses do imunizante contra a covid-19…