Correio de Carajás

Famílias venezuelanas continuam chegando a Marabá; Seaspac fica em impasse

Famílias venezuelanas continuam chegando a Marabá; Seaspac fica em impasse
Desde a última segunda-feira, 21, uma família de venezuelanos pede esmolas no semáforo próximo à Câmara Municipal de Marabá. (Foto: Evangelista Rocha)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Desde o ano de 2017, Marabá vem recebendo imigrantes venezuelanos que saíram do país vizinho – imerso em uma crise econômica e humanitária – para tentar a sorte no Brasil. Durante essa semana, mais uma vez o Correio de Carajás registrou a presença de famílias venezuelanas em semáforos da cidade pedindo esmolas, incluindo crianças.

No semáforo da Transamazônica (BR-230), próximo à Câmara Municipal de Marabá, no Núcleo Cidade Nova, havia uma família pedindo dinheiro com placas que traziam mensagens sensibilizadoras aos motoristas que trafegavam pela via. Porém, o mais preocupante era o fato de haver crianças submetidas à situação que, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), é proibida, pois expõe a criança a riscos e constrangimentos.

O Correio de Carajás conversou com a família que estava no local. O homem se identificava como Roberto Ratia e a esposa, Maria Helena. Ratia conta que são venezuelanos indígenas da etnia Warao – conhecidos como ‘povo da canoa’ – oriunda de regiões na fronteira do Brasil com o país. As crianças que estavam lá são filhos do casal.

Leia mais:
As crianças utilizam cartazes para sensibilizar os condutores que passam pelo local. (Foto: Evangelista Rocha)

A comunicação foi difícil, já que ambos utilizavam a língua nativa indígena, evitando o espanhol. Porém, apurou-se que eles vieram de Parauapebas, onde já possuem outra parte da família que está hospedada em um abrigo da Prefeitura.

Sem êxito em conseguir compreender mais da linguagem, a reportagem do Correio de Carajás procurou a Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac) para questionar a situação dos imigrantes venezuelanos.

Segundo a secretária, Nadjalucia Oliveira, essa é uma questão recorrente da qual a Prefeitura de Marabá já possui conhecimento. “Desde 2017, nós temos prestado serviços assistenciais às famílias e sempre os monitoramos. Oferecemos acolhimento em abrigos e disponibilizamos passagens para Altamira, Belém e Parauapebas, conforme foram sendo solicitadas de 2017 até 2019”, explica a secretária.

Porém, há um problema em particular que dificulta o trabalho da Secretaria. Nadjalucia explica que para se manter nos abrigos é necessário seguir algumas normas de convivência: “eles não querem seguir as normas, pois têm seus costumes e cultura”, resume.

Roberto Ratia conta que pede dinheiro para garantir alimentos e um lugar para a família dormir. (Foto: Evangelista Rocha)

Desta forma, as famílias retornam para as ruas e insistem em pedir esmolas nos semáforos junto com as crianças. Devido à legislação da ECA, a Secretaria deveria intervir na situação, porém Nadjalucia indaga, “até onde a legislação me permite intervir se eles são estrangeiros?”.

O impasse coloca uma discussão que pode envolver até o Governo Federal a respeito de Políticas Públicas para os venezuelanos indígenas que estão no Norte do Brasil. Enquanto isso não é providenciado para que os governos municipais tomem atitudes, registros de crianças sendo utilizadas para pedir esmolas continuarão sendo recorrentes na região. (Zeus Bandeira)

Comentários

Mais

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…
Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Antes de iniciar seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro convidou para o palco o vereador Fernando Henrique, de Marabá, e…
Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Festejado por apoiadores em Marabá, que estiveram aos milhares acompanhando seus passos desde o desembarque no aeroporto local, o presidente…
Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Neste sábado (19) todas as unidades de saúde das zonas urbana e rural de Parauapebas abrem das 9 às 17…