Correio de Carajás

Exército de Marabá vai atuar contra o desmatamento ilegal na Amazônia

Forças Armadas trabalham em ações repressivas contra o desmatamento ilegal - Foto: Evangelista Rocha

OPERAÇÃO SAMAÚMA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Desde o dia 28 de junho, as Forças Armadas estão trabalhando em ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais, em especial o desmatamento ilegal que ocorre em terras indígenas. A Operação Samaúma – nome em homenagem a maior árvore da Floresta Amazônica – terá atuação dos militares em seis municípios paraenses: Altamira, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, São Félix do Xingu e Trairão.

Com diversos órgãos federais, estaduais e municipais envolvidos na operação, as Forças Armadas prestarão apoio logístico, de transporte, segurança e comunicação para facilitar o trabalho das demais agências, como Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais), ICMBio (Instituto Chico Mendes) e as secretarias municipais de meio ambiente.

“Esse trabalho é fruto dos diversos sistemas de monitoramento de desmatamento. Existe o Conselho Nacional da Amazônia Legal que executa um trabalho permanente de desenvolvimento e proteção dessa área. Desta forma, foram identificados esses seis municípios, que são os que mais contribuem para o desmatamento ilegal”, explica o comandante da 23ª Brigada de Infantaria da Selva, general Giovani Moretto.

Leia mais:

Com duas vertentes, a Samaúma busca atender as solicitações das demais agências federais e realizar ações preventivas, com patrulhamentos terrestres e fluviais, buscando identificar o desmatamento ilegal. “Nós já temos pedidos da Funai, do ICMbio e do Ibama para montar bases de operações e a partir disso realizar ações nas proximidades”, explica o comandante.

A 23ª Brigada tem um total de 4.600 militares que estão disponíveis para a Operação Samaúma. À medida que houver solicitação dos órgãos ambientais, a quantidade do pessoal em terreno vai aumentando.

Inicialmente, a operação está prevista para terminar dia 31 de agosto de 2021. Contudo, é possível que haja uma prorrogação, dependendo de como as ações forem sendo desenvolvidas. “Se verificarmos a necessidade, pode ser que seja estendida”, finaliza. (Ana Mangas)

Comentários

Mais

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

Fragmento de arroz não é ‘resto’ e é vendido desde antes do governo Bolsonaro

INVESTIGADO POR:    VERIFICADO POR:     Enganoso Os fragmentos de arroz são um subproduto apto para o consumo humano.…
Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

INVESTIGADO POR:  VERIFICADO POR: Enganoso Título de artigo compartilhado em grupos bolsonaristas no Facebook omite que uma pesquisa eleitoral que…
É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

É falso que áudio mostre Luana Piovani defendendo Jair Bolsonaro

INVESTIGADO POR: VERIFICADO POR: São falsos posts virais no Facebook e no TikTok com áudio em que supostamente a atriz…
Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Estudo francês em hamsters não prova eficácia da ivermectina contra a covid-19 em humanos

Enganoso É enganosa a publicação no site Terça Livre que afirma que um estudo francês apontou a eficácia da ivermectina…
A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

A recusa de vacinação contra a covid-19 pode gerar demissão por justa causa

Esta semana um assunto polêmico ganhou o noticiário nacional: uma pessoa foi demitida por justa causa por se recusar a…
Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Em dois meses, CCZ realiza mais de 300 testes de detecção

Do final de maio até o mês de julho, 314 animais foram testados contra a leishmaniose. O médico veterinário Flávio…