Correio de Carajás

EXCLUSIVO: Vale recebe licença do Ibama para construir nova ponte sobre o Rio Tocantins

Nova ponte sobre o Rio Tocantins, em Marabá, será metálica e consumirá 25 mil toneladas de aço
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) emitiu nesta quinta-feira, dia 27 de agosto, a Licença de Implantação para a Vale construir uma segunda ponte sobre o Rio Tocantins, em Marabá. Com isso, a mineradora já está autorizada a iniciar as obras.

A Vale prevê investir no projeto algo em torno de R$ 1,8 bilhão. No ano passado, quando um grupo de engenheiros da Vale foi à Câmara Municipal apresentar o projeto, previa que as licenças do Ibama fossem liberadas em maio deste ano, mas houve atraso de praticamente três meses, o que é aceitável.

A Vale ainda não anunciou o início das obras, mas tudo leva a crer deve iniciar ainda este ano, com prazo de conclusão em 60 meses (cinco anos). Ou seja, a nova ponte poderá ficar pronta em 2025. Por outro lado, a Vale ainda tem outro gargalo a resolver no âmbito de duplicação da Estrada de Ferro Carajás, que é o trecho que compreende os km 694+400 e km 712+400 (Terra Indígena Mãe Maria), excluindo-se também a Ponte sobre o Rio Jacundá, até manifestação definitiva da FUNAI.

Leia mais:

Com 2.365 metros de extensão, a nova ponte será toda metálica, com a parte rodoviária separada da ferroviária. As faixas de veículos terão 3,60 metros de comprimento, acostamento de 2,50 metros, 60 centímetros de faixa de segurança, passeio de 1,5 metro e plataforma total de 17,80 metros de largura. As duas pontes (rodoviária e ferroviária) serão iluminadas, haverá sistema de monitoramento por câmera durante 24 horas e será construída uma barreira entre a rodoviária e ferroviária.

A nova ponte ficará localizada a 300 metros a montante (acima) da ponte atual, e 250 metros a jusante (abaixo) do linhão de energia.

Ponte atual foi inaugurada em 1985. Nesta imagem, o primeiro trem de minério a cruzar os 2.310 metros da obra

CAMINHÃO SÓ EM UMA PONTE

Uma das novidades anunciadas pelos engenheiros da Vale é de que os caminhões sejam impedidos de passar pela ponte atual, tendo acesso apenas pela nova. Com isso, carros e ônibus continuariam seguindo pela estrutura já existente, o que ajudaria a evitar os enormes engarrafamentos que ocorrem atualmente quando um caminhão quebra sobre a ponte. “Toda a ponte será como brinquedos Lego (premoldada) e haverá um grande canteiro de pré-moldado na região. Esse trabalho de engenharia retira os trabalhadores da área da ponte, evitando a construção de blocos de concretos, como ocorreu na estrutura existente”, explica.

A Vale garante que as duas partes da ponte (rodoviária e ferroviária) serão construídas ao mesmo tempo, conforme o compromisso com a comunidade marabaense, para evitar especulação de que a mineradora está preocupada apenas com a parte ferroviária.

Dentro do escopo do projeto, a construção para os acessos à nova ponte vai demandar uma logística que necessitará indenização de alguns imóveis, principalmente do lado do São Félix, mas ainda não detalhou quantos.

TRÁFEGO DE EMBARCAÇÕES

A Vale também demonstra preocupação com o tráfego de veículos no Rio Tocantins, tanto com a demanda atual quanto com a futura, quando barcaças começarem a subir e descer o rio com a viabilidade da Hidrovia do Tocantins. A mineradora contratou uma empresa para realizar estudo e descobrir por onde mais eles trafegam. Os chamados “Dolphins” serão construídos para garantir a segurança da ponte, principalmente contra colisão de embarcações com carga pesada.

A nova ponte deverá consumir cerca de 25 mil toneladas de aço, no total, sendo 6 mil apenas para construção da parte do concreto e 18 mil para as vigas. Dois canteiros serão erguidos, um de cada lado do rio, sendo que um vai atender as embarcações na obra. A estrutura metálica será montada no canteiro e empurrada para cima dos pilares.

SEGURANÇA

A Vale garante que os usuários da parte rodoviária, ferroviária e fluvial estarão seguros, com instalação de dispositivos de segurança disponíveis. Haverá velocidade limite, faixas de segurança amplas, new jerseys para proteger pedestres e para pessoas não caírem no rio.

ADVERTÊNCIAS DO IBAMA

Mas o Ibama, ao conceder a licença para construção da ponte, fez à Vale várias observações que deverão ser seguidas, a maioria no âmbito ambiental, alertando que qualquer alteração das especificações do projeto deverá ser precedida de anuência do Ibama.

A Vale deverá comunicar ao IBAMA sede e às superintendências do IBAMA nos estados do Maranhão e Pará o início e o final das obras.

A empresa deverá apresentar as licenças ambientais específicas a serem obtidas para os canteiros de obras, áreas de apoio administrativo e industrial, de fornecimento de material (jazidas e caixas de empréstimos), de bota-fora e descarte temporário de matéria que se encontrem fora da faixa de domínio.

Os materiais a serem adquiridos de fornecedores comerciais devem ser oriundos de jazidas licenciadas, cujas comprovações devem ser encaminhadas ao IBAMA.

O Ibama proibiu a instalação de áreas de apoio (jazidas; depósitos de material excedente – temporários e permanentes, incluso o alargamento de aterros; canteiros provisórios; entre outras) em APPs, áreas úmidas e demais áreas sensíveis. As travessias de corpos hídricos (rio) pelos caminhos de serviço já existentes deverão ser priorizadas, de forma a diminuir intervenções em APPs.

A Vale deve implantar as passagens de fauna subterrâneas e aéreas e demais dispositivos voltados à mitigação dos impactos sobre a fauna conforme proposta aprovada pelo IBAMA. (Ulisses Pompeu)

Comentários

Mais

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

Dr. Naves retorna a Marabá e é recebido com festa por familiares e amigos

José Divino Naves, mais conhecido como Dr. Naves, desembarcou às 16h30 deste sábado (18) em Marabá, após passar 5 meses…
Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Índice reúne dados sobre a inclusão de brasileiros com deficiência

Passados 11 anos desde a realização do último censo nacional, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural, uma associação sem…
Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

Anvisa aprova indicação de baricitinibe para covid-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta sexta-feira que aprovou a indicação do medicamento baricitinibe para…
Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

Pará registra 587.922 casos de Covid-19 e 16.578 mortes pela doença

O Pará contabilizou mais 51 casos de Covid-19 e 4 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“Forma Pará” recepciona calouros de Jacundá e Itupiranga

“O Forma Pará, antes de qualquer coisa, é um programa que cuida de pessoas. E vocês também serão profissionais que…
Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

Família de adolescente morto por “Trem da Alegria” não recebeu apoio financeiro da empresa

A família do adolescente Marcos Henrique dos Santos, de 14 anos, que foi morto na noite desta quinta-feira (16), no…