Correio de Carajás

EXCLUSIVO: Cabeleireiro de Marabá é acusado de assédio a clientes, inclusive menor de idade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A Polícia Civil registrou boletins de ocorrência de algumas mulheres que teriam sido vítimas de um cabeleireiro da cidade. A pedido do Ministério Público Estadual, o caso está sendo investigado pela Delegacia da Mulher de Marabá (DEAM).

O caso explodiu depois que uma adolescente de 16 anos de idade foi atendida pelo cabeleireiro Roni Batalha, em seu salão localizado na Avenida Pedro Marinho, Bairro Cidade Nova.

A Reportagem do CORREIO DE CARAJÁS começou a receber denúncias sobre o caso na manhã desta quinta-feira, 3 de junho.

Leia mais:

No Boletim de Ocorrência a que a Reportagem teve acesso, uma das vítimas, maior de idade, disse que procurou o salão de Rony Batalha para fazer luzes. Depois dessa etapa, ele escovou o cabelo. “Passei o dia lá. A esposa dele junto e outra funcionária também. Quando ele foi escovar o cabelo já era à noite e só estávamos nós dois. Enquanto escovava meu cabelo, esfregava o órgão sexual ereto nos meus braços. No momento fiquei constrangida, mas pensei que fosse por acidente, então tirei meus braços que estavam apoiados nos braços da cadeira e coloquei sobre as pernas. Fiquei muito constrangida, mas achei que era acidente. Agora, conversando com amigas que também já frequentaram o referido salão, elas relataram que ele já fez o mesmo com elas. Então, não é acidente se é mais de uma mulher”.

ATÉ COM MENOR?

Mas um dos casos mais emblemáticos e que revoltou a Promotoria da Infância e Juventude teria sido perpetrado por Rony Batalha contra uma menor, de 16 anos de idade. Quem faz o relato, bastante revoltada, é a mãe da adolescente, a quem preservamos o nome a pedido dela e, principalmente, por determinação do ECA (Estatuto da Criança e Adolescente), o qual diz que vítimas de algum tipo de crime não pode ter seu nome e nem de parentes expostos.

A mãe, de 37 anos, conversou com a Reportagem do Portal e explicou o que teria ocorrido no dia dos fatos. A produção do cabelo teria ocorrido às vésperas do aniversário da menor e de seu irmão, que ocorreria nos dias 6 e 7 de fevereiro.

Segundo a genitora, a filha havia marcado com o profissional para uma quinta-feira à tarde, no mês de fevereiro deste ano. O horário inicial teria sido às 16 horas, mas logo em seguida Rony Batalha teria ligado dizendo houve a desistência por parte de outra cliente e que a jovem poderia se antecipar. Ao chegar lá, só havia a menina e o cabeleireiro Rony.

O atendimento à menor teria ocorrido normalmente até a lavagem do cabelo da adolescente. “Ela levantou-se, ele colocou a toalha no cabelo da minha filha e começou a roçar os órgãos sexuais na bunda dela. Ela me contou isso aos prantos, muito nervosa. Ela ficou nervosa, abalada e triste. Surgiu, a partir daí, um trauma e eu fiquei indignada com a essa situação, porque aquele moço sempre demonstrou cuidado e preocupação com minha filha, que me disse: ‘mãe, eu só conseguia ficar quietinha, fechei o olho e comecei a me tremer, como se tivesse me engolindo por dentro.

Ainda segundo a mãe, o cabeleireiro sempre relatou que só gosta de atender uma cliente por vez e que não gosta de muito tumulto. “Isso me acendeu o sinal de alerta, porque geralmente os cabeleireiros atendem duas ou três pessoas paralelamente. Ele havia preparado o terreno, pedindo para ela ir mais cedo. Isso aconteceu com mais mulheres. Uma amiga minha me relatou que ele teria feito a mesma coisa com ela, de forma diferente, mas ocorreu”.

TRAUMAS POSTERIORES

A mãe relata que após a “encoxada” de Rony Batalha, a filha passou a ter medo de ir sozinha a lugares onde haja homens. “O comportamento da minha filha mudou depois que esse fato aconteceu. Ela está se auto protegendo, está mais dura, mais tensa, e isso me deixa muito triste. Eu quero justiça e é por isso que estou denunciando às autoridades e à Imprensa”, justifica.

Por conta disso, a mãe também avalia que o cabeleireiro fez um estrago na mente de sua filha, com sequelas físicas também. Isso não pode continuar acontecendo e ele não pode continuar cometendo esse crime contra outras mulheres”.

VERSÃO DO CABELEIREIRO

A Reportagem do CORREIO também ouviu o acusado, Rony Batalha, no final da manhã desta sexta-feira. Ele foi confrontado com o relato feito pelas mulheres na denúncia à Polícia Civil, e disse estar “perplexo com essa situação”. Garantiu que jamais atuou de forma a causar constrangimento a suas muitas clientes e que vai procurar um advogado antecipadamente para provar que nada do que foi narrado acima aconteceu. “Sou casado, trabalho com a minha esposa e tenho filhos. Esse relato que você me fez nunca aconteceu em meu salão”, garantiu. (Ana Mangas e Ulisses Pompeu)

Comentários

Mais

Moradores do Infraero temem despejo

Moradores do Infraero temem despejo

Na manhã desta quarta-feira (16), moradores do Bairro Infraero (Núcleo Cidade Nova, Marabá) fizeram imagens de viaturas da Polícia Federal…
Militares salvam bebê que estava engasgado

Militares salvam bebê que estava engasgado

Em Tucuruí, no Sudeste do Estado, uma bebê recém-nascida foi salva na manhã de ontem, 15, por militares do 13°…
Traficante é preso com cocaína entre as nádegas

Traficante é preso com cocaína entre as nádegas

João Paulo Gonçalves dos Santos foi preso por tráfico de drogas, na Estrada VS-10, em trecho atrás de um supermercado,…
Caçadores são presos com carne de veado e por porte ilegal de arma de fogo

Caçadores são presos com carne de veado e por porte ilegal de arma de fogo

Dois homens foram presos por porte ilegal de armas de fogo e munições e crime contra a fauna, em Conceição…
Somadas, penas de crimes associados a Lázaro Barbosa podem passar de 300 anos

Somadas, penas de crimes associados a Lázaro Barbosa podem passar de 300 anos

Desde antes da chacina contra a família Vidal, na madrugada de quarta-feira (9/6), Lázaro Barbosa de Sousa acumulava sete inquéritos…
PF cumpre mandados contra acusados de atacar indígenas

PF cumpre mandados contra acusados de atacar indígenas

Com o objetivo de instruir os inquéritos policiais instaurados para apurar as manifestações violentas e ataques contra os agentes de…