Correio de Carajás

Ex-vereador de Parauapebas é detido e liberado em seguida

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Em decorrência de uma decisão judicial de 2015, por improbidade administrativa, Josineto Feitosa de Oliveira foi detido, mas posteriormente liberado ontem, domingo (10), em Marabá. Ele é ex–vereador de Parauapebas e havia sido preso anteriormente no município, pelo processo em questão.

De acordo com o delegado Vinícius Cardoso das Neves, diretor da 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil, Josineto foi apresentado na delegacia porque constava contra ele um mandado de prisão preventiva em aberto.

“Ocorre que ele exibiu alvará de soltura posterior à decretação da prisão, então foi liberado. Foi conferido junto a um servidor do Fórum”, informou o delegado. Josineto passava pelo posto de fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Rodovia BR-155, quando foi abordado pelos agentes.

Leia mais:

“Foi realizada a abordagem padrão e ao consultarmos o nome nos sistemas percebemos que havia um mandado de prisão em aberto por improbidade administrativa”, informou o agente federal Paz.  O mandado de prisão preventiva foi expedido pelo juiz Líbio Moura, em 29 de junho de 2015.

A denúncia contra Josineto foi formulada pelo promotor Hélio Rubens Pinho Pereira, da 4ª Promotoria de Justiça de Parauapebas, que atua no combate à improbidade administrativa e aos crimes contra o patrimônio público. À época também foi solicitada a prisão do cunhado de Josineto, Herberth Herland Matias de Gomes.

De acordo com o Ministério Público, enquanto presidente da Casa de Leis, Josineto chefiava um grande esquema de corrupção que desviou vultuosa quantia de dinheiro. O esquema passava por direcionamento de processos licitatórios e a empresa que ganhava repassava notas fiscais superfaturadas para conferir aparência de legalidade para o gasto público. O recurso era desviado e posteriormente dividido entre os integrantes do esquema.

Herberth foi apontado como braço direito de Josineto. O ex-vereador já havia sido preso pelo Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (GAECO), ligado ao Ministério Público do Estado do Pará.  Pelo mesmo processo, foram presos em 2015 o ex-vereador Odilon Rocha de Sanção e o empresário Edimar Cavaltanti, conhecido como “Boi de Ouro”.

O Portal Correio de Carajás tentou conversar com o ex-vereador na Delegacia de Polícia Civil, mas não foi permitido o acesso a ele. (Luciana Marschall – com informações de Josseli Carvalho)

Comentários

Mais

CPI da Covid-19 pode ter sua primeira reunião na próxima semana

CPI da Covid-19 pode ter sua primeira reunião na próxima semana

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 pode ser instalada já na próxima semana. O último obstáculo, a leitura…
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.147 em 2022, sem aumento real

O salário mínimo em 2022 será de R$ 1.147 e não terá aumento acima da inflação, anunciou o Ministério da…
Fachin pede para mudar para a Primeira Turma do STF

Fachin pede para mudar para a Primeira Turma do STF

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), formalizou hoje (15) o pedido para ser…
TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para 2022

TSE prevê compra de 176 mil urnas eletrônicas para 2022

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realiza amanhã (16) uma audiência pública sobre a compra de até 176 mil urnas eletrônicas…
Em carta a Biden, Bolsonaro promete fim do desmatamento ilegal

Em carta a Biden, Bolsonaro promete fim do desmatamento ilegal

O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu a acabar com o desmatamento ilegal até 2030. Em carta enviada ontem (14) ao…
Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia

Plano do governo apresenta metas para reduzir desmatamento na Amazônia

O governo federal publicou nesta quarta-feira (14) o Plano Amazônia 2021/2022, que estabelece diretrizes para ações de fiscalização e combate…