Correio de Carajás

Estudo mostra que vacina contra a Covid pode ter poupado 16 mil idosos

A atriz Holdira de Oliveira Martins, a Piucha, já tomou as duas doses da vacina Foto: Ana Branco

PANDEMIA

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Para um cultuador das liberdades, como se autointitula o contrarregra J Maia, de 79 anos, tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19 nutre a expectativa de que o mundo deixe para trás os aprisionamentos da pandemia. Residente do Retiro dos Artistas, ele reconhece na imunização uma saída, mas sabe que ainda não são tempos de “sair cantando glórias e aleluias”. É hora, diz ele, de cautela com uma dose de esperança. Mistura que também se reflete em números, como a projeção de que, só até o fim de março, 16 mil vidas possam ter sido salvas no país devido à vacina, possivelmente combinada com outros fatores, segundo análises do Impulso Gov — organização que reúne especialistas na coleta e na análise de dados de saúde.

No país com mais de 400 mil mortos pela Covid-19, o detalhamento do que ocorre em municípios como Rio e São Paulo também revela outros indícios de que uma virada é possível. Em dados atualizados até a manhã de ontem, em ambas as cidades a proporção de idosos com mais de 70 anos sobre o total de óbitos caiu mais de 10 pontos percentuais em março e abril em relação à média do restante da pandemia.

— Já superamos a varíola, hoje há remédios para controlar a Aids. Tenho absoluta certeza de que este momento vai passar. Sou um humilde romântico, que a vida inteira sonhou que tudo seria maravilhoso, e que agora espera que todas as gerações, não só a minha, voltem a ser felizes. É um problema da ciência e das pessoas, que devem continuar se cuidando, como eu tenho feito aqui — diz J Maia, que tem como uma das companhias uma calopsita criada solta.

Leia mais:

Não é só a vacina

No caso do alento captado pelo Impulso Gov, os dados vieram a partir dos óbitos por Covid-19 contabilizados pelo Registro Civil. Ao longo da pandemia, afirma a análise, a parcela dessas mortes correspondente às pessoas com mais de 80 anos permaneceu praticamente constante de abril de 2020 até o final de janeiro passado: em média, 28,3% no país. À medida que a vacinação desse grupo prioritário avançou, houve uma redução nesse percentual. Entre fevereiro e 31 de março deste ano, a queda foi para 15,1%, ou 13,2 pontos percentuais a menos. Supondo que a proporção de idosos maiores de 80 anos vítimas da Covid permanecesse a mesma de antes, os especialistas calculam as quase 16 mil vidas que teriam sido poupadas.

Repetindo uma ponderação que também é ressaltada por pesquisadores de outras instituições, o Impulso Gov diz que não é possível afirmar que o impacto seja integralmente devido à vacinação. Maior isolamento social dos idosos, melhor manejo da doença em pacientes dessa faixa etária e a possibilidade de que os senhores e senhoras que não adoeceram anteriormente sejam mais saudáveis são algumas das outras hipóteses levantadas para explicar a mudança.

Por outro lado, afirma Marco Brancher, coordenador de análise de dados do Impulso, existe uma preocupação crescente quanto a uma desaceleração da oferta de doses das vacinas contra o coronavírus. Ele destaca que, inicialmente, previa-se que em abril já tivesse sido vacinada toda a população acima de 60 anos, o que acabou se frustrando. Outro estudo do Impulso, sobre o andamento da vacinação, aponta que esse cenário agora se dê em maio. Já no que se refere ao distanciamento social, mais um pilar para conter a pandemia, ele lembra que o panorama tampouco é o adequado, com medidas descoordenadas e pulverizadas pelo país.

— A população acaba ficando com a impressão de que ela só paga a conta, perde o emprego e não tem os auxílios do governo federal, seja auxílio emergencial para a população ou para as empresas. E não vê resultado. Se olha sem atenção os dados, a impressão que dá é que o lockdown não funciona — diz Brancher.

No Retiro dos Artistas, mesmo com todos os residentes e funcionários vacinados com as duas doses, a direção optou por apertar as regras de distanciamento social nas últimas semanas. Administradora do local, Cida Cabral acredita que essas medidas garantiram que a instituição centenária atravessasse 2020 sem um único caso de Covid. Após a vacinação, houve um afrouxamento, como a permissão de que os residentes pudessem sair à rua e a reabertura do refeitório. Mas a confirmação de três casos recentes acendeu o alerta, fazendo com que se voltasse atrás.

A sensação de um certo alívio e a melhora das perspectivas para o futuro, isso sim, já retornou à rotina. O goleiro Manga, que brilhou no glorioso Botafogo dos anos 1960, por exemplo, tem saído para caminhadas com a esposa Cecília, dentro do próprio Retiro, com muita confiança de que ficará tudo bem. Já o iluminador e cromoterapeuta Kari Lage, de 65 anos, segue firme em seu projeto de transformar a biblioteca que ele cuida numa referência no Rio, e com planos renovados de que um dia a comunidade fora do Retiro também possa visitá-la. Enquanto o ator e coreógrafo André Luiz, de 70 anos, cuida dos jardins do espaço, à espera de logo matar algumas saudades:

— Não me acostumo nunca de não ver minha família. E quero tomar um banho de mar! Emocionalmente, eu me sinto mais protegido agora, com a vacina. Mas, na prática, mantenho todos os cuidados. Só saio de casa com álcool em gel e usando duas máscaras.

A volta das caminhadas

Fora do Retiro, em Barra do Piraí, a vontade de reunir os filhos é o que aperta para João Getúlio Amâncio, de 70 anos. Ele e a mulher Vera Lúcia, com quem está casado há 47 anos, tomaram a segunda dose da vacina no mesmo dia, juntos, em 23 de abril. Getúlio não vê a hora, agora, de o período para a imunização se cumprir para animar a companheira de uma vida a sair de uma reclusão que já dura mais de ano:

— Quero incentivá-la a fazer caminhadas comigo. Na primeira dose, o semblante dela já tinha mudado. Só não vamos arredar pé dos cuidados.

No estado do Rio, essa esperança também começa a aparecer nos números. Em março e abril deste ano, segundo dados da Secretaria estadual de Saúde até ontem, a proporção de idosos com mais de 70 anos entre os óbitos por Covid-19 caiu a 45,55% do total, contra os 53,35% em média que se registrava anteriormente na pandemia. As internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) seguem um padrão parecido. Nos dois últimos meses, essa faixa etária respondeu por 27,3% das hospitalizações, abaixo dos 34,65% que se registravam antes na pandemia, segundo números até 27 de abril.

Com relação aos óbitos, na cidade do Rio, a parcela dos maiores de 70 anos entre as vítimas caiu de 56,43% em média até fevereiro para 44,86% em março e abril. No município de São Paulo, a variação foi um pouco maior: queda de 56,44% para 41,98%. Matemático da Unicamp, o professor Paulo José da Silva e Silva, ao analisar esses dados contidos no sistema de informação da prefeitura paulistana sobre saúde, calculou a média móvel de mortes, por data de óbito, para as diferentes faixas etárias, onde a queda, segundo ele, foi ainda mais clara.

— Em meados de março, quando o número de casos explodia, houve um crescimento forte nas mortes. Quem sofreu mais foram os mais velhos. Depois, a mortalidade deles cai rapidamente, e somente os mais velhos têm números que mostram a queda, indicando que a mortalidade deles está reduzindo de forma mais consistente do que outras faixas etárias — afirma ele, apontando as maiores quedas entre os que têm mais de 75 anos. (Fonte:Extra)

Mais

Pará recebe mais uma remessa de doses de vacinas contra Covid-19

Pará recebe mais uma remessa de doses de vacinas contra Covid-19

O Pará recebeu, na tarde desta quinta-feira (6), a décima oitava remessa de vacinas contra a Covid-19. Foram enviadas pelo…
Marabá sedia encontro de promoção da igualdade racial

Marabá sedia encontro de promoção da igualdade racial

O município de Marabá sediou na tarde desta quarta-feira, 5, um encontro entre a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção…
OMC faz apelo por negociações sobre patentes de vacinas da covid-19

OMC faz apelo por negociações sobre patentes de vacinas da covid-19

A chefe da Organização Mundial do Comércio (OMC), Ngozi Okonjo-Iweala, elogiou hoje (6) o posicionamento dos Estados Unidos a favor…
Ministério da Saúde libera 284 leitos de suporte ventilatório pulmonar

Ministério da Saúde libera 284 leitos de suporte ventilatório pulmonar

O Ministério da Saúde autorizou hoje (6) mais 284 leitos com suporte ventilatório pulmonar para tratamento de pacientes com quadro…
Colonos bloqueiam garagem da Secretaria de Obras de Parauapebas

Colonos bloqueiam garagem da Secretaria de Obras de Parauapebas

Uma manifestação promovida por colonos da Serra do Cedro, vilarejo localizado a 30 quilômetros de Parauapebas, bloqueou a garagem da…
Pará registra 480.129 casos de Covid-19 e 13.391 mortes

Pará registra 480.129 casos de Covid-19 e 13.391 mortes

O Pará registrou nesta quarta-feira (5) um total de 480.129 casos de Covid-19 e 13.391 mortes. De acordo com o…