Correio de Carajás

Estado trabalha na garantia da segurança e dos direitos para LGBTI´s

Foto: Maycon Nunes/ Ag. Pará
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Dia 17 de maio é celebrado o Dia Internacional Contra a LGBTIfobia, momento representativo para a garantia da segurança e dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e intersexuais. O governo do Estado entende a importância da data e vem trabalhando para a construção de um Pará livre de preconceitos, garantindo políticas públicas, direitos sociais, segurança, cidadania e liberdade para se viver.

Entre as ações e serviços estão o Comitê Gestor do Plano Estadual de Segurança Pública de Combate à Homofobia; o Registro de Identidade Social – RIS, que garante àqueles que desejarem a carteira com o nome social; a utilização desse nome social em escolas públicas estaduais, universidades estaduais e na Administração Direta e Indireta do Poder Público Estadual; além do Conselho Estadual de Diversidade Sexual do Pará – CEDS/PA e da Delegacia de Combate aos Crimes Discriminatórios e Homofóbicos – DCCDH/DIOE.

Para o titular da Gerência de Livre Orientação Sexual, Rafael Ventimiglia, da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), o dia 17 de maio tem uma grande representatividade e deve ser sempre lembrado. “A partir dessas datas, é possível dar visibilidade para uma população vulnerável, além de debater temáticas que antes eram tabus. É o momento de debater o enfrentamento da violência e discutir outros temas”, afirmou.

Leia mais:

O gerente explica que as pautas estão sendo construídas e debatidas pelo Estado não apenas no dia comemorativo, mas constantemente. “São feitas em conjunto com a sociedade civil, organizadas em espaços criados para esse fim como, por exemplo, o Comitê Gestor do Plano Estadual de Segurança Pública e Combate a LGBTIfobia e também o Conselho Estadual da Diversidade Sexual. Nesse sentido, o governo procura ouvir as demandas e construir um planejamento com ações que estejam de acordo com o que foi apresentado, como forma de afirmar que o Estado reconhece o controle social nas políticas públicas”, disse Ventimiglia.

Saúde – Outro espaço que vem cumprindo um papel social junto à comunidade LGBTI no Pará é o Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais, que funciona na Unidade de Referência Estadual em Doenças Infecciosas e Parasitárias (Ure-Dipe). Existente desde 2015, o local já recebeu, desde sua criação, 363 transexuais e travestis que são matriculadas, acolhidas e, a partir disto, passam por uma rotina de atendimento no local, em um período de dois anos.

O ambulatório conta com uma equipe multiprofissional, formada por endocrinologistas, psicólogos, nutricionistas, fonoaudiólogos, enfermeiros, entre outros serviços, que realizam um acompanhamento psicológico e clínico dessas pessoas.

A coordenadora do ambulatório, Francisca Vidigal, explica a importância do trabalho na vida das transexuais e travestis atendidas. “Em geral, são pessoas que chegam sofridas, por tudo o que passam lá fora com o preconceito. Aqui há fortalecimento, não só pelo serviço de atendimento, que já tem essa característica, mas pelo fato de conhecerem outras pessoas que passaram por situações semelhantes. É um importante passo para que consigam viver de cabeça erguida”, contou.

Para a transexual Raniely Gomes, 63 que vive a experiência do serviço ambulatorial e psicológico desde o ano passado, locais como este são uma vitória para pessoas que ainda sofrem com preconceitos. “É uma evolução muito grande. Graças ao nosso movimento LGBT e nossas manifestações, estamos ganhando força para lutarmos pelos nossos direitos. Ainda existe o preconceito, mas é algo que vem melhorando com o tempo”, disse.

Raniely acredita que o preconceito em todas as formas é algo que deve ser combatido, inclusive judicialmente. “Quando vejo algo desrespeitoso contra mim, procuro a justiça e me respaldo, usando os meus direitos, como já fiz duas vezes em casos de discriminação, onde fui chamada das piores coisas possíveis. O preconceito não passa de uma hipocrisia, uma ignorância. Muitas vezes, não entendem que nós nascemos em um corpo errado, ninguém pediu para ser assim. Para mim, não importa o que os outros pensam e sim a minha felicidade”, contou emocionada.

Preconceito – Uma das formas de combate à LGBTIfobia é a denuncia dos crimes, como injuria e lesão corporal motivadas pela discriminação. No Pará, essa luta é da Delegacia de Combate a Crimes Discriminatórios e Homofóbicos, que auxilia na denuncia e no acompanhamento das vítimas.

“Todos os servidores da delegacia passaram por treinamento e capacitação, para que tenham uma visão de um tratamento humanizado, que é uma necessidade que essas pessoas têm. Muitos que sofrem com essas discriminações não querem denunciar, por acharem que não vai dar em nada, mas não é verdade. A gente faz esse acolhimento para que confiem no nosso trabalho e, por conta disso, estamos participando de várias ações nesse sentido, como eventos com a comunidade LGBTI, para que não se tenha o receio em denunciar”, enfatizou a delegada Hildenê Moraes. (Fonte: Agência Pará)

Mais

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Em visita a Marabá nesta quarta-feira (12) o governador Helder Barbalho rodou a cidade fazendo inaugurações, assinando ordens de serviço,…
Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Um cruzamento entre a Avenida VS-10 e a Rua Florita, na altura do Bairro Morada Nova, em Parauapebas, tem causado…
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante a pandemia do novo coronavírus.…
Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará,…
Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

A Defensoria Pública do Pará (DPE) emitiu uma recomendação ao Governo do Estado para que as pessoas privadas de liberdade…
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS)…