Correio de Carajás

Entenda a relação entre China e Taiwan e a crise com os EUA

A presidente da Câmara dos Deputados americana chegou nesta terça-feira ao território. A China considera que Taiwan é parte de seu país. Os EUA têm uma política de ambiguidade estratégica —não reconhecem oficialmente a existência de Taiwan como um Estado, mas têm relações com a ilha.

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, desembarcou nesta terça (2) em Taiwan — Foto: Taiwan Ministry of Foreign Affairs via AP

A viagem de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, a Taiwan nesta terça-feira (2) gerou um aumento nas tensões entre os EUA e a China.

Antes da viagem, o governo chinês disse que considera essa visita uma provocação e prometeu represálias aos EUA.

Também nesta terça-feira, aviões de guerra chineses sobrevoaram a linha que divide o Estreito de Taiwan —ou seja, entraram no espaço aéreo da ilha.

Leia mais:

China não reconhece a existência do Estado de Taiwan

 

A China passou pela Revolução Comunista em 1949. As forças capitalistas, derrotadas, recuaram para a ilha de Taiwan.

A China considera a ilha, que tem uma população de 24 milhões de habitantes, uma de suas províncias históricas, mas não controla o território.

Um dia antes de iniciar a guerra na Ucrânia, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que “Taiwan não é a Ucrânia e sempre foi uma parte inalienável da China.

Manifestação de taiwaneses defendendo sua independência — Foto: Ann Wang/REUTERS
Manifestação de taiwaneses defendendo sua independência — Foto: Ann Wang/REUTERS

O governo chinês se opõe a qualquer contato entre os representantes de Taiwan e os de outros países. O governo da China aumentou a pressão militar e diplomática contra a ilha desde a eleição, em 2016, da presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, que é uma política a favor da independência de Taiwan.

Onde fica Taiwan?

Taiwan é um estado insular localizado próximo a costa leste da China. A ilha Formosa é a principal camada de terra do Estado.

O país tem um sistema eleitoral próprio com foco na democracia e em um poder dividido entre os representantes do Estado (presidente e Assembleia Nacional).

Taiwan é considerado um dos quatro tigres asiáticos.

Relação com os Estados Unidos

 

Os EUA têm uma política de ambiguidade estratégica para lidar com a situação. Há razões históricas para isso.

Após a revolução chinesa, no fim da década de 1940 os EUA reconheceram Taiwan como o governo chinês legítimo. Isso seguiu assim até o governo de Richard Nixon.

Imagem de exercício militar de Taiwan com armas compradas dos EUA — Foto: Sam Yeh / AFP
Imagem de exercício militar de Taiwan com armas compradas dos EUA — Foto: Sam Yeh / AFP

Em 1972, Nixon reatou as relações entre os EUA e os chineses. Oficialmente, os americanos passaram a reconhecer a soberania do governo da China no território (não há embaixada dos EUA em Taiwan, por exemplo), mas ao mesmo tempo mantêm relações com o governo de Taiwan —por exemplo, os americanos vendem armas para a ilha.

O governo dos EUA apoia amplamente a ilha e muitas vezes elogia seu status democrático.

Atualmente, Taiwan conta com amplo apoio do Congresso dos EUA, tanto que as ameaças de Pequim apenas levaram a pedidos para que Pelosi continuasse sua jornada.

Pelosi é a segunda pessoa na linha de sucessão de Joe Biden. Se ela visitar a ilha, será a figura mais importante da politica dos EUA no território desde 1997, quando Newt Gingrich visitou a região.

O que diz a China

 

Na segunda-feira, a China disse que está pronta para responder à visita da dignitária americana e nesta quarta-feira (27) repetiu que se opõe à viagem.

O porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian, foi questionado durante uma entrevista coletiva sobre como a China iria reagir a um aumento da atividade militar dos EUA no caso de uma ida de Pelosi a Taiwan.

“Se os EUA persistirem em desafiar a linha vermelha da China” com esta visita a Taiwan, “enfrentarão fortes medidas em resposta e devem assumir todas as consequências”, disse Lijian.

Nesta terça-feira, após Pelosi desembarcar, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse que a vista é “uma violação severa do princípio de Uma Só China, infringe severamente a soberania e a integridade territorial da China, prejudica severamente a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan, e emite um sinal severamente errado às forças separatistas a favor da ‘independência de Taiwan'”.

A pasta afirmou ainda que a visita terá um “impacto severo” na base política das relações China-EUA.

O que diz Biden

 

O próprio Biden afirmou no mês passado que os militares dos EUA consideram que o deslocamento da presidente da Câmara dos Representantes “não foi uma boa ideia”.

China se prepara para aumentar mandato de Xi Jinping

 

Xi Jinping, o presidente da China, se prepara para consolidar sua liderança em uma reunião do Partido Comunista prevista para o final do ano.

Os pontos de tensão entre Pequim e Washington se multiplicaram nos últimos anos: o Mar da China Meridional, influência crescente da China na região de Ásia-Pacífico, guerra na Ucrânia e também Taiwan.

(Fonte:G1)

Comentários