Correio de Carajás

Embate entre professor e mineradora tem mais um capítulo

Embate entre professor e mineradora tem mais um capítulo
Professor Evandro Medeiros se tornou réu em ação na 1ª Vara Criminal de Marabá/Fotos: Evangelista Rocha

MARABÁ

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Agora está nas mãos da Justiça. Depois de duas horas de depoimentos de testemunhas e também de debates entre defesa e acusação, terminou a audiência de julgamento do processo movido pelo Ministério Público contra o professor Evandro Medeiros, em razão de denúncia feita pela Mineradora Vale contra o educador, em Marabá.

Evandro é acusado de liderar protesto realizado em 20 de novembro de 2015 nas imediações da Estrada de Ferro Carajás (EFC), em Marabá, que teria colocado em risco a segurança ferroviária, crime previsto no Código Penal Brasileiro (CPB). A sentença do Poder Judiciário deve sair dentro de dois meses.

Enquanto, na sala de audiência, o professor e seus advogados argumentavam diante do Ministério Público na presença do representante do Poder Judiciário, do lado de fora do Fórum de Justiça um grupo de manifestantes com faixas, cartazes e carros de som se solidarizava com o professor. O protesto foi articulado por mais de 10 entidades ligadas aos direitos humanos e na luta contra o modelo de mineração vigente no País.

Leia mais:
Ativistas e professores filiados ao SindUnifesspa encabeçaram protesto

Professores filiados ao Sindicato dos Docentes da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (SindUnifesspa) encabeçaram o protesto pacífico de apoio a Evandro, que é servidor da universidade há duas décadas.

Na audiência, estudantes da universidade foram testemunhas de defesa. Já o Ministério Público arrolou dois funcionários e seguranças da mineradora. Durante a sessão, a juíza Renata Guerreiro Milhomem de Souza fez questão de assegurar que da parte dela não há perseguição política contra Evandro e que ela prima pelo exercício jurídico ético e dentro das postulações constitucionais.

Ao final, foi concedido ao professor o direito de fazer um relato de sua trajetória como professor pesquisador e produtor de documentários sobre questões que envolvem os impactos socioambientais causados pelas atividades da mineração sobre comunidades camponesas, indígenas e a sociedade local.

Ao final dos depoimentos e debates, foi dado um prazo de 15 dias para acusação e defesa analisarem tudo e protocolarem seus recursos. Depois disso, a juíza manifestará sua sentença. “Aguardemos os próximos momentos dessa batalha”, disse o professor. (Chagas Filho)

Comentários

Mais

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

Venezuelanos acampados em praça recebem ‘ultimato’

A administração pública de Parauapebas trabalha para resolver a situação dos indígenas venezuelanos da etnia Warao, que estão acampados há…
Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Tião Miranda pede que Bolsonaro ajude a duplicar 3 rodovias em Marabá

Logo após a execução do Hino Nacional, no Parque de Exposições, nesta sexta-feira, dia 18, o prefeito de Marabá, Tião…
Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

Brasil aplica mais de 2,56 milhões de doses de vacina em 24 horas

O Brasil estabeleceu um novo recorde nesta quinta-feira (17) ao aplicar 2.561.553 doses de vacinas contra a covid-19 em 24…
Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Vereador de Marabá entrega título de Honra ao Mérito ao presidente Bolsonaro

Antes de iniciar seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro convidou para o palco o vereador Fernando Henrique, de Marabá, e…
Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Em Marabá, Bolsonaro exalta “propriedade sagrada” e critica o MST

Festejado por apoiadores em Marabá, que estiveram aos milhares acompanhando seus passos desde o desembarque no aeroporto local, o presidente…
Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Parauapebas começa a vacinar pessoas sem comorbidades a partir de 50 anos

Neste sábado (19) todas as unidades de saúde das zonas urbana e rural de Parauapebas abrem das 9 às 17…