Correio de Carajás

Em sessão tensa, comissão rejeita relatório da reforma trabalhista

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
3 Visualizações

O tempo fechou na manhã desta terça-feira (20) durante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado que rejeitou, por 10 votos a 9, o texto principal da reforma trabalhista. Quem gostou e saiu comemorando da sessão foram os senadores de oposição, que praticamente monopolizaram os microfones nos debates com a ala governista.

Com a rejeição do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o voto em separado apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS) foi aprovado por unanimidade e segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o relator é o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

A turma mais à esquerda, formada por senador do PT, PSB e PCdoB, não pouparam críticas aos texto que, segundo afirmam, retiraria direitos já conquistados pelos trabalhadores, caso fosse aprovado do jeito que está.

Leia mais:

A crítica mais mordaz da oposição refere-se ao fato de o relator ter mantido o mesmo texto aprovado pelos deputados ao rejeitar todas as emendas apresentadas, inclusive as 87 da base governista que modificavam pontos do texto considerados polêmicos. Ferraço disse que seu objetivo, ao recusar as emendas, era dar celeridade à tramitação da proposta, já que qualquer mudança de mérito faria com que o projeto voltasse à análise da Câmara dos Deputados.

“Os senhores hoje, se votarem esse projeto, estarão renunciando ao mandato de senador. Estão dizendo: Olha, nós não queremos mais ser senadores. Que a Câmara faça o que bem entender, e nós assinamos embaixo. Vamos botar aqui na entrada da portaria do Senado uma fábrica de carimbos. Cada senador compra um carimbo, carimba o que vem da Câmara e manda para o presidente. É isso o que estamos fazendo. Estamos renunciando”, apelou o senador Paulo Paim (PT-RS).

Após o fim da sessão na CAS, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que o resultado “não deixa de ser uma derrota” para o governo. Na avaliação dele, porém, “nada muda”, porque os três relatórios – da CAE, da CAS e da CCJ – serão enviados a plenário e analisados separadamente.

 O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), também criticou a proposta de reforma. Disse que “este é um dia triste para o Senado”, com o avanço de uma proposta que, para ele, causará “males” ao país. “Quando nós somarmos essa reforma trabalhista, com o que de maldade ela contém, com a reoneração de setores da economia, vamos ter um desemprego alarmante no Brasil”, afirmou.

 O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que é preciso restabelecer a verdade e defendeu a proposta. “Não se está abrindo a porteira, é falta de responsabilidade dizer isso. Retirar décimo terceiro não é verdade. Estamos fazendo um ajuste para melhorar a situação de empregabilidade do país”, disse Jucá, destacando que o projeto também não trará redução de salários.

 Ricardo Ferraço lembrou que a mudança na legislação trabalhista está sendo feita por uma lei ordinária e, por isso, nenhum direito do trabalhador garantido pela Constituição Federal, lei maior do país, estaria ameaçado. “ Estou seguro e convicto de que, pela hierarquia das leis, a legislação ordinária não viola o que está consagrado na Constituição Federal. Estou pronto a acertar contas com o presente e com o futuro daquilo que estou fazendo”, afirmou Ferraço.

 

O tempo fechou na manhã desta terça-feira (20) durante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado que rejeitou, por 10 votos a 9, o texto principal da reforma trabalhista. Quem gostou e saiu comemorando da sessão foram os senadores de oposição, que praticamente monopolizaram os microfones nos debates com a ala governista.

Com a rejeição do relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), o voto em separado apresentado pelo senador Paulo Paim (PT-RS) foi aprovado por unanimidade e segue agora para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o relator é o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

A turma mais à esquerda, formada por senador do PT, PSB e PCdoB, não pouparam críticas aos texto que, segundo afirmam, retiraria direitos já conquistados pelos trabalhadores, caso fosse aprovado do jeito que está.

A crítica mais mordaz da oposição refere-se ao fato de o relator ter mantido o mesmo texto aprovado pelos deputados ao rejeitar todas as emendas apresentadas, inclusive as 87 da base governista que modificavam pontos do texto considerados polêmicos. Ferraço disse que seu objetivo, ao recusar as emendas, era dar celeridade à tramitação da proposta, já que qualquer mudança de mérito faria com que o projeto voltasse à análise da Câmara dos Deputados.

“Os senhores hoje, se votarem esse projeto, estarão renunciando ao mandato de senador. Estão dizendo: Olha, nós não queremos mais ser senadores. Que a Câmara faça o que bem entender, e nós assinamos embaixo. Vamos botar aqui na entrada da portaria do Senado uma fábrica de carimbos. Cada senador compra um carimbo, carimba o que vem da Câmara e manda para o presidente. É isso o que estamos fazendo. Estamos renunciando”, apelou o senador Paulo Paim (PT-RS).

Após o fim da sessão na CAS, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que o resultado “não deixa de ser uma derrota” para o governo. Na avaliação dele, porém, “nada muda”, porque os três relatórios – da CAE, da CAS e da CCJ – serão enviados a plenário e analisados separadamente.

 O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), também criticou a proposta de reforma. Disse que “este é um dia triste para o Senado”, com o avanço de uma proposta que, para ele, causará “males” ao país. “Quando nós somarmos essa reforma trabalhista, com o que de maldade ela contém, com a reoneração de setores da economia, vamos ter um desemprego alarmante no Brasil”, afirmou.

 O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que é preciso restabelecer a verdade e defendeu a proposta. “Não se está abrindo a porteira, é falta de responsabilidade dizer isso. Retirar décimo terceiro não é verdade. Estamos fazendo um ajuste para melhorar a situação de empregabilidade do país”, disse Jucá, destacando que o projeto também não trará redução de salários.

 Ricardo Ferraço lembrou que a mudança na legislação trabalhista está sendo feita por uma lei ordinária e, por isso, nenhum direito do trabalhador garantido pela Constituição Federal, lei maior do país, estaria ameaçado. “ Estou seguro e convicto de que, pela hierarquia das leis, a legislação ordinária não viola o que está consagrado na Constituição Federal. Estou pronto a acertar contas com o presente e com o futuro daquilo que estou fazendo”, afirmou Ferraço.

 

Comentários

Mais

Lei que obriga escolas a ter Bíblia é inconstitucional, decide STF

Lei que obriga escolas a ter Bíblia é inconstitucional, decide STF

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por unanimidade, ser inconstitucional lei estadual que obrigue escolas e bibliotecas a…
Lockdowns obrigatórios são vitais para conter covid-19, diz Merkel

Lockdowns obrigatórios são vitais para conter covid-19, diz Merkel

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse nesta terça-feira (13) que sua decisão de pedir ao Parlamento poderes temporários que…
Estado autoriza construção do campus da Uepa em Parauapebas

Estado autoriza construção do campus da Uepa em Parauapebas

O governador Helder Barbalho assinou na tarde desta segunda-feira (12) a ordem de serviço para construção do campus da Universidade…
Governo decreta situação de emergência no sul e sudeste paraense

Governo decreta situação de emergência no sul e sudeste paraense

Em virtude das fortes chuvas nas regiões sul e sudeste paraense, o Governador do Estado, Helder Barbalho, decretou nesta sexta-feira…
Confaz aprova parte da regulamentação da nova Lei do Gás

Confaz aprova parte da regulamentação da nova Lei do Gás

Os estados e o Distrito Federal aprovaram nesta quinta-feira (8) a uniformização e a simplificação das regras tributárias relacionadas ao…
Presidente do BC diz que alta da inflação é temporária

Presidente do BC diz que alta da inflação é temporária

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse hoje (9) que a alta da inflação que vem sendo…