Correio de Carajás

Eldorado do Carajás decreta emergência após estragos na zona rural

Pontes foram arrancadas e estradas cortadas pela água na zona rural de Eldorado
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A chuva que cai em grande volume desde o início do mês na região sudeste do Pará, aumentando os níveis dos rios, causa estragos nas zonas urbanas e rurais dos municípios. Em Eldorado do Carajás, por exemplo, a prefeita Iara Braga publicou decreto declarando situação de emergência no início da semana. Conforme o documento, o mau tempo provocou enxurradas na zona rural e alagamentos na zona urbana.

Em levantamento realizado pela Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e pelas Secretarias Municipais de Assistência Social e a de Obras, foram detectadas 8.311 pessoas afetadas na semana anterior, quase 30% da população, estimada em 33.940 habitantes em 2020, pelo IBGE. Destas, 2.009 haviam sido desalojadas, 54 pessoas estavam desabrigadas, 134 estariam enfermas e 6.114 foram afetadas indiretamente.

Diversas vicinais estão intrafegáveis

Na zona rural, onde o caos se instalou, as enxurradas destruíram 39 pontes de madeira e danificaram outras 15 pontes. Foram identificados, também, 23 bueiros destruídos, sete danificados e 2.498 km de vicinais intrafegáveis.

Leia mais:

O Correio de Carajás conversou na tarde desta quinta (25) com o vice-prefeito, Clenilton Alves de Albuquerque, que afirmou estar havendo dificuldade em restabelecer as condições normais, devido ao pouco maquinário possuído pela Prefeitura Municipal e à chuva, que segue caindo quase diariamente. 

“Eldorado do Carajás tem território muito grande na zona rural e muitas pontes e estradas foram afetadas. Com o nosso pouco maquinário, infelizmente, não demos conta de atender a todos os chamados. Temos poucas máquinas que estão sendo utilizadas nas áreas mais críticas, mas com muita chuva também há pouco o que se fazer”, diz.

Conforme ele, na área urbana não há pessoas abrigadas até o momento, mas a gestão acredita que seja uma questão de tempo. “Estamos prevendo que em breve poderemos ter pessoas desalojadas e estamos trabalhando para que possamos receber da melhor forma possível estas famílias que estarão em situação crítica. Os níveis dos rios estão subindo e estamos muito preocupados, em busca de ajuda para que possamos atender”, acrescenta.

Passagens são improvisadas, mas somente para motocicletas

Os rios que causam o péssimo cenário são o Vermelho e o Sororó. Segundo o coordenador da Defesa Civil, César Falcão, o maior problema atualmente é o isolamento de comunidades rurais, devido às pontes arrastadas e estradas cortadas. “Há dificuldade, principalmente, da trafegabilidade dos produtores rurais para escoamento das produções, o que nos trouxe bastante prejuízo”, explica.

A região mais afetada, informa, é a Colônia Gameleira, onde a água passou por cima de pontes, mas outras regiões também têm sofrido com estradas cortadas e muitos atoleiros. “Na zona urbana ainda não temos problemas, mas temos área para abrigar e assistir as pessoas que podem vir a ser desabrigadas, com cestas básicas, inclusive. A previsão é de mais chuva no município e na região e podemos ter alagamentos e ocorrer de precisarmos receber essas pessoas”, encerra.

Conforme o decreto publicado, o município não possui recursos financeiros específicos para ações de Defesa Civil, a fim de dar conta dos prejuízos e danos causados pelas chuvas intensas. Neste sentido, a prefeita solicita em caráter de urgência apoio dos governos federal e estadual para ações de respostas e restabelecimento, como realização de obras estruturais que evitem danos mais graves.

O decreto permite, ainda, a convocação de voluntários e campanhas de arrecadação, a entrada de equipes em casas para prestar socorro ou pronta evacuação, uso de propriedade particular em caso de iminente perigo público e início de processos de desapropriação, por utilidade pública, de propriedades comprovadamente localizadas em área de risco intensificado de desastre. (Luciana Marschall – com informações de Ronaldo Modesto)

Comentários

Mais

Noemi Gerbelli, a diretora Olívia de 'Carrossel', morre aos 68 anos

Noemi Gerbelli, a diretora Olívia de 'Carrossel', morre aos 68 anos

Noemi Gerbelli, atriz que ficou conhecida, entre outros trabalhos, como a diretora Olívia da novela “Carrossel” (2012/2013), morreu aos 68…
Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Sarau na Câmara celebra múltiplas linguagens artísticas de Marabá

Na noite desta terça-feira, dia 30 de novembro, a Escola do Legislativo de Marabá (Elmar) realizou o 6º Sarau Líteromusical,…
Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

Pará registra 610.087 casos e 16.928 mortes por Covid-19

O Pará contabilizou mais 695 casos de Covid-19 e 16 mortes causadas pela doença. Segundo o boletim divulgado pela Secretaria…
Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

Alec Baldwin diz que não puxou gatilho de arma que matou diretora de fotografia

O ator Alec Baldwin declarou em entrevista para TV que não puxou o gatilho da arma que matou a diretora de fotografia Halyna…
MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

MEC publica edital para adesão das instituições ao Fies de 2022

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta quarta-feira (1º) o edital com o cronograma e os procedimentos para participação das mantenedoras de…
HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

HIV: Brasil tem 694 mil pessoas em terapia antirretroviral

No Brasil, 694 mil pessoas estão em tratamento contra o HIV. Apenas neste ano, 45 mil novos pacientes iniciaram a…