Correio de Carajás

Educação: SindUnifesspa apoia agenda mobilizações em encontro do ANDES

Agenda de mobilizações com uma greve geral foram aprovadas no 39º Congresso do ANDES/Fotos: Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Realizado em São Paulo, neste mês, o 39º Congresso do ANDES – Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior – defendeu uma extensa pauta de mobilizações para este ano, que tem como ponto central a construção de uma greve dos docentes das instituições federais de ensino.

De Marabá, representando o Sindicato dos Docentes da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (SindUnifesspa), os professores Edma Moreira, Wanderley Padilha, Rigler Aragão e Cinthya Marques defenderam a elaboração do calendário de lutas para os próximos meses, que prevê rodada de assembleias até o dia 13 de março para debater a construção da greve e reunião conjunta dos setores das IFES e IEES dias 14 e 15 do mesmo mês. Na sequência, os docentes participarão do dia nacional de luta com paralisação, atividades e mobilização em 18 de março.

Professores de Marabá representaram o SindUnifesspa durante o encontro do ANDES

Durante o encontro, ficou claro para os professores que os ataques do governo federal à Educação Pública, como o programa “Future-se”, também impactam nos Estados e municípios. Por isso, os delegados deliberaram por construir a greve das instituições federais de ensino superior (Ifes) junto com os docentes das Estaduais e Municipais, buscando articular com demais entidades uma greve conjunta do Setor da Educação. Além disso, foi pautada a necessidade de incentivar e implantar a criação, nos estados, do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes por Direitos e Liberdades Democráticas, o fortalecimento da Frente Escola sem Mordaça e a luta contra a militarização das escolas.

Leia mais:

Aliás, os docentes de Marabá destacam que a política de corte de verbas das universidades e institutos federais e a política de proliferação de escolas militares têm sido a base ideológica de formação para a juventude, de modo combater essas ações é a única saída para salvar a educação.

Na visão dos professores, o ataque do governo à educação, focando na juventude, ocorre porque o governo sabe que, desde junho de 2013, os jovens vêm acelerando sua experiência e aprofundando seu protagonismo por uma educação pública, gratuita e emancipatória. Como exemplo, os professores citam as ocupações de escolas e universidades em 2016, a luta das jovens feministas contra Eduardo Cunha, a greve internacional de mulheres em 2017, o movimento “ele não” durante o primeiro turno da eleição 2018. São indicações que uma nova vanguarda mais radicalizada e com perfil anticapitalista se forja, e que refletiu no mês de maio de 2019 com o Tsunami da educação. (Da Redação)

Mais

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Em visita a Marabá nesta quarta-feira (12) o governador Helder Barbalho rodou a cidade fazendo inaugurações, assinando ordens de serviço,…
Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Um cruzamento entre a Avenida VS-10 e a Rua Florita, na altura do Bairro Morada Nova, em Parauapebas, tem causado…
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante a pandemia do novo coronavírus.…
Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará,…
Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

A Defensoria Pública do Pará (DPE) emitiu uma recomendação ao Governo do Estado para que as pessoas privadas de liberdade…
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS)…