Correio de Carajás

Distritos Industriais já representam quase 12% do PIB no Pará

O Pará mantém 173 empresas ativas nos Distritos Industriais/Foto: Divulgação

ECONOMIA

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Codec trabalha para aumentar o número de polos industriais, a fim de ampliar a exportação

Elevar a economia do Pará por meio da produção industrial, permitindo a regionalização dos processos produtivos. Com esse objetivo, os quatro Distritos Industriais administrados pela Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec), somam, em média, R$19,8 bilhões por ano. As áreas, que hoje geram mais de 60 mil empregos diretos e indiretos, contam com 238 empresas instaladas, sendo 173 ativas, nos lotes industriais que representam aproximadamente 12% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado.

Para o presidente da Codec, Lutfala Bitar, os DIs oferecem às indústrias diferenciais competitivos, que fomentam as cadeias de integração entre fornecedores de bens e serviços. “Os lotes industriais oferecidos pela Codec são oportunidades para pequenas, médias e grandes empresas se instalarem com melhor acesso logístico, graças às ótimas localizações dos distritos, além de assegurar aos inquilinos melhores infraestruturas”, informa o presidente.

A Codec também agiliza procedimentos que garantem parceria direta com as prefeituras locais. “Entre nossos bens e serviços está a facilidade de adquirir o licenciamento ambiental do lote, além de já ter disponíveis os serviços de energia elétrica e prestação serviços públicos, como limpeza e organização, realizadas pelos municípios”, acrescenta Lutfala Bitar.

Leia mais:

Novas áreas –  Além dos quatro distritos localizados nos municípios de Belém (Distrito de Icoaraci), Ananindeua, Marabá e Barcarena, onde funciona o complexo industrial e portuário de Vila do Conde, está em andamento a implantação de novas áreas administradas pela Codec.

Os DIs são potencialmente geradores de empregos diretos e indiretos/Foto: Divulgação

Segundo o diretor Técnico, Raimundo Wanderley, as novas áreas estão sendo avaliadas por equipes técnicas para a implantação dos novos DIs em locais estratégicos, para produção e exportação. “Em Castanhal estamos implantando uma área de 143,04 hectares, que irá disponibilizar 118 lotes para alavancar a produção industrial da região”, adianta o diretor.

Em Castanhal, a criação do Distrito Industrial é uma oportunidade para o crescimento local. “Com o DI em atividade, a previsão é que sejam gerados aproximadamente 2.400 empregos diretos, além das possibilidades de até 7.200 novos postos de trabalho entre serviços terceirizados, indiretos e induzidos”, ressalta Raimundo Wanderley.

Facilidade – “Em Santarém, já enviamos nossas equipes técnicas para avaliar os polígonos em que será implantado o novo distrito. A região é de fácil instalação por serem antigas fazendas e sítios, diminuindo os impactos ambientais”, acrescenta.

Foto: Divulgação

Os municípios de Breves, no Arquipélago do Marajó, e São João de Pirabas, no Nordeste, também estão em fase de estudos para implantação de áreas industriais. O potencial é de mais de 3,5 mil hectares, distribuídos entre 161 lotes nos dois municípios.

Para o diretor de Estratégia e Relações Institucionais da Codec, Pádua Rodrigues, a procura pelos novos distritos aumenta as expectativas para os municípios. “Em São João de Pirabas foi idealizado um distrito para potencializar a produção na Região do Rio Caeté. Estamos trabalhando com uma empresa âncora, com potencial de ofertar mais de 12 mil empregos diretos e indiretos na região”, destaca Pádua Rodrigues.

Bioeconomia – Entre as atividades em destaque nos últimos anos a mineração foi a que mais cresceu. Porém, com a iniciativa de aumentar as áreas industriais, abriram-se oportunidades para a área de transformação, possibilitando que o setor de bioeconomia esteja no protagonismo, já que o Pará oferece elevados diferenciais competitivos nesse setor em crescimento.

Os novos Distritos Industriais estão estrategicamente posicionados em regiões portuárias, o que facilita a exportação para outros continentes.

Comentários

Mais

Luiza Trajano entra na lista de 100 pessoas mais influentes da Time

Luiza Trajano entra na lista de 100 pessoas mais influentes da Time

A presidente do conselho de administração da rede varejista Magazine Luiza, Luiza Helena Trajano, entrou para a lista das 100…
Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

Produtores celebram safra e doam melancias à merenda escolar

A Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá, localizada na comunidade Boa Esperança, distante 15 quilômetros, próximo à região…
MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

MEC autoriza escolas a usarem verbas do PDDE para aulas presenciais

Uma resolução do Ministério da Educação publicada no Diário Oficial da União de hoje (17) autoriza os gestores das escolas públicas de educação básica…
Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Fiocruz avalia efetividade da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer

Um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com dados colhidos entre 17 de janeiro e 19 de julho reforçou que…
Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

Covid-19: número de casos e óbitos tem maior queda em 2021

O Boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado hoje (17), indica que a taxa de ocupação de…
Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Caminhão pega fogo em pátio de posto de combustível na Nova Marabá

Um caminhão pegou fogo no pátio de um posto de combustível localizado na Rodovia Transamazônica, no núcleo urbano da Nova…