Correio de Carajás

Desigualdade de renda cresce há 17 trimestres consecutivos no país, aponta FGV

Foto: reprodução
Foto: reprodução
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A desigualdade de renda no Brasil aumentou no 2º trimestre de 2019 pelo 17º trimestre consecutivo, o que representa o ciclo mais longo já registrado no país, segundo pesquisa da FGV Social, a partir de dados da PNAD Contínua do IBGE.

De acordo com o estudo “Escalada da Desigualdade”, do economista Marcelo Neri, trata-se de um recorde de duração nas séries históricas brasileiras: 4 anos e 3 meses.

“Nem mesmo em 1989 que constitui o pico do nosso piso histórico de desigualdade brasileira houve um movimento de concentração de renda por tantos períodos consecutivos”.

Leia mais:

O chamado índice Gini, que mede a concentração de renda, passou de 0,6003 no 4º trimestre de 2014 para 0,6291 no 2º trimestre de 2019. Segundo o estudo, o aumento de 0,0287 pontos no índice nesse período seguiu “um ritmo de aumento anual similar ao de queda observada no período histórico de marcada redução da desigualdade entre 2001 e 2014”.

De 2014 a 2019, a renda do trabalho da metade mais pobre da população caiu 17,1%, segundo o estudo. Já a renda dos 1% mais rico subiu 10,11% nesse período. Já a renda da fatia da população considerada de classe média (posicionada entre os 40% intermediários) teve queda de 4,16%.

A pesquisa mostra que a queda da renda média atingiu com mais intensidade os jovens com idade entre 20 e 24 anos (-17,16%), analfabetos (-15,16%), moradores das regiões Norte (-13,08%) e Nordeste (-7,55%) e pessoas de cor preta (-8,35%).

Entre as principais causas apontadas para o aumento da desigualdade estão a desaceleração econômica e, principalmente, o desemprego.

A pesquisa calcula que entre o final de 2014 até o fim de 2017, o número de brasileiros em situação de pobreza (renda de até R$ 233 por mês por pessoa) passou de 8,38% para 11,8% da população, atingindo 23,3 milhões, “um grupo maior do que a população chilena”.

Na véspera, o IBGE divulgou que 3,347 milhões de desempregados procuram emprego há pelo menos 2 anos. No 2º trimestre, a taxa de desemprego média no país recuou para 12%, ante 12,7% no 1º trimestre, atingindo 12,8 milhões de brasileiros.

(Fonte:G1)

Mais

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Helder inaugura, entrega cheques e assina ordens de serviço em Marabá

Em visita a Marabá nesta quarta-feira (12) o governador Helder Barbalho rodou a cidade fazendo inaugurações, assinando ordens de serviço,…
Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Cruzamento na VS-10 causa graves acidentes de trânsito

Um cruzamento entre a Avenida VS-10 e a Rua Florita, na altura do Bairro Morada Nova, em Parauapebas, tem causado…
Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez empreendedores fizeram vendas online na pandemia

Sete em cada dez micro, pequenas ou médias empresas (73,4%) do país estão fazendo vendas online durante a pandemia do novo coronavírus.…
Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

Brasil inaugura primeira antena rural para a internet 5G

O Brasil já tem instalada a sua primeira antena rural destinada à quinta geração de internet (5G). A tecnologia funcionará,…
Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

Defensoria recomenda vacina a pessoas presas de grupos prioritários

A Defensoria Pública do Pará (DPE) emitiu uma recomendação ao Governo do Estado para que as pessoas privadas de liberdade…
Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Comissão da OMS faz recomendações para evitar próxima pandemia

Um novo sistema global transparente deveria ser criado para apurar surtos de doenças, habilitando a Organização Mundial da Saúde (OMS)…