Correio de Carajás

Defensoria Pública : Ação agiliza processos

Após uma semana de atendimentos concentrados no Núcleo Regional Carajás da Defensoria Pública do Pará, centenas de pessoas foram beneficiadas em Marabá. De segunda (31) até esta sexta (4) cerca de 100 demandas diárias da área familiar foram agilizadas no órgão. De acordo com o defensor público, Francelino Eleutério da Silva, a diretoria regional optou por fazer o mutirão devido ao grande número de processo acumulados no órgão. “A gente constatou um número grande de agendamento aqui na Defensoria e nisso, a diretoria do interior resolveu fazer um mutirão”, disse.

Neste período, vários defensores atenderam durante cinco dias os casos de pensão de alimentos, divórcios e retificação de registro. Francelino informou que as ações civis encaminhadas pela defensoria são muitas. Conforme afirmou, cerca de oito mil processos da área familiar tramitam no Fórum de Marabá, todos provenientes de atendimentos feitos na defensoria. Durante esta semana, os defensores trabalharam pela manhã e à tarde para tentar zerar os 500 agendamentos que estavam estimados até junho de 2018. Normalmente, são atendidas entre 50 e 80 pessoas por dia na instituição.

Para ele, as demandas seriam sanadas mais rapidamente se o município tivesse mais defensores à disposição. “Nós tivemos uma redução tendo em vista a falta de aumento no orçamento da defensoria pública. Como não houve aumento nos últimos três anos, não teve mais concurso público para contratar os defensores. Nós temos uma deficiência hoje de 100 defensores no estado”.

Leia mais:

A unidade da Defensoria Pública em Marabá atua nas áreas cível, criminal, da infância e juventude, e do consumidor, e atende outros 16 municípios da região.

Demandas

Isabela Leodoro Mota saiu de Nova Ipixuna em direção à regional da Defensoria Pública em Marabá para dar entrada no processo de pensão alimentícia. Ela foi casada há sete anos, mas após a separação, o ex-marido se negou a pagar a pensão para o sustento do filho. “Quando eu vou conversar, ele quer me agredir”, conta. Para ela, a ação da defensoria é válida, levando em conta que o seu agendamento está previsto apenas par o ano que vem.

Já Adriana Nascimento, moradora da Folha 6, Nova Marabá, buscou o mutirão para resolver pendências relacionadas a pensão alimentícia e retificar o registro do filho. “A pensão está atrasada há um ano, eu já entrei com o processo e o pai não está pagando. Ele mandou só no ano passado, no mês de dezembro”, lamentou. Para ela o mutirão ajudou sua situação, uma vez que não tinha nem previsão para atendimento.

Ananias dos Santos Silva procurou a defensoria para dar entrada no divórcio. “Vou fazer o processo agora. E essa é uma oportunidade, porque a cada dia que passa, nós sentimos mais necessidade de ter acesso a esses serviços”, declara.

(Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

Após uma semana de atendimentos concentrados no Núcleo Regional Carajás da Defensoria Pública do Pará, centenas de pessoas foram beneficiadas em Marabá. De segunda (31) até esta sexta (4) cerca de 100 demandas diárias da área familiar foram agilizadas no órgão. De acordo com o defensor público, Francelino Eleutério da Silva, a diretoria regional optou por fazer o mutirão devido ao grande número de processo acumulados no órgão. “A gente constatou um número grande de agendamento aqui na Defensoria e nisso, a diretoria do interior resolveu fazer um mutirão”, disse.

Neste período, vários defensores atenderam durante cinco dias os casos de pensão de alimentos, divórcios e retificação de registro. Francelino informou que as ações civis encaminhadas pela defensoria são muitas. Conforme afirmou, cerca de oito mil processos da área familiar tramitam no Fórum de Marabá, todos provenientes de atendimentos feitos na defensoria. Durante esta semana, os defensores trabalharam pela manhã e à tarde para tentar zerar os 500 agendamentos que estavam estimados até junho de 2018. Normalmente, são atendidas entre 50 e 80 pessoas por dia na instituição.

Para ele, as demandas seriam sanadas mais rapidamente se o município tivesse mais defensores à disposição. “Nós tivemos uma redução tendo em vista a falta de aumento no orçamento da defensoria pública. Como não houve aumento nos últimos três anos, não teve mais concurso público para contratar os defensores. Nós temos uma deficiência hoje de 100 defensores no estado”.

A unidade da Defensoria Pública em Marabá atua nas áreas cível, criminal, da infância e juventude, e do consumidor, e atende outros 16 municípios da região.

Demandas

Isabela Leodoro Mota saiu de Nova Ipixuna em direção à regional da Defensoria Pública em Marabá para dar entrada no processo de pensão alimentícia. Ela foi casada há sete anos, mas após a separação, o ex-marido se negou a pagar a pensão para o sustento do filho. “Quando eu vou conversar, ele quer me agredir”, conta. Para ela, a ação da defensoria é válida, levando em conta que o seu agendamento está previsto apenas par o ano que vem.

Já Adriana Nascimento, moradora da Folha 6, Nova Marabá, buscou o mutirão para resolver pendências relacionadas a pensão alimentícia e retificar o registro do filho. “A pensão está atrasada há um ano, eu já entrei com o processo e o pai não está pagando. Ele mandou só no ano passado, no mês de dezembro”, lamentou. Para ela o mutirão ajudou sua situação, uma vez que não tinha nem previsão para atendimento.

Ananias dos Santos Silva procurou a defensoria para dar entrada no divórcio. “Vou fazer o processo agora. E essa é uma oportunidade, porque a cada dia que passa, nós sentimos mais necessidade de ter acesso a esses serviços”, declara.

(Nathália Viegas com informações de Josseli Carvalho)

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.